Ronda Coronavírus: Brasil soma mais de 4 milhões de casos confirmados de covid-19

Secretaria de enfrentamento ao coronavírus indica que sete regiões têm baixo risco para a doença

O Brasil ultrapassou o número de 4 milhões de pessoas infectadas pelo novo coronavírus nesta última quinta-feira (03). O país também contabilizou mais de 124 mil mortes. Após dias apresentando média móvel de mortes em alta, o estado do Rio voltou a apresentar queda nos números. De acordo com a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, sete regiões do estado estão classificadas com bandeira amarela, que indicam risco baixo para a doença. Duas ainda apresentam bandeira amarela, risco moderado. Como um todo, o estado encontra-se com risco baixo para o novo coronavírus pela observação da taxa de ocupação de leitos, e variação no número de óbitos, que teve queda de quase 11%, comparado à última semana de julho. O relatório está disponível para leitura aqui. O estado do Rio contabiliza desde o início a pandemia até hoje (04) mais de 232,4 mil casos confirmados e mais de 16,4 mil mortes pelo novo coronavírus, mais de 93 mil casos apenas na capital.

Covid-19 nas favelas

Desde o início da pandemia são 10.157 casos e 1.477 mortes nas favelas, entre confirmados e autodeclarados por relatorias populares, de acordo com o Painel Unificador das Favelas. Na Maré são 585 pessoas confirmadas e 92 mortes pelo novo coronavírus nesta sexta-feira, de acordo com painel da prefeitura. Já pelo boletim De Olho no Corona!, são 1.096 pessoas sem confirmação e 34 mortes suspeitas, totalizando em 1.667 casos e 126 mortes por coronavírus no território. Em uma semana foram 28 novos casos, mantendo-se na média das últimas duas semanas.

O boletim desta semana apresentou o Conexão Saúde – De olho na covid, projeto de enfrentamento ao novo coronavírus na Maré e em Manguinhos, que vai desenvolver ações como a telemedicina, ofertada pelo SAS Brasil, a testagem, pela Dados do Bem e o programa de isolamento seguro, oferecido pela Redes da Maré e o SAS Brasil. Para entender melhor a articulação e conhecer quem são os parceiros envolvidos no projeto, leia aqui.

Nesta sexta-feira (04), circulou um carro na Vila dos Pinheiros falando sobre a flexibilização do isolamento social e reforçando a necessidade de se manter as medidas de higiene. É importante lembrar que ao sair na rua, é necessário usar a máscara em local correto, cobrindo nariz e boca, higienizar as mãos, utilizar o álcool gel enquanto estiver na rua, não coçar olhos e nariz com a mão suja.

Mesmo com a flexibilização, é importante seguir se cuidando e usando a máscara – Foto: Douglas Lopes

Pedido de impeachment na prefeitura do Rio

Em meio a uma crise sanitária no país, o estado e a cidade do Rio de Janeiro tem passado também por uma crise política. Após o afastamento do governador na última semana de agosto, nesta semana foi o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, que foi envolvido em um escândalo. Os chamados Guardiões do Crivella são pessoas ligadas à prefeitura que se organizam para atrapalhar a cobertura da imprensa em hospitais da cidade. Na última quinta-feira (03), foi feita uma sessão para votar o afastamento do prefeito. Dos 48 votantes, 23 apoiaram a abertura e 25 optaram por não abrir o processo. 

Corrida pela vacina

Países que estão desenvolvendo as candidatas a vacina contra a covid-19 estudam a possibilidade de liberar o uso emergencial antes da finalização de testes clínicos, a fase 3 da produção da vacina. Esta fase é a última durante a produção de imunizantes, mas a etapa pode levar cerca de 1 ano até fornecer resultados, prazo muito longo diante de uma pandemia. 

Atualmente, existem oito vacinas em fase final de testes no mundo. Dentre essas, o Brasil tem participação em três: imunizantes produzidos pela Sinovac Biotech (China), Pfizer em parceria com a BioNtech (Alemanha) e Universidade de Oxford em parceria com Astrazeneca (Reino Unido).

Combate à desigualdade

Organização das Nações Unidas (ONU) cobra do Brasil medidas de combate à pandemia para indígenas, negros e quilombolas. O órgão enviou uma carta exigindo posicionamento legal sobre medidas de segurança após vetos em lei que previa assegurar grupos mais vulneráveis à pandemia no país. A Lei 14.201, de 2020, sancionada em julho, prevê que povos tradicionais, como indígenas e quilombolas, devem ser considerados como “grupos em situação de extrema vulnerabilidade”.

Dentre os indígenas são até o momento 29.609 indígenas contaminados, 777 falecidos e 156 etnias atingidas, de acordo com levantamento feito pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB). Já no caso dos quilombolas, são 4.541 confirmados, 1.214 casos em monitoramento e 156 mortes, segundo boletim da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq).

Reabertura dos espaços culturais com protocolos de segurança

A partir de agora, teatros, cinemas, museus, galerias de arte, entres outros equipamentos, públicos ou privados da cidade do Rio, poderão ser incluídos no site Turismo Consciente. No portal o público pode  verificar quais serviços turísticos estão cumprindo com os protocolos que minimizem o contágio da Covid-19.

Dicas culturais

Ao longo da semana, Grupo Conexão G tem realizado lives nas redes sociais 10° Semana da Diversidade LGBTQIA+ da Maré. Para o encerramento da semana, vai acontecer no domingo, dia 06 de setembro, a 10ª Parada LGBTQIA+ da Maré! A partir das 16h, diversas atrações vão se apresentar no YouTube e Facebook do Grupo Conexão G. Confira as atrações abaixo:

  • Preta Queen Be
  • Dj Drigo
  • Charlotte Milu
  • Dj Hantz
  • Natalhão
  • Desiree Cher
  • Kellvn
  • House of Cazul
  • House of Nefertit 
  • Afeminada Plus
  • Hiran
  • EMNE
  • Lucas Boombeat
  • Majur
  • Encerramento – Fala de Gilmara Cunha

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui