Copa do Mundo Feminina: a maior em 32 anos

Data:

Com 32 seleções participantes e sediada em dois países, a copa do mundo feminina ganha notoriedade ao redor do mundo

Estamos vivenciando um marco histórico no mundo desportivo: a maior copa do mundo feminina de futebol de todos os tempos. Desde a sua primeira edição oficial realizada pela FIFA em 1991 na China, as participações aumentaram em 166%. A primeira Copa contou com 12 países, já em 2023 são 32 seleções disputando o título da competição sediada, pela primeira vez, por dois países: Nova Zelândia e Noruega.

A categoria, assim como outras lideradas por mulheres, vem lutando pela igualdade de salário, patrocínio e visibilidade. Os esforços sociais e políticos empregados para que as mulheres não atuassem no futebol geraram duras consequências. Em 1941, o então Presidente da República, Getúlio Vargas assinou um decreto que proibia a prática do futebol por mulheres, sendo revogado apenas em 1979.

Leia também

Apesar dos preconceitos e da falta de investimentos, a seleção feminina do Brasil participou de todas as edições. Em 1999, as meninas não tinham uniforme próprio, precisando jogar com uniformes restantes do time masculino e neste mesmo ano, conquistaram o terceiro lugar na competição. Já em 2007 a seleção feminina ficou em segundo lugar, perdendo para Alemanha. Embora tenham sido impedidas de jogar por 40 anos, grandes recordes e marcas do futebol feminino pertencem às brasileiras, sendo boa parte destes conquistados por Marta. Considerada Rainha do Futebol, Marta possui seis bolas de ouro (2006, 2007, 2008, 2009, 2010 e 2018) e duas medalhas de ouro em Pan-Americanos (2003 e 2007).

A transmissão da Copa também tem um feito inédito. Além de ser transmitida pela TV Globo e pela CazéTV no Youtube, a estreia da seleção brasileira na última segunda-feira (24), contra o Panamá, teve recorde de audiência nos dois canais. Segundo dados divulgados pela emissora de televisão, as meninas do futebol tiveram a maior audiência do horário (8h às 10h) desde agosto de 2008. No Youtube, o canal Cazé TV bateu o recorde mundial da plataforma e registrou 1 milhão de aparelhos conectados simultaneamente para assistir a estreia da seleção feminina.

E o público foi à loucura com a goleada das nossas meninas sobre as panamenhas por 4 gols a 0. Seguindo o caminho dos marcos históricos, Ary Borges, meio-campista da seleção brasileira, fez o primeiro hat-trick de um estreante em Copas, entre homens e mulheres. Para Karine Serra, coordenadora técnica do time de futebol feminino da Maré, o MariEllas, essa copa tem um significado maior: “Em nosso time tem muitas ex-atletas que não conseguiram permanecer no futebol por falta de investimentos e de salário. Elas tiveram que migrar para o mercado de trabalho formal e desistir desse sonho, então é muito lindo ver que as pessoas estão vivendo de futebol, do seu sonho e talento. Fico muito feliz pelo crescimento e pela repercussão que o futebol feminino vem tomando”, conta.

Próximos jogos:

Brasil X França – Dia 29 de julho às 7h (horário de Brasília)

Brasil X Jamaica – Dia 02 de agosto às 7h (horário de Brasília)

Acompanhe e torça pela seleção brasileira assistindo pela TV Globo, SporTV, GloboPlay e CazéTV no Youtube.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade