Movimentos faz vakinha para financiar casa na Maré

0
298

Coletivo tem até o início de agosto para atingir a meta do financiamento on-line

Thaynara Santos

A Casa Movimentos será um espaço de trabalho, formação, mobilização e construção de redes voltado para juventude que debate política de drogas na periferia. Entre as atividades que serão realizadas no espaço, estão: aulas e oficinas de formação, imersões e residências com jovens periféricos de diferentes partes da cidade, eventos culturais e artísticos, produção audiovisual e de comunicação.

O grupo Movimentos, formado por 15 jovens de várias favelas e periferias do Rio de Janeiro, surgiu em 2016, como um projeto do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC). O coletivo promove a discussão sobre política de drogas, a partir da vivência da juventude negra, favelada e periférica, em pré-vestibulares, universidades, escolas, Organizações Não Governamentais e unidades do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), entre outros.

Um lugar de formação

A meta 1 – Tudo ou nada, de 15 mil, cobre o aluguel e as despesas mensais da casa durante um ano. A meta 2 – Fazendo acontecer, de 30 mil, mantém o espaço funcionamento por dois anos (aluguel e custos mensais) e paga o mobiliário básico da casa. O financiamento coletivo, lançado no início de junho, tem até o dia 6 de agosto para atingir as duas metas.

Jéssica Souto, produtora audiovisual, cria do Complexo do Alemão e integrante do Movimentos, explica que a Casa será um grande passo para o futuro do coletivo, que em 2020 pretende ser independente. “Hoje o sonho da Casa Movimentos é mais uma das ferramentas que queremos usar nesse processo de devolutiva para os nossos. Um lugar pensado para a formação da juventude periférica sobre direitos humanos, racismo e guerra às drogas. Queremos nossa juventude viva, ocupando o debate, a cidade, as universidades. E isso não se faz com fuzil. Somos especialistas e vivencialistas de tudo o que se discute na academia e em tantos espaços de poder que falam sobre nós”, conta a integrante.

Drogas, Juventude e Favela

Há três anos, o coletivo participa de uma série de oficinas e formações com especialistas sobre política de drogas, sistema socioeducativo, encarceramento em massa, legislação e saúde. Em 2017, o grupo de jovens produziu a Cartilha Movimentos, um guia com linguagem simples e direta que aborda temas como guerra às drogas, redução de danos e história da droga, usada nas oficinas e formações do grupo.  

A Casa Movimentos ficará no Parque União, uma das 16 comunidades no conjunto de favelas da Maré. Para colaborar, clique aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui