Ronda Coronavírus: Ação policial na Maré suspende atendimento médico

Em plena pandemia, atendimentos em Clínica da Família foram suspensos durante a manhã de quarta

O país tem 955.377 casos confirmados e 46.510 mortes por coronavírus até o dia de hoje (17), segundo dados no Ministério da Saúde. O estado do Rio passa de 86 mil casos confirmados e 8 mil mortes, na cidade do Rio são  45.978 confirmados e mais de 5 mil mortes. Nas favelas cariocas, segundo dados oficiais apontam para 1.941 casos confirmados e  404 mortes.  Na Maré, pelo Portal Rio Covid-19, são 278 casos confirmados e 70 óbitos, mas de acordo com o boletim De Olho no Corona!, canal direto com moradores, são mais de 740 casos suspeitos e 94 mortes pelo novo coronavírus.

Rio epicentro da pandemia no país

E a cidade do Rio de Janeiro vive, em conjunto com o Estado, a pandemia como se ela tivesse acabado. Os camelôs voltaram às ruas no dia 4 de junho. Dois dias depois, shoppings, lojas de rua, áreas de lazer e de esportes, bares e restaurantes foram liberados para funcionar, assim como as igrejas. “Temos uma situação no Estado de maior letalidade do Brasil, de 10% sobre o total de casos”, alerta Ligia Bahia, médica especializada em Saúde Pública da UFRJ. Na visão da médica, a partir desse indicador, o Rio deveria ser considerado o epicentro da pandemia no Brasil. 

Mortes por  Síndrome Respiratória Aguda Grave

Para cada 10 pessoas que morreram por Covid-19 no Brasil, outras oito morreram por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) sem causa determinada. Até a primeira semana de junho foram 23 mil casos. Os sintomas são os mesmos e a faixa etária das vítimas também: 7 de cada 10 têm 60 anos ou mais. Os dados fazem parte das fichas de pacientes enviadas pelos hospitais para o Ministério da Saúde, sistema que foi desenhado para monitorar a influenza, mas se revelou um indicador da subnotificação de mortes pelo coronavírus. Em Minas Gerais, para cada 10 vítimas da Covid-19, há outras 45 mortes por SRAG indeterminada. No Paraná, 51. No Mato Grosso do Sul, 87. A análise completa aborda as mortes incógnitas da pandemia, que se parecem com a Covid-19, mas não entram na conta oficial.

Ação policial

Na manhã desta quarta-feira (17), uma ação policial foi realizada nas favelas Nova Holanda e Parque Maré. Homens do Batalhão de Polícia de Choque passavam pela Av. Brasil quando a ação foi desencadeada. A partir das 7h iniciaram os relatos de moradores pelas redes sociais sobre intensas trocas de tiro, e homens do BPChq circulando no território. 

No último dia 5 de junho, o Supremo Tribunal Federal determinou a suspensão de operações policiais durante o período de pandemia de Covid-19. A determinação prevê inclusive pena de responsabilização civil e criminal caso aconteçam operações. Hipóteses absolutamente excepcionais, que deveriam ser devidamente justificadas por escrito pela autoridade competente, com a comunicação imediata ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, estariam liberadas. Além do policial atingido, duas pessoas foram baleadas e encaminhadas para o Hospital Geral de Bonsucesso nesta manhã.

 De acordo com a assessoria de imprensa e fala do porta-voz da PMERJ coronel Mauro Fliess, a mobilização de mais policiais do choque para ação na região foi emergencial. É importante destacar que a realização de uma ação deste porte durante o período de pandemia, impede a realização de ações de solidariedade como a entrega de cestas básicas e itens de higiene, impacta na circulação das pessoas em busca de atendimento em unidades de saúde e coloca em risco a vida de milhares de pessoas. O atendimento na Clínica da Família Jeremias Moraes da Silva ficou suspenso durante toda a manhã de hoje. 

Auxílio emergencial

Caixa começa a pagar terceira parcela do auxílio emergencial. Nesta etapa, 13,5 milhões beneficiários do Bolsa Família receberão o auxílio. Everton de Oliveira, de 33 anos e morador do Parque Rubens Vaz, ficou sem renda antes de começar a pandemia. Os profissionais autônomos são maioria nas favelas cariocas e tiveram seus empregos prejudicados durante a pandemia. Enxergando como oportunidade, Everton se cadastrou para receber o auxílio disponibilizado pelo governo, mas depois de meses, continua aguardando a aprovação. De acordo com a Caixa Econômica Federal, mais de 10 milhões de pessoas ainda estão aguardando o recebimento do Benefício Auxílio Emergencial.

Everton se cadastrou para receber o auxílio disponibilizado pelo governo, mas depois de meses, continua aguardando a aprovação

Acesso precário à internet para a educação

A Pesquisa TIC Educação 2019, que estuda a apropriação das tecnologias de informação e comunicação, aponta que apenas 14% das escolas públicas e 64% das particulares do país têm ou disponibilizam plataforma de aprendizagem ou um ambiente para estudos online. Durante a pandemia do novo coronavírus, o estudo a distância foi uma alternativa, mas não para todos. Ana Júlia, 15, que é moradora do Pinheiro, na Maré, e estudante do 1º ano do ensino médio, não concorda com o oferecimento de aulas online e um dos motivos é a desigualdade que percebe no seu entorno. “Muitos alunos não têm acesso à internet, não porque não querem, mas porque não podem. Acaba que eles não aprendem”.

Ana Júlia, 15, que é moradora do Pinheiro na Maré e estudante do 1 ano do ensino médio, não concorda com o oferecimento de aulas online 

Já a jornalista Ana Paula Oliveira, moradora da Nova Holanda não estuda mais, mas necessita da Internet para trabalhar e passa pela mesma precariedade no serviço de internet. Não tendo acesso à banda larga teve que comprar dados móveis para poder continuar o trabalho durante a pandemia.

Ana Paula Oliveira, moradora da Nova Holanda tem  muitas dificuldades com o serviço de internet

Inscrições para jornalistas

Estão abertas as inscrições para o projeto de capacitação que dará bolsas a jovens jornalistas da Maré para realização de reportagens sobre o impacto da Covid-19 no conjunto das 16 favelas. Poderão ser inscrever jornalistas, fotógrafos e comunicadores moradores da Maré, para produzirem conteúdos sobre o impacto da pandemia de Covid-19 em suas comunidades. Serão oferecidas cinco bolsas de reportagem de  R$ 3 mil cada aos jovens jornalistas da Maré. As equipes do #Colabora e do Portal Maré de Notícias vão orientar os selecionados e oferecer capacitação em treinamentos online sobre como elaborar a pauta, apurar a reportagem, editar e criar material engajador nas redes sociais. Todo o conteúdo será publicado, no prazo de até três meses, nos sites e canais de redes sociais do #Colabora e do Maré de Notícias. Faça sua inscrição aqui.

Nenê do Zap

Não é porque se está relaxando as medidas de isolamento que devemos deixar de pensar que o distanciamento social, máscara, água e sabão não sejam mais importantes. Tudo isso ainda deve ter muita atenção de todos enquanto a vacina não sai. Confira na dica do Nenê do Zap de hoje.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui