Como voltar à normalidade?

Data:

Especial por Laís Lopes, em Barra/Pituba – Bahia

Desde o início da pandemia a comunidade no nordeste de Amaralina, bairro da região sul de Salvador, encontra-se dividida: de um lado, temos números crescentes de casos de infectados e  de mortes por covid-19; do outro, os pequenos comércios que estão de portas fechadas.

Recentemente foi instaurado o lockdown onde somente os serviços essenciais podem funcionar e a preocupação dos comerciantes é, sem dúvidas, um dos maiores problemas.A educação também sofreu alteração e os colégios estaduais deram o ano letivo como perdido. Milhares de adolescentes do último ano do ensino médio que já se preparavam para prestar vestibular tiveram seus anseios interrompidos por mais um ano. Este foi o caso da estudante Bianca Santana, do 3° ano do ensino médio, que pretendia entrar na faculdade de nutrição em 2021, mas infelizmente terá que repetir o último ano. As escolas não têm se pronunciado sobre a não oferta de aulas ou atividades complementares para ajudar na formação acadêmica.

A fiscalização policial também foi reforçada, mas a sensação de segurança é quase inexistente, já que houve um aumento significativo de casos de violência policial no bairro. Aos finais de semana a ronda é mais intensa, e quase sempre termina com tiroteios em vários cantos do bairro. O uso da brutalidade por parte de policiais também é muito comum na tentativa de dispersar as pessoas que se encontram na rua após às 20h da noite, quando começa o ” toque de recolher”. 

Entre um caso e outro de infecção por coronavírus, é possível sentir um clima pesado no ar e é perceptível a sensação de que o vírus não é o nosso único problema. Temos o reflexo de uma comunidade abalada sem ter como prover o sustento de casa e, ao mesmo tempo, tentando sobreviver ao inimigo invisível. 

As festas de paredões foram apontadas como o estopim para o número de casos crescer rapidamente e as restrições no bairro se tornarem mais duras, restrições essas que inclusive foram motivos de protesto no início da pandemia, porque para os moradores, não fazia o menor sentido sacrificar toda a comunidade por culpa de um grupo específico. 

No início, as lojas foram obrigadas a fechar por cerca de um mês, causando desespero em quem precisava levar comida para casa. Alguns se arriscaram, e usaram as redes sociais para se comunicar com clientes e avisar que estariam funcionando, mesmo com as portas fechadas. A Sorveteria El Shadday, no Vale das Pedrinhas, investiu no delivery como aliado para enfrentar a pandemia, o que funcionou muito bem e ajudou no aumento das venda, sendo permitidas até a meia noite, com a retirada de produtos em lojas alimentícias, somente até às 20h.  

Hoje, as aflições de moradores e lojistas seguem crescendo. As portas de muitos comércios continuam fechadas e outras abertas com restrições, o número de clientes continua caindo e o número de infectados continua aumentando, e no bairro mais festivo de Salvador, dono do maior carnaval de rua, o desejo de todos é poder voltar à normalidade o quanto antes.

Laís Lopes tem 21 anos, é estudante de Jornalismo e correspondente da Agência Mural no distrito Barra/Pituba em Salvador-BA.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade