A cidade de páginas abertas

Clube de Leitura Lima Barreto organiza programação especial de verão, com visitas especiais e leituras ao ar livre

Iara Machado

Ler a cidade como quem lê um livro. Esta foi a proposta do Clube de Leitura Lima Barreto para os seus participantes durante a temporada de verão. Iniciativa conjugada da Biblioteca Lima Barreto e do Livro Labirinto – respectivamente equipamento e projeto mantidos pela Redes da Maré – o Clube oferece reuniões semanais, sempre quartas-feiras, às 15h30m, com 20 vagas gratuitas, para moradores da Maré que tenham a partir de 15 anos. Na programação regular, um livro é lido em voz alta pelos participantes ao longo do semestre.

Durante as férias, o Clube propôs uma programação especial e mais lúdica e relaxante, que conjugou as leituras de textos de autoras e autores negros de vários períodos – Machado de Assis, Conceição Evaristo, Grada Kilomba, Geovani Martins – com passeios literários pela cidade.

Com o apoio da Associação de Funcionários do BNDES, que viabilizou o aluguel de vans, o Clube fez duas grandes visitas especiais. Na primeira, a programação foi intensa: começou com uma visita à exposição “Rio dos navegantes”, no Museu de Arte do Rio, onde os integrantes do Clube participaram de uma conversa e uma vivência de escrita com a artista Rosana Palazyan, que tem uma obra, criada a partir das memórias de sua família de refugiados armênios, incluída na exposição. Depois desse primeiro evento, o percurso continuou no MAR, onde os jovens do Clube, que hoje têm entre 16 e 30 anos, enxergaram um pouco de suas realidades como moradores de favela na exposição “Pardo é papel”, do jovem artista Maxwell Alexandre.

Depois do museu, todos caminharam pela região portuária até a Casa Porto, outra apoiadora do Livro Labirinto, que ofereceu um almoço caprichado e completo. Uma leitura ao ar livre foi feita em torno da estátua da coreógrafa Mercedes Baptista, celebrando seu pioneirismo como artista negra que formou tantos outros artistas. O dia continuou na Cidade do Samba, onde o Clube foi recebido pelos carnavalescos de quatro grandes escolas do Rio de Janeiro, três do grupo Especial, todas vitoriosas no Desfile das Campeãs – Mangueira (Leandro Vieira), Mocidade Independente (Jack Vasconcelos) e a campeã de 2020, Viradouro (Marcus Ferreira e Tarcísio Zanon) –  e a campeã da Série A, Imperatriz Leopoldinense (também com carnaval assinado por Vieira).

Mateus Benny, de 20 anos, um dos monitores do Clube de Leitura, diz que a ida à Cidade do Samba fez com que entendesse o carnaval como um discurso, que é planejado passo a passo: “Foi um dia muito especial, porque amo carnaval e nunca imaginei como eram feitos os carros alegóricos e nem como um enredo é pensado e construído. O encontro com os carnavalescos ativou todo o meu imaginário”, diz ele, que também é aluno do Curso Pré-Vestibular Rede de Saberes e quer cursar Pedagogia. Fernanda Medeiros, de 28 anos, foi outra que saiu transformada do encontro com cada carnavalesco do Grupo Especial: “Eles foram pessoas muito generosas, porque cada um ficou mais de uma hora conosco, um tempo em que eles poderiam estar gastando em terminar seus desfiles. Para mim foi o dia mais importante do ano até agora. Entendi o quão grandioso e importante é fazer um carnaval.”

“A ideia de visitar os barracões foi mostrar que um enredo de escola de samba é uma narrativa literária, uma história que está sendo contada. Uma escola desfila melhor quando tem o que dizer e estrutura melhor aquilo que vai narrar”, conta a curadora Daniela Name, do Livro Labirinto, que organiza o Clube ao lado da educadora Luciene de Andrade, coordenadora da Biblioteca Lima Barreto. “Na segunda visita o tema foi outro. Tentamos mostrar como cada biblioteca pode ser um universo, um verdadeiro labirinto”.

Neste outro passeio, o grupo foi ao Espaço Cultural BNDES, onde viu a exposição “Visão cotidianas do Brasil Moderno”; ao Real Gabinete Português de Leitura e à Biblioteca Nacional, terminando o dia na Galeria Aymoré, na Glória, onde teve um encontro com o escritor Marcelo Moutinho, que acaba de lançar o elogiado livro de contos “Rua de dentro” (Record). Na Biblioteca Nacional, a visita passou pelo setor de obras raras, onde os participantes viram manuscritos dos escritores Lima Barreto, patrono do Clube, e Carolina Maria de Jesus, além de documentos raros e volumes com iluminuras. 

“É muito importante para os jovens da Maré circularem pela cidade, entenderem que fazemos parte, que ela é nossa. No Real Gabinete, descobrimos que Machado de Assis escreveu seus livros ali. Já na Biblioteca Nacional soubemos que o jovem Drummond tinha uma cadeira cativa, a de número 4, que usava para criar seus poemas. É muito lindo imaginar essas pessoas como homens comuns, que tiveram na biblioteca um lugar para criar suas obras – diz Vitor Cordeiro, de 24 anos, que acaba de começar a  Faculdade de Letras da UFRJ e quer ser monitor do Livro Labirinto e do Clube de Leitura ao longo de 2020. – Mudei minha orientação profissional por causa do Clube e das palestras do Livro Labirinto no CPV. Ia fazer Direito e percebi que gostava mesmo era de literatura. Agora quero muito integrar a equipe do projeto para, ajudando os novos vestibulandos, retribuir um pouco do que recebi.

Saiba como participar do Clube da Leitura e se tornar um DOADOR do Livro Labirinto

O Clube de Leitura Lima Barreto tem um fluxo contínuo de Leituras, dividido em “ciclos”. O Ciclo de Verão se encerra em meados de março e, na segunda quinzena deste mês, inicia-se o Ciclo “A tropa”, em que o participantes lerão a peça “A tropa”, escrita pelo dramaturgo Gustavo Pinheiro e vencedora do prêmio CCBB para novos autores. Entre o meio de abril e início de maio se iniciará o Ciclo “1984”, com a leitura de “1984”, obra-prima do escritor George Orwell que foi escolhida como tema da redação da Uerj para o vestibular 2020-2021.

  Para participar do Clube, os interessados devem ter a partir de 15 anos, morar na Maré e se dirigir à Biblioteca Lima Barreto, em Nova Holanda, onde precisam realizar sua inscrição, fornecendo nome completo, email, endereço e telefone de contato (preferencialmente com WhatsApp). As reuniões são gratuitas e acontecem semanalmente, às quartas-feiras, das 15h30m às 18h, mediadas pela curadora e professora Daniela Name.  Além da leitura compartilhada e dos debates, são realizados exercício de interpretação de texto, narrativa oral e escrita, além de apresentação de programas especiais (visitas de autores, filmes, passeios).

O Clube de Leitura é uma iniciativa da Biblioteca Lima Barreto e do Livro Labirinto (LL), mantido pela Redes da Maré em parceria com a Caju Conteúdo e Projetos. Além do Clube, o LL produz e realiza um conjunto de palestras para apoiar o conteúdo de literatura do Curso Pré-Vestibular Maré de Saberes, especialmente voltado para os livros cobrados pelo vestibular da Uerj. Esta ação se complementa com a arrecadação dos títulos pedidos pela universidade em seu vestibular nas provas gerais, que este ano são três: “O triste fim de Policarpo Quaresma”, de Lima Barreto, “Assim na terra como embaixo da terra”, de Ana Paula Maia, e “1984”, de George Orwell. Qualquer interessado em colaborar com as doações pode entregar volumes deste títulos, sejam eles usados ou novos, na Biblioteca Lima Barreto, em Nova Holanda, entre 12h e 21h.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui