Consciência para uma vida sustentável

Data:

Discussão sobre a preservação do meio ambiente em pauta no Festival WOW Rio

Em 17/11/2018 – Por Hélio Euclides

A questão ambiental é um assunto que todo o mundo coloca em pauta. No Festival Mulheres do Mundo não poderia ficar de fora. A mesa “Consciência de si e formas de sustentabilidade” reuniu mulheres empenhadas com o planeta: Georgia Pessoa, membro da Inciativa Clima América Latina; Sônia Guajajara, líder indígena; Vera Maria Ferreira da Silva, pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia; Maria do Carmo Barbosa de Oliveira, coordenadora de reciclagem compostas por mulheres catadoras; e Daniela Ribas Gomes, trabalha o tema sustentabilidade.

Maria do Carmo, por sua experiência em reciclagem frisou a importância deste processo: “A forma de sustentabilidade é diminuir o consumo, em especial as embalagens plásticas que podem ter 500 anos para se decompor. Para minimizar é necessário a reciclagem. Vamos lembrar que o Brasil só não tem uma área de deserto, graças a Amazônia. Estamos nos descuidando da mãe terra”, avalia Maria do Carmo.

Vera disse que falta consciência da populaça: “A diminuição da água nos reservatórios é resultado não só da ausência de chuvas, mas da quantidade de vezes que acendemos a luz de forma irracional. A mudança climática é norma, mas o nosso estilo de vida pode piorar, ou não a situação. Precisamos de um consumo sustentável, cada um fazendo o seu papel”, reclama Vera.

A líder indígena Sônia Guajajara chamou a atenção para resistência e união. “Nós mulheres precisamos ocupar nosso papel. Um exemplo é que pressionamos e conseguimos a não unificação dos Ministérios do Meio Ambiente e Agricultura. São séculos de violências contra os índios e negros, só que agora vamos resistir, pois estamos unidas para lutar”.

Já Georgia lembrou que todos precisam entender o papel dos quatro R da reciclagem: Reduzir, Reutilizar, Reciclar e Recusar.

 

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Ativista e jornalista da Maré no G20

Do Conjunto de Favelas da Maré à conferência da 19a reunião de cúpula do G20, a trajetória de Kaya Bee, moradora da Nova Holanda é um exemplo inspirador na luta por um futuro mais justo e sustentável. Aos 27 anos, mãe, ativista climática e estudante de jornalismo, ela carrega a força e a resiliência de quem enfrenta os desafios da vida na favela com a determinação de transformar a realidade para os mareenses.