“Você sabe que no morro não vai água na tornera” – COVID-19 nas favelas e o desafio de fazer chover

“Logo mais vai chover, vai lá

Bota o barril na pingueira

Você sabe que no morro

Não vai água da tornera”

(Elaine Machado)

Em 1985 a sambista Elaine Machado cantava um morro onde “não vai água na tornera”. Em 2020 percebemos que esta realidade ainda não se modificou totalmente. Em meio a pandemia de um vírus inédito na contemporaneidade, moradores de favelas e periferias têm de conviver com a ausência de direitos básicos como água, esgoto e alimentação. 

Segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) 2019, divulgada em maio de 2020 pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), há  18,3 milhões de brasileiros que não recebem água encanada todos os dias em suas residências. Nas favelas e periferias essa realidade se coloca de forma ainda mais latente. A ausência de serviços e direitos básicos é crônica. 

O Conjunto de Favelas da Maré, mesmo tendo apenas um morro, também sofre com falta de água. Esta questão se apresenta ao lado de outras como vulnerabilidade econômica e financeira, e falta de investimentos em saúde e educação. Quando Elaine Machado canta “você sabe que no morro não vai água na tornera”,  são abertas duas questões importantes: a ausência de serviços básicos em morros e favelas e o fato de isto ser um dado conhecido por muitos. Inclusive por quem deveria garantir o pleno funcionamento destas frentes: o Estado. Outro trecho de “Pingueira”, traz uma mais uma face desta relação:

“Quando chove lá no morro

Tudo é festa, tudo é alegria

Tem samba tem batucada

Partido alto noite e dia

Todos cantam em verso e prosa

Rimando com filosofia”

A chuva, a água, a abundância, trazem festa, alegria, filosofia. Também trazem justiça social. Num sentido poético, entendo a “água  na tornera” como a representação de  direitos que não são plenamente garantidos em favelas. Quando o samba nos conta que não há água na torneira, ele de forma simbólica, nos diz que há uma série de direitos que não são assegurados em morros, favelas e periferias. 

Então, já que “não vai água na tornera”, por aqui estamos fazendo chover. Estamos buscando nossos direitos. Estamos vivendo o “nós por nós” em seu sentido mais visceral. Se a “água-direito” não vem de lá, ela vem de cá. Assim, organizações da sociedade civil  de favelas e moradores organizados tem “feito chover” em meio a uma pandemia. Tem lutado pela garantia de direitos e serviços essenciais.

Escrevo este artigo nos intervalos entre a distribuição de álcool em gel e cestas básicas e a recepção de doações para a Campanha Maré diz não ao Coronavírus da Redes da Maré. Mas não estamos sozinhos nesse “fazer chover” em tempos de escassez. Juntos Pelo Alemão, Frente de Mobilização da Maré, Escola sem Muros/Grupo ECO, Associação de Moradores do Morro Santa Marta, Manguinhos Solidário Contra o Coronavírus, Rolê dos Favelados, Casa Amarela Providência, Frente CDD, Morro dos Macacos pede socorro, Rocinha Resiste, Todos pelo Santo Amaro, Avante Serrinha, Suporte para Santa Cruz em tempos de COVID-19, Apadrinhe um sorriso, Movimenta Caxias e Mães da Favela são algumas das iniciativas que na ausência de ações do poder público, tem buscado a garantia de direitos em favelas e periferias em tempos de COVID.

É responsabilidade do Estado assegurar direitos à sua população. Queremos a garantia de nossos direitos. Queremos que “caia água na tornera”. Lutamos por isso. Mas enquanto ela não vem, não podemos morrer de sede. Então, enquanto a água não jorra em nossas torneiras, fazemos chover.

SOBRE A AUTORA:

Pâmela Carvalho é educadora, historiadora, gestora cultural, comunicadora, pesquisadora ativista das relações raciais e de gênero e dos direitos de populações de favelas. É Mestra em Educação pela UFRJ. É coordenadora do eixo “Arte, Cultura, Memórias e Identidades” da Redes de Desenvolvimento da Maré. É moradora do Parque União, no Conjunto de Favelas da Maré.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui