Fome oculta: “não passo fome mas tem dia que não tenho o que comer”

Data:

Fome oculta: “não passo fome mas tem dia que não tenho o que comer”

Acompanhamos quatro histórias de pessoas em situação de insegurança alimentar moderada e grave em São Paulo

 

Caio Castor e José Cícero da Silva, da Agência Pública

4 de setembro de 2018

Rute Carvalho (zona sul), Givanilda Novaes (zona norte), Andreia Aparecida (centro) e Maria José Vicente (zona leste) são parte das pessoas que vivem em situação de insegurança alimentar moderada e grave em São Paulo.

As duas situações são caracterizadas pelo IBGE quando há redução da quantidade de alimentos entre os adultos, ruptura nos padrões de alimentação devido a falta de alimentos, redução da quantidade de alimentos entre as crianças ou quando alguém fica o dia inteiro sem comer por falta de dinheiro

 

O segundo episódio conta as histórias de Andreia e Zezé. Veja o primeiro episódio.

[vc_video link=”http://www.youtube.com/watch?v=p4QDCPtufmY” align=”center”]

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Festas juninas colorem as ruas da Maré e marcam a vida dos moradores

Festas juninas celebram a cultura do nordeste e a fé popular no território composto por 25% de nordestinos e quase 48% de autodeclarados católicos.

Entenda o Projeto de Lei que equipara aborto em casos de estupro a homicídio 

O Projeto de Lei 1904/2024, chamado de “PL da Gravidez Infantil” ou “PL do Aborto”, equipara o aborto após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio, criminalizando mulheres e profissionais de saúde envolvidos no procedimento.