Van Gogh também é coisa de criança

Alunos da Osmar Paiva Camelo: aprendendo português e matemática de forma lúdica | Foto: Douglas Lopes

Alunos do 1º ano do Ensino Fundamental Osmar Paiva Camelo criam, recriam e estudam, a partir da vida e da obra de um dos maiores pintores de todos os tempos

Maré de Notícias #107 – Dezembro de 2019

Thaynara Santos

O pintor holandês Vincent Van Gogh foi estudado durante um semestre letivo e sua vida e obras serviram de inspiração para a exposição produzida por professores e alunos do 1º ano do Ensino Fundamental. O trabalho foi uma parceria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Escola Municipal Primária Osmar Paiva Camelo, do Campus Maré. A ideia para a exposição surgiu durante uma conversa com as crianças sobre moradia. O objetivo das professoras foi entender a forma como as crianças se relacionavam e enxergavam o lugar onde moram.

Foto: Douglas Lopes

Na exposição, foram apresentados autorretratos, painéis e pinturas produzidas pela turma. “Autorretrato”, “A noite estrelada”, “Doze girassóis em uma Jarra” e “A casa amarela” foram algumas das obras estudadas que as crianças mais gostaram. Nathan Isaque, um dos alunos-artistas, explica: “Nós fizemos ‘A casa amarela’ e a ‘Noite Favelada’. Foi muito legal!” As professoras explicaram que o nome na pintura é “Noite estrelada”, mas ele prefere o nome que deu. Alícia Beatriz Lima, colega de classe do Nathan, apresentou orgulhosamente o desenho que fez de Van Gogh e diz que foi sua “parte preferida na exposição”. 

Aline Marvila e Nathalia Alho contam que os alunos de História da Arte da UFRJ foram essenciais para o planejamento artístico do projeto. Quinzenalmente, de agosto a novembro, os graduandos ofereciam oficinas de arte para os alunos. Além disso, as crianças conheceram um atelier na UFRJ. Aline explica que o objetivo do projeto é ampliar os horizontes dos alunos que, muitas vezes, se restringem ao local onde vivem, e que o ensino das matérias do plano escolar não foram afetadas:  “As crianças estão em fase de alfabetização e aprenderam Matemática e Português de forma lúdica, a partir da vida de Van Gogh, e os processos do projeto, como arrecadação de dinheiro e recolhimento de tampinhas de PET”. Detalhe: foram recolhidas mais de 8 mil tampinhas, utilizadas no painel “Noite estrelada”. 

“Durante o projeto, a gente sempre valorizou o trabalho deles, sempre falamos que eles fazem coisas lindas, para que se sentissem valorizados e especiais. A participação dos pais foi muito importante no projeto, eles embarcaram em todas as loucuras (risos). Toda semana, falamos para eles sobre os eventos que estão acontecendo próximos daqui – muitos, gratuitos. Tem a Lona da Maré, tem bibliotecas, o Centro de Artes da Maré (CAM), entre outros equipamentos. Queremos que os alunos saibam que têm outros horizontes, novas possibilidades”, explica professora Aline Marvila. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui