Divines: inclusão de pessoas trans através da Moda

Data:

Por Lucas Feitoza

A educação como forma de inclusão é o tema do Quarto Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS). A ODS quatro tem como objetivo principal a meta de que até 2030 todas as pessoas independente de gênero, idade e cor, tenham acesso de qualidade e de forma justa à Educação. Olhar para a inclusão por meio do ensino foi o que fez a Escola de Divines,  quando idealizou o curso de moda para pessoas LGBTQIAP+.

A Escola de Divines  é uma iniciativa do professor, ativista e estilista Almir França, nascido no conjunto de favelas da Maré. Almir aprendeu a costurar com a tia, é formado em pedagogia e belas artes. Lecionou história da arte quando percebeu a importância da roupa para a criação da identidade travesti. Se define como “uma colcha de retalhos por juntar as histórias e dividi-las com as manas

O nome da escola foi desenvolvido a partir de um movimento com a organização não governamental (ONG) Grupo Arco-Íris e é uma homenagem as Divinas Divas: Rogeria, Jane De Castro, Camille K, e Eloína dos Leopardos que foi a primeira rainha de bateria da Beija-flor de Nilópolis.

Apoios e atuações da Divines

Almir conta que a ideia é promover a cidadania por meio da Educação Ambiental, gerando renda para as pessoas. O curso de Moda ensina técnicas de reutilização de resíduos para a fabricação das peças que depois são vendidas para manter as aulas. A Escola de Divines trabalha com doações e o estilista faz captações de recursos para manter o projeto. 

A Escola de Divines conta com apoio do Rio Sem LGBTIfobia coordenado pela Superintendência de Políticas Públicas LBGTI+ da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos do Governo do Estado do Rio de Janeiro. O curso é ministrado no Centro Comunitário de Defesa da Cidadania (CCDC) na Baixa do Sapateiro no Conjunto de Favelas da Maré. O superintendente Ernani Pereira acredita que  as principais beneficiadas pelo curso são as pessoas trans, e que através da Escola de Divines, elas além de conseguirem uma forma de renda, também trabalham a sociabilidade e conseguem cuidar da saúde mental por meio da inclusão. 

Além disso, a escola de Divines faz trabalhos itinerantes, levando os cursos para os CCDC. A última turma formada tem previsão de iniciar as aulas em janeiro. Almir França disse que em dezembro terão workshops para as pessoas selecionadas para o curso. A Divines também auxilia produzindo a cenográfica dos trios elétricos da Parada LGBTQIAP+ do Rio de Janeiro e a maior bandeira LGBT+ com 147 metros também é feita pela escola e aberta no evento. 

Para participar das turmas e atividades da escola basta ir ao núcleo do Centro Comunitário de Defesa da Cidadania (Rua Principal S/N° Baixa do Sapateiro – Conjunto de Favelas da Maré, das 9h às 17h). 

Empreendedorismo trans para mudar a realidade

Lohana Carla da Silva, 32 anos, diz que a educação para as pessoas trans e travestis é importante para dar dignidade já que por causa da transfobia  muitas delas saem da escola e não conseguem empregos e vão para as ruas se prostituir. Em cada 10 assassinatos de pessoas trans no mundo, 4 acontecem no Brasil, de acordo com o último relatório da Trans Murder Monitoring (TMM) (Monitoramento de Assassinato Trans),  29% dos assassinatos registrados no Mundo acontecem no Brasil, dados de 2022 .

Lohana relata que embora os direitos sejam garantidos por lei, como nome social, às pessoas  transexuais são desrespeitadas, o que desmotiva na procura por emprego. “A gente não tem direito a um trabalho, fazer um currículo e ser aceito sem passar por transfobia.  Ou você aceita a transfobia ou o que nos resta sempre é a calçada” conclui. Lohana é coordenadora do Instituto Trans Maré, instituição de apoio a pessoas transexuais, travestis e transgênero da Maré.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade