‘E a Casa Preta se ergue’

Data:

Redefinição das relações raciais via educação, arte e combate ao racismo na Maré

Maré de Notícias #127 – agosto de 2021

Por Pâmela Carvalho

A Casa Preta da Maré surgiu em 2019 como um lugar para se discutir o racismo, trabalhando de forma ampla, nas 16 favelas que compõem a Maré, estratégias para enfrentá-lo. Este ano, o espaço ganhou pela primeira vez recursos financeiros e, também, uma sede, na Rua Sargento Silva Nunes, próximo à sede Nova Holanda da Redes da Maré, à Biblioteca Lima Barreto e à redação do Maré de Notícias (o prédio já foi sede da Associação de Moradores de Nova Holanda, num período de fortalecimento da luta de direitos para a população do território). 
Ainda em 2021, o projeto de formação teórica, metodológica e política para trabalhar as questões étnico-raciais na Maré se consolidou, através de uma programação de cursos livres. Além disso, foi criada a Escola de Letramento Racial da Maré, um curso de formação continuada com 30 jovens do território que recebem uma bolsa de estudos mensal. 
O programa concentra alguns dos paradigmas da Casa: promover a redefinição das relações raciais , combater o racismo na Maré e buscar estratégias para facilitar o acesso de pessoas negras a políticas públicas, principalmente em educação. O objetivo final é que os jovens atendidos sejam multiplicadores das metodologias da Casa Preta, atuando no combate à desigualdade racial em seus territórios.

A aula inaugural da Escola propôs um percurso pela Maré a partir das narrativas e dos espaços de trabalho de três importantes agentes culturais negros do território: Carlos Marra, DJ Renan Valle e Mestre Manoel — este último, em depoimento, afirmou que “a verdadeira história do povo negro foi apagada, substituída por um processo de alienação. O negro brasileiro muitas vezes não reconhece o racismo nas anedotas, nas piadas, nas brincadeiras e expressões populares. É importante que a juventude se engaje e perceba as sutilezas do racismo no Brasil.”

Aula inaugural da Escola de Letramento Racial com Mestre Manoel ocorreu, ainda presencialmente, no Morro do Timbau – Foto: Douglas Lopes

O surgimento da Casa Preta

Em 29 de julho de 2019, o grupo de tecedores da Redes da Maré se reuniu no Museu de Arte do Rio para uma formação imersiva. O objetivo era analisar os dados do Censo Maré e, a partir dele, pensar e propor ações de impacto no Conjunto de Favelas da Maré. 

Analisando o perfil étnico-racial apresentado pela pesquisa, um dado chamou atenção: 62,1% dos moradores  da Maré se autodeclararam pretos ou pardos (os dois formam o grupo racial “negro”). É importante ressaltar que esse número pode ser maior, levando em consideração os efeitos do racismo, que fazem com que muitas pessoas negras não se reconheçam como tal.

A partir dessa análise, foi possível entender a Maré como um território negro, tanto pelo perfil racial de sua população quanto pelas práticas sociais, culturais e históricas. Dona Orosina Vieira, considerada por muitos historiadores como a primeira moradora da Maré, era uma mulher negra. Práticas de cuidado coletivo facilmente vistas na Maré se assemelham às aldeias, irmandades e comunidades africanas e afro-brasileiras. 

Imersos nesta reflexão e movidos por movimentos históricos realizados na Redes da Maré (como o Núcleo de Memórias e Identidades da Maré/ NUMIM, os chás com as Griôs, o Seminário Tereza de Benguela e a Casa das Mulheres da Maré, um espaço de referência no território), surge uma proposta: por que não termos uma “Casa Preta” da Maré? 

Em julho de 2019, um grupo se reuniu para movimentar as ações da Casa Preta e manter a chama acesa. Joelma Sousa, Carlos André Nascimento, Tereza Onã, Thais Jesus, Karla Rodrigues, Angélica Ferrarez e eu seguimos na criação e no desenvolvimento de uma programação de atividades, mesmo sem recursos para tal. Foi criado então o Café Preto, rodas de conversa itinerantes sobre temas caros à população negra da Maré. Em 2020, por conta da pandemia de covid-19, foi impossível manter as atividades presenciais, mas o combate ao racismo continuou: a equipe criou um programa online chamado Café Preto em Casa. 

Terreno fértil

Em 2017, o MC paulistano Rincon Sapiência compôs Galanga Livre (música integrante do disco homônimo), que narra a história fictícia do escravizado Galanga: 

Nossa coragem levantar/

Pro nosso medo encolher/

Fui convidado pro jantar/

Migalhas não vou recolher/

Vida me chama pra cantar/

Sem fuga, livre pra correr/

Um bom terreno pra plantar/

E a casa preta se ergue!

É com a perspectiva de liberdade, entendendo que a Maré é terreno fértil para o plantio de práticas antirracistas, que a Casa Preta da Maré se ergue, saudando as griôs da Maré e lutando por políticas públicas para que jovens negros acessem as estruturas de poder de nossa sociedade. A Casa Preta é o reconhecimento de um passado de lutas pelos direitos das populações negras e a projeção de um futuro.


Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17