Acessibilidade é sinônimo de respeito

Mulheres conversam sobre um mundo não adaptado e as possibilidades de torná-lo mais acessível

Em 16/11/2018 – Por Hélio Euclides

A mesa “Pode haver democracia sem acessibilidade?” discutiu a necessidade de políticas públicas que garantam os direitos dos cidadãos e cidadãs à acessibilidade. “É preciso escolas bilíngues para uma verdadeira inclusão. Ninguém pensa, mas não existe uma delegacia para mulheres surdas, falta informações para gente. O surdo também não pode se esconder, precisamos ocupar nosso lugar”, diz Patrícia Luíza Rezende, membro da Federação Nacional de Educação e Integração Representativas dos Surdos. A mesa foi mediada por Maria Antônia Goulart, cofundadora e coordenadora geral do Grupo de Trabalho Nacional de Criatividade e Inovação.

Para Tanzila Kahn, ativista do Paquistão, a família e os amigos são fundamentais para que o deficiente físico siga em frente. “Meus pais sempre disseram que eu podia, e dessa forma, me formo em direito. Acho que falta a tecnologia olhar para o deficiente, pois quando fazem algo de novo, precisamos da ajuda de alguém”, revela.

Leila Scaf. vice-presidente do Centro de Vida Independente (CVI-Rio) discorda da colega de mesa. “Meu pensamento é que a tecnologia é uma ferramenta de inclusão. A minha sugestão é que sejamos convidados para outras mesas com temas que não sejam apenas de acessibilidade, temos que falar de outros assuntos que envolvam os nossos conhecimentos”, recomenda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui