Minha roupa é de Carnaval, meu cabelo é igual

Foto © Douglas Lopes

Quais são as maiores tendências de cabelo e roupa para curtir o Carnaval 2020? A Maré tem os profissionais e lojas perfeitos para te fazer brilhar na folia

Maré de Notícias #109 – fevereiro de 2020

Flávia Veloso

O Maré de Notícias consultou especialistas em moda e barbearia na região, para dar as dicas que vão fazer o corpo e a cabeça da galera no Carnaval 2020. Com que roupa você vai cair no samba? Seja de body ou shortinho, de cabeleira, cabeluda ou descabelada, o importante é cair na folia!

O samurai das navalhas

Juninho Samuray, da Nova Holanda, estuda com frequência para conhecer as técnicas de corte e pintura | Foto: Douglas Lopes

O barbeiro mais falado nas nossas redes sociais é um rapaz conhecido como Juninho Samuray. Ele é cria do Complexo do Alemão e, há seis anos, corta cabelo na Maré, atrás do Campo da Paty, na Nova Holanda.

E essa fama não é à toa. Os cortes, desenhos e colorações feitas por Samuray são impecáveis. Ele acompanha as tendências e aprimora suas técnicas, para oferecer sempre o melhor aos clientes.

“Eu aprendi a cortar cabelo com um colega. A gente cortava o cabelo um do outro, e ele ia me ensinando. Um dia, ele se mudou, eu tive de passar a cortar meu próprio cabelo e ir me especializando sozinho. Na época, trabalhava como porteiro e fui mandado embora. Já tinha vontade de trabalhar como barbeiro, então entrei para a área. Peguei minha rescisão e meti a cara. Montei meu primeiro salão, atrás do gol do Campo da Paty”, contou Juninho, sobre a coragem que teve em mudar totalmente de profissão e de vida.

Hoje, seu salão continua atrás do Campo, mas não mais atrás do gol. Quem não o conhece e entra pela primeira vez em sua barbearia, suspeita da alta procura pelos serviços do barbeiro, isto porque o salão está quase vazio, no máximo com ele e mais dois clientes. O motivo é que o Samuray só faz seus cortes com horário agendado, justamente para que ele e seus clientes, que são da Maré e de outros lugares da cidade, fiquem confortáveis.

Elas também deixam na régua

Quem disse que barbearia não é lugar para mulher? Tanto é que a Artenisia Barboza, mais conhecida como Isa, comanda o próprio negócio, a Barbearia da Isa, na Baixa do Sapateiro, em frente à Praça do 18.

Há sete anos, ela veio do Ceará para a Maré, onde tem familiares. Conseguiu alguns empregos, mas sentia que não se encaixava em nada que arrumava. Queria mesmo era ser barbeira, mesmo ainda nem sabendo cortar cabelo, na época.

Começou a investir no seu sonho há três anos, fez cursos e montou o próprio salão, na cara e na coragem. Mas nem sempre foi fácil conseguir clientes. Ela começou sozinha no salão, e o preconceito, por ser barbeira, manteve o público afastado. “No começo, tive dificuldade. Vinha um ou dois. Depois foi se espalhando, fui mostrando meu trabalho e agora o salão vive cheio, principalmente nos fins de semana”, contou Isa. Hoje, ela trabalha com mais dois barbeiros, que ela contratou.

Um empreendimento novo que deu certo

A Barbearia do Rodrigo é pequena no tamanho, mas já é grande no sucesso que faz na Rua Principal da Vila do João, próximo ao ponto de mototáxi, quase chegando à Avenida Brasil.

Assim como Isa, Rodrigo Oliveira veio do Ceará e está na Maré há seis anos. Cortar cabelo é um ofício que veio da família e que o barbeiro aperfeiçoou depois de chegar no Rio de Janeiro, até montar sua barbearia, que tem um ano e quatro meses de funcionamento. Rodrigo nunca fez curso. Foi aprendendo as técnicas, assistindo a vídeos na internet e começou a praticar, cortando os cabelos de seus primos.

A localização da barbearia foi favorável para que o negócio prosperasse, por conta da intensa circulação de pessoas: “Quando comecei, aqui, foi fraco, mas perseverei. As pessoas começaram a conhecer meu trabalho e deu certo. Elas passavam, olhavam os cortes… Quem vinha, sempre elogiava e aí espalhava para outras pessoas”, contou Rodrigo sobre a trajetória do seu empreendimento.

Mesmo sendo uma barbearia com pouco tempo de estrada, a competência de Rodrigo e Juliano Alves, que também trabalha no local, tem atraído clientes até de fora da Maré, da Zona Norte à Zona Sul.

Tendências para os melhor visuais nos dias de festa

Nessas e em outras barbearias da Maré, o público masculino (e até o feminino que gosta desse tipo de corte) tem procurado técnicas específicas para curtir a folia com o penteado impecável.

O fade, que já foi chamado de “disfarçado”, é o corte mais pedido, que consiste na técnica de fazer um dégradé com o próprio cabelo do cliente, indo do corte mais baixo ao mais alto. O risco e os desenhosno cabelo também são detalhes de corte que estão bombando. Penteados feitos com pomada e laquê dão vida ao famoso “blindado”, uma técnica de penteado que deixa o cabelo intacto por horas, pronto para sobreviver aos dias intensos de bloco de rua.

Na área de descoloração e tintura, o que não falta é opção. O que a galera mais tem pedido nesta época do ano são os reflexos, que consistem na descoloração de vários pontos do cabelo, dando uma aparência de várias bolinhas louras. A descoloração de todo o cabelo, criando o platinado, tem sido moda há alguns anos no Carnaval carioca e, em 2020, não está sendo diferente. A partir da descoloração, também é possível fazer tinturados fios, é só aplicar a cor desejada. Outra técnica para colorir é feita com o aerógrafo, uma máquina em spray que permite o uso de várias cores, em uma aplicação rápida e muito criativa, que sai na água e não prejudica os fios, como acontece na descoloração.

Stefany veste conjunto dourado e Jonathan veste sunga prateada da Manhattan Modas. Camila veste body azul da SterBia Fashion. Acessórios da SterBia Fashion | Foto: Douglas Lopes

Para as fantasias, dá para apostar em muitas opções. Devido à febre da música “Verdinha”, da cantora Ludmilla, pode-se fazer fantasia sobre o tema de diversas formas. Outras opções como personagens de desenhos, Sol e Lua, flores, arco-íris, sereia, fantasia de casal e até com temas políticos vêm tomando conta dos últimos carnavais. Os bodies com meia arrastão, conjuntos de tops e shorts ou hot-pants (aqueles shorts ou biquínis bem curtinhos e de cintura alta) e arcos de diversos temas para a cabeça também são uma ótima opção para este ano.

E é possível se montar gastando pouco. “Pode pegar roupas que se tem em casa, cortar, escrever na blusa, colar enfeites e paetês com cola quente, pintar, fazer plaquinhas com frases… Dá pra ficar na moda gastando muito pouco”, dá a dica a produtora de moda Juliana Henrik, “cria” do Complexo do Alemão.

O que não pode faltar no Carnaval é muita, mas muita purpurina, criatividade, consciência e respeito às pessoas na hora de curtir. Uma boa folia a todos e todas!

Queremos agradecer especialmente à equipe da NoPrumo Barber: barbeiro Lucas Wolney, Matheus Oliveira, Magno Rodrigues, Rafael Costa; a David Vicente e Letícia Leal, que nos ajudaram na produção das fotos; a Letícia Santos, dona da casa onde fizemos as fotos para a matéria; aos modelos: Jonathan Monteiro, Camila Felippe e Stefany Vital; e às lojas de roupa Manhattan Modas e SterBia Fashion, que nos cederam as roupas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui