As periferias em luta pelo direito à vida

Data:

União e troca de experiências podem conter violência

Texto originalmente publicado no site da Folha de São Paulo em 01 de novembro de 2019

Edna Jatobá

Eliana Sousa Silva

Jaime Crowe

O conjunto de favelas da Maré, no Rio de Janeiro, tem o tamanho de uma cidade média, com 139 mil habitantes espalhados em 16 comunidades. Historicamente, a região tem sido vista pelos governos e por parte da população apenas como um local perigoso, onde o que se sobressai é a atuação de integrantes de redes ilícitas e criminosas envolvidas em confrontos armados entre si e com agentes da segurança pública. 

O resultado dessa visão distorcida é que, na Maré, como em outras periferias brasileiras, os moradores sempre precisaram lutar em defesa da própria vida. Foram muitas conquistas, como, por exemplo, uma ação civil pública em que a Redes da Maré, uma instituição da sociedade civil, articulou junto com a Defensoria Pública do Rio e outras organizações locais para que, durante as incursões policiais na região, não houvesse invasão de casas, a não ser com mandados judiciais; fossem disponibilizadas ambulâncias para eventuais feridos; e policiais estivessem identificados, entre outras garantias básicas de vida.

A liminar foi concedida em 2017, com resultados imediatos. Os homicídios nas favelas da Maré despencaram, assim como as incursões da polícia, os tiroteios e os dias sem aulas nas escolas. O atual governador do Rio de Janeiro, no entanto, briga para suspender a ação civil pública da Maré

Outras periferias brasileiras vivem dramas parecidos. O Estado chega somente como força de guerra, usando violência desmedida, como se invadisse um território inimigo, deixando a população acuada entre as balas do crime e da polícia. É preciso resistir e agir contra esses abusos. As periferias brasileiras precisam trocar experiências e irem unidas para o debate sobre como garantir a vida nesses bairros. É o único caminho para sair dessa trilha suicida que vivemos.

Neste sábado (2), as Redes da Maré, do Rio de Janeiro, o Fórum em Defesa da Vida, organização das periferias da zona sul de São Paulo, e o Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares (Gajop), de Pernambuco, entre outros grupos, promoverão em seus territórios atos em defesa de políticas que promovam a vida. 

A escolha da data se inspirou na experiência do Jardim Ângela, que reagiu depois de ter sido apontado em 1996 como o bairro mais violento do mundo. Já são 24 anos de caminhadas em defesa da vida e da articulação de uma rede em torno do Fórum em Defesa da Vida, que nesses anos pressionou pela chegada de um hospital na região, por melhorias em escolas e serviços de assistência social e para a construção de três bases de policiamento comunitário. 

Pernambuco e os demais estados do Nordeste e do Norte, que atualmente estão com elevadas taxas de homicídio, vivem a urgência de reverter o quadro, algo que já vem ocorrendo com a ajuda das organizações populares e da sociedade civil local. 

A luta pelo aperfeiçoamento das instituições democráticas na garantia dos direitos civis mais sagrados, como a vida, não deve ser apenas das periferias, mas de todo o Brasil. Juntemo-nos em mais essa luta.

EDNA JATOBÁ

Socióloga e coordenadora-executiva do Gabinete de Assessoria Jurídica a Organizações Populares (Gajop), de Pernambuco

ELIANA SOUSA SILVA

Educadora e diretora da Redes da Maré, no Rio de Janeiro

JAIME CROWE

Padre da Paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela (São Paulo), e um dos fundadores do Fórum em Defesa da Vida, que reúne mais de 200 entidades

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17