Maré completa um ano de testagem, com projeto que amplia vacinação no território

Data:

Por Redação, 30/07/2020 às 14h

Captando dois históricos momentos em relação ao coronavírus no Conjunto de Favelas da Maré, foi divulgado hoje o 39º Boletim Conexão Saúde – De Olho no Corona. O primeiro deles marca um ano do início da testagem em massa que, desde julho de 2020, realizou cerca de 28.500 testes (entre PCR e sorológico) em moradores. O segundo é o lançamento da campanha #VacinaMaré, que tem como objetivo imunizar 31 mil moradores maiores de 18 anos com pelo menos uma dose do imunizante Astrazeneca até domingo (01/8). 

A ação, uma iniciativa da Fiocruz, Redes da Maré, Secretaria Municipal da Saúde e SAS Brasil, será seguida de um estudo sobre a eficácia da vacina. Além de monitorar casos sintomáticos de pessoas vacinadas e identificar novas variantes do vírus, o estudo vai acompanhar duas mil famílias durante seis meses para mapear a transmissão do vírus no ambiente familiar – sendo possível calcular a proteção da vacina junto à população da Maré.

Ambas ações (testagem e vacinação em massa) são pioneiras e servem de referência para o combate à Covid-19 em outros territórios. A Maré registrou queda de 87% na taxa de mortalidade não ajustada (número de óbitos em relação aos casos notificados) desde junho de 2020. No estado, o avanço da vacinação também apresenta resultados consistentes.

Em julho, com 50% da população adulta imunizada com pelo menos a primeira dose, houve redução de 28% no número de óbitos e queda na taxa de ocupação nos leitos de UTI e enfermaria, desafogando o sistema de saúde.

Para saber mais, basta clicar aqui. 

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Festas juninas colorem as ruas da Maré e marcam a vida dos moradores

Festas juninas celebram a cultura do nordeste e a fé popular no território composto por 25% de nordestinos e quase 48% de autodeclarados católicos.

Entenda o Projeto de Lei que equipara aborto em casos de estupro a homicídio 

O Projeto de Lei 1904/2024, chamado de “PL da Gravidez Infantil” ou “PL do Aborto”, equipara o aborto após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio, criminalizando mulheres e profissionais de saúde envolvidos no procedimento.