Maré de Notícias #30

Clique aqui para fazer download do jornal em pdf.

Área de lazer, projetos e moradia

Por Silvia Noronha

A comunidade de Marcílio Dias, que teve início com a construção de barracos sobre palafitas erguidos por pescadores em 1948, viveu dias agitados em maio. As famílias de Mandacaru tiveram de sair e seus barracos foram imediatamente destruídos pela prefeitura. Os moradores foram reassentados em um conjunto habitacional com apartamentos de dois quartos que passam a ser de propriedade eles, porém situados em Campo Grande, Zona Oeste da cidade.

As famílias esperavam por este momento desde fevereiro de 2010, quando a Secretaria Municipal de Habitação marcou casa por casa com as suas iniciais SMH. Na época, o Maré de Notícias (Ed. nº 4, de março de 2010) esteve no local e a reclamação era a falta de diálogo com a prefeitura. Os moradores queriam sair, devido à total falta de infraestrutura, mas não esperavam ir para tão longe. O Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Sustentável do Rio de Janeiro recomenda que as remoções sigam alguns parâmetros, entre eles que o reassentamento seja feito em áreas próximas, o que não foi respeitado.

Os comerciantes, por sua vez, pelo menos até fins de maio, não haviam recebido qualquer indenização. Segundo a prefeitura, as ruas desocupadas servirão para dar passagem para o Mercado São Sebastião.

Boas novas para Marcílio

Mas Marcílio Dias também vive boas novas, embora parte delas ainda esteja no campo da “promessa”, conforme frisa a presidente da Associação de Moradores, Jupira dos Santos, ao listar os planos anunciados. Um deles é a transformação de um trecho que contorna a Marinha na Av. Lobo Júnior em área de lazer. O projeto, porém, está emperrado, pois parte da obra é de responsabilidade da prefeitura, que precisa limpar o local, e a outra parte mais colada ao muro será feita pela Marinha.

A reforma da praça, pelo menos, já está em andamento. Além da reforma da quadra, a prefeitura prometeu a transformação dos trailers em quiosque. Bem ao lado, atrás da associação, segundo Jupira, será construído um Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI), com creche e pré-escola. “Por enquanto, tudo promessa”, ressalva.

Jupira deseja ainda melhorias no abastecimento de água potável. O programa Água para Todos foi desenvolvido no local, porém a água continua sem força. “As coisas são feitas picadas. Não existe um planejamento para a comunidade”, reclama o diretor da associação, Edmilson Joaquim da Silva.

Um projeto que anda a pleno vapor é a Colônia de Pescadores de Marcílio Dias, que recebe toneladas de pescado diariamente, a maior parte capturado dentro da Baía, e um bom movimento de compradores com seus caminhões frigoríficos. “Tem bastante peixe (na Baía). Sinto que melhorou de um ano e meio, dois anos pra cá. Os pescadores da própria colônia e de fora estão conseguindo trabalhar”, conta Igor Leonardo Cunha da Silva, que administra a Colônia junto com Milca Gino.

Nossa história bem contada

Por Silvia Noronha

“Memória e identidade dos moradores de Nova Holanda”, primeiro livro de uma série que pretende apresentar a história das 16  favelas da Maré, nos transporta para os tempos de outrora, a partir da vivência dos próprios moradores. Eles contam sobre a chegada à comunidade, sobre a ligação com a cultura local, o estabelecimento dos laços familiares e demais fatores que contribuem para o assentamento de raízes.

O livro será lançado dia 15 de junho, às 17h, no Centro de Artes da Maré (CAM), pelo Núcleo de Memória e Identidade (Numim), da Redes da Maré, com o patrocínio da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro e do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac). O segundo e o terceiro volumes já começaram a ser produzidos e serão sobre o Morro do Timbau e o Parque Maré. O objetivo do projeto é resgatar a contribuição dos moradores da comunidade na construção da sociedade carioca e fluminense, reconhecendo-os como sujeitos plenos da história.

O livro da Nova Holanda, que também traz textos sobre as origens da comunidade, foi coordenado por Edson Diniz, diretor da Redes, Marcelo Castro Belfort e Paula Ribeiro. O trabalho contou ainda com a participação de quatro jovens estudantes da Maré: Higor Antonio, Marcelo Lima, Kelly San e Diogo Vitor. “A cidade precisa ser uma só, reconhecendo a diversidade de seus espaços, histórias e identidades como algo positivo, como uma característica que a torna mais bela, melhor de se viver e que marca de forma indelével a alma carioca”, avalia Edson.

Selecionamos alguns trechos para dar ainda mais vontade de ler o livro inteiro.

Seu Joaquim Severino da Silva

“Se o cara pergunta se você já encontrou um lugar que é melhor que a Nova Holanda, você diz: ‘Melhor que a Nova Holanda, só quando eu chegar no céu’, porque Nova Holanda é só aqui na Nova Holanda. Porque a Nova Holanda tem tudo, tem comércio, tudo, tudo, tudo. A gente tá  tomando um cafezinho, o homem passa aí, todo dia, a comunidade, cinco da manhã até oito da noite, perdi as contas, todos trabalham. Tem ônibus pra Barra, ônibus pra Alvorada, ônibus pro Leblon! Kombi, ih, meu Deus, quer melhor do que isso? Está tomando um cafezinho e o cabra diz: “Ôh, seu Joaquim!” E eu digo: “Ôh, meu filho, espera aí que tô tomando meu cafezinho aqui”. O cara para a Kombi, a gente toma o cafezinho, joga o copo dentro da pia e pega a Kombi e vai para Bonsucesso. ”

Seu Adevanir de Oliveira

“Lá no Esqueleto, a gente tinha fundado um blocozinho carnavalesco, mas com a saída de lá, aquilo se espalhou, mas aqueles que vieram pra cá fundaram um outro bloco: “Unidos de Nova Holanda”, do qual eu assumi a direção da bateria. E ali a gente fazia reunião toda semana, muito bonito aquilo também. Era um bloco sem compromisso, era simplesmente pra complementar um lazer que não tinha na comunidade. Eu me sentia muito bem fazendo aquilo, independente da diretoria do bloco da Nova Holanda, porque eu fiz uma diretoriazinha para ajudar a bateria. E a gente fez uns dois ou três desfiles. A gente preparava, se ajeitava, entrava no ônibus e ia pra  idade, porque não tinha que tirar licença. Então, a gente ia lá e desfilava na Rio Branco, fazia aquela farra. Depois, ia pra casa. Aí desfilava por aqui e aí acabava. Até que houve um ano em que a gente chegou no desfile na Presidente Vargas, a passarela era na residente Vargas, aí não deixaram a gente passar na passarela. Já tinha televisão e deu um problema danado lá com o pessoal que tomava conta. Aí, todo mundo me viu na televisão reclamando e tal. Acho que aquilo que me tornou muito conhecido na comunidade… E eu disse: “Não tem problema, vocês não deixam a gente passar pela pista, a gente vai passar por de trás”. Passamos por de trás da pista e a televisão filmando a gente. Fomos até o final, voltamos e cumprimos a nossa meta, que era de desfilar. Eu acredito que a gente tinha umas 800 pessoas mais ou menos e fizemos nosso desfile até chegar aqui. ”

Jurema Onofre de Souza, a Dona Noca

“Eu vim pra cá com dez anos, quando aconteceu a remoção. Não ficamos no albergue, não. Era barraco, tudo madeira. Era madeira, assim, azul e branquinha. A janelinha e as porta eram azuis. Era só barraco, mas tinha piso, tudo direitinho. O banheiro também, tudo de pau. O Carlos Lacerda removeu a gente pra cá. (…) Ah, eu gosto daqui, sim. A Nova Holanda era melhor do que o Esqueleto. Eu me lembro sabe o quê?! Aqui, na Teixeira Ribeiro, nós passamos com o caminhão da gente, da remoção, e era numa pinguela! Aí, tinha uns barraquinhos na água e, quando a gente passou, falaram assim: “Lá vêm os esqueletos humanos! Olha os esqueletos humanos chegando!” Eu me lembro disso até hoje. Hoje em dia, esse pessoal é grande amigo meu. Você tinha que ver a Teixeira Ribeiro como é que era! Hoje em dia, isso aqui está um sucesso. Isso aqui está a Zona Sul! ”

Dona Maria Lopes, a Maria da Cocada

Essa iniciativa que vocês estão tomando é muito importante. É muito importante que vocês tenham o que contar, contar o que foi a Nova Holanda e o que é a Nova Holanda. Como a Nova Holanda iniciou e o que ela é hoje e está se tornando. Muito abençoado. E talvez as pessoas que moram lá embaixo, na sociedade… aqui dentro tem pessoas com muito mais categoria. Entendeu?! ”

Seu Genival de Oliveira
“Isso aqui tudo era maré. Maré enchia, enchia tudo aqui. Começaram a aterrar e eu, quando vim para cá, ainda não tinham aprontado ela [a Nova Holanda]. Ainda faltava botar luz, água, calçada… Não tinha calçada aí na rua, não era asfalto, era barro! De manhã cedo, só via nego com um balde d’água, com uma criança atrás, até a mulher mesmo ia junto com ele, com o marido, ia levando um balde d’água e um pano pra ele enxugar os pés, que lavava lá na Avenida Brasil, se calçava e ia trabalhar. A lama dava no meio da canela, o barro. Porque… como ia pisar na lama calçado? Era um barro vermelho aqui, só você vendo. Chovia, pronto, acabava a graça aqui. E quando fazia sol era aquela poeira de barro… Era um sofrimento aqui. Depois botaram paralelepípedo e daí botaram o asfalto. Em 1961, já tinha a Light. Tinha uma associação já, de morador, que a gente pagava um trocado. Não tinha relógio ainda, não tinha nada. Tinha um cara que tomava conta lá da sede, o seu Ezaquiel, e se não pagava aquela taxa, ele ia lá e cortava a luz. Aí, o cara pagava, ele ia lá e ligava de novo. Quando estourava um transformador, queimava um fusível, a gente fazia vaquinha pra comprar outro. ”

Arrasta-pé na praça

Por Rosilene Miliotti

Localizada às margens da Avenida Brasil, a praça do Parque União, onde acontecem shows de forró, recebe uma média de público de 5 mil pessoas nos fins de semana e gera cerca de 250 empregos diretos e indiretos. Mas se engana quem pensa que são apenas moradores que frequentam o local. Um dos organizadores dos eventos e morador do Parque União, Edivan Valério, diz que “vem gente de todo lugar: Rio das Pedras, Rocinha, Copacabana, Pavuna, Baixada Fluminense. Em dia de show de bandas muito conhecidas, chegamos a receber 8 mil pessoas. Depois da feira de São Cristóvão é o local mais frequentado pelos forrozeiros, nordestinos ou não”, afirma.

A quem diga que prefere o forró da praça em vez da Feira de São Cristóvão. É o caso Antonio Carlos dos Santos, morador de Duque de Caxias, que frequenta o Parque União há 10 anos. “Aqui tem forró do bom, comida e bebida mais barata, não tem que pagar para entrar, tem segurança e tranquilidade. Além disso, é pertinho do ponto de ônibus e táxi”, relata ele. Já para o cearense recém chegado, André Santos, morador de Copacabana, o ambiente é muito bom e tem muita mulher bonita. “É um lugar ótimo para paquerar e foi um dos primeiros lugares que meus amigos me trouxeram para conhecer”.

Para Adriana Ferreira, moradora da Vila do João, os dois lugares são diferentes, mas prefere a praça por ser mais perto. “Dá para decidir na hora com os amigos, não precisa programar”, conta. Entretanto, sua amiga, Valéria Nunes, prefere a Feira de São Cristóvão por ter mais espaço para dançar. “Aqui é apertado. Na hora dos shows lota e a gente quase não consegue se mexer”, lamenta.

O Fazendeiro
Há 22 anos, Luis Fazendeiro, como era conhecido, um nordestino que gostava de forró, começou a organizar apresentações de bandas na Rua Roberto da Silveira, ao lado da praça. A primeira banda a se apresentar foi a Sol e Magia, composta por moradores da comunidade.

Na época, as bandas se apresentavam na rua, fora da praça, porque o local ainda não tinha a estrutura de hoje. Luis começou então a dividir as despesas dos shows com os comerciantes e, a partir daí, surgiu o modelo de cooperativa informal que funciona até hoje. Atualmente, a praça conta com 31 financiadores, entre donos de bares, restaurantes e quiosques.

A organização
Andre Gonçalves, coordenador dos seguranças, diz que o trabalho dele e de sua equipe consiste em manter a ordem durante os shows, evitando brigas, usando educação acima de tudo e energia se preciso for, mas nunca violência ou agressão. “Estamos aqui para manter a ordem de um local seguro e de diversão. Aqui, os frequentadores são, na maioria, cearenses. Domingo é o dia que mais enche e por isso requer mais atenção dos seguranças. O forró gera lucro e emprego para o comércio local. Além disso, os seguranças e todos os eventos são financiados pelos próprios comerciantes. Bandas famosas no meio artístico do forró como Gatinha Manhosa, Frank Aguiar, Bonde do Forró vêm pra cá e trazem mais público para o Parque União”, conta.

O paraibano Pedro Gomes de Sousa, mais conhecido como Cazuza, lembra que no início havia apenas três quiosques. “Antes de ser na praça ao ar livre, as pessoas iam para o Forró do Bola Branca, também conhecido como Forró do Lampião. Mas com o tempo o clube foi acabando e o forró da praça ganhando força. A primeira grande banda que veio foi a Magníficos; cerca de 10 mil pessoas estiveram aqui. A partir daí percebemos o potencial cultural e de entretenimento desse lugar”, conta.

Para o cearense Antonio Rodrigues, dono do quiosque Rei das Cabritas há 20 anos, seu trabalho não é apenas vender carne de sol com aipim e manteiga de garrafa, é uma forma de divulgar a cultura e a culinária nordestina. “Aqui sirvo pratos tipicamente nordestinos. Temos carne de sol, manteiga de garrafa e baião de dois”, conta.

A agenda de shows, vídeos e fotos: www.encontrodosartistas.com

Uma conversa cara-a-cara

Por Hélio Euclides

Presidentes de associações de moradores, várias lideranças e representantes de instituições locais tiveram o primeiro encontro com o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, para discutir as propostas contidas no projeto A Maré que Queremos. A reunião no Centro de Artes da Maré (CAM), na Nova Holanda, na manhã de 19 de maio, reuniu ainda três vereadores.

Os representantes da Maré manifestaram contentamento com o primeiro passo para a implantação de um projeto estruturante, com base nas demandas mapeadas pelos líderes comunitários. O coletivo A Maré que Queremos foi criado em fevereiro de 2010, reunindo os presidentes das associações de moradores, por iniciativa da Redes da Maré para, juntos, pensarem num projeto estruturante para o bairro. Desde então, o grupo vinha tentando se reunir com o prefeito. “Acho bom o incentivo à integração. Estão juntas as 16 associações e outras organizações da Maré, num só corpo”, resumiu o presidente da Associação de Moradores do Morro do Timbau, Osmar Paiva Camelo.

O prefeito elogiou a iniciativa e firmou compromisso de realizar reuniões periódicas com o fórum. A segunda reunião foi marcada para 14 de julho, às 15h. Saúde, Educação e Conservação foram os  temas escolhidos para serem tratados nos próximos dois meses, com a realização de reuniões com a presença dos secretários e executivos responsáveis por estas áreas. “Na próxima reunião eu vou ser o interlocutor. A proposta é fazer algumas rodadas com os secretários, para eles mapearem. Vamos trazer os representantes da educação, saúde e também a Comlurb. Esses encontros facilitam a minha vida”, afirmou o prefeito.

Ele firmou ainda o compromisso da continuidade do trabalho da Rio-Luz e da operaçãoTapa-buracos (Secretaria de Conservação). Ainda comentou que pretende investir na cultura, com aumento no número de arenas e melhoria das lonas. Sobre o transporte alternativo, Paes foi taxativo ao aceitá-lo apenas como complemento, dentro da comunidade.

Segundo Eliana Sousa Silva, coordenadora geral da Redes, um dos objetivos do grupo é acabar com práticas políticas de favor. “Somente organizados podemos mudar as coisas. Por isso, o envolvimento do conjunto das associações de moradores é fundamental. Temos de trabalhar na direção da autonomia das instituições locais”, ressaltou. ”Há muito investimento público aqui e, no entanto, o Índice de Desenvolvimento Humano da Maré, que mede a qualidade de vida de determinado território, é péssimo. Queremos não só que os equipamentos públicos cheguem até a Maré, mas sobretudo que tenham qualidade e sirvam permanentemente à comunidade”.

Nas pág. 8 e 9, conheça as reivindicações prioritárias da Maré entregues ao prefeito. Leia também o artigo de Eliana Sousa, na pág. 10. Fique por dentro e vamos todos cobrar resultados!