Pessoas LGBTQIAP+ com deficiência criam mecanismos para inclusão e reconhecimento

Data:

Vale PCD e Quilombo PCD, são iniciativas que buscam driblar capacitismo, homofobia, racismo e quebrar barreiras também sobre a sexualidade de PcDs

Esta matéria foi originalmente publicada no site #Colabora e está sendo reproduzida com permissão do veículo

“Eu busco os meus direitos de poder amar, de poder trabalhar e fazer o que quiser”, afirma Emmanuel Castro, 36 anos. Formado em Cinema, em Rádio e TV e atualmente estudante de Psicologia, Emmanuel é uma pessoa com nanismo e um dos idealizadores do Vale PCD – ONG que atua com as pautas de pessoas com deficiência LGBTQIA+. A iniciativa surgiu em 2019 a partir de conversas entre ele e Priscila Siqueira, psicóloga e também uma pessoa com nanismo.

O projeto nasceu a partir do sentimento de falta de espaço e pertencimento, tanto Emmanuel como Priscila não se sentiam representados nem entre PcDs e nem entre pessoas LGBTQIA+. Diante da necessidade de enfrentar esses dois tabus, eles decidiram criar o projeto inicialmente para mapear locais com acessibilidade. “Eu ia para o rolê e cadê outras pessoas (com deficiência)? Foi quando eu conheci a Priscila e a gente começou a sair bastante. Nesse tempo eu tinha uma preocupação. Meu medo era não ter acessibilidade”, conta Emmanuel.

Foi então que surgiu o ValeMaps – mapeamento de espaços acessíveis em diferentes cidades brasileiras. Ao longo do tempo e por conta do isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19, o Vale PCD passou a produzir conteúdos para combater o capacitismo – preconceito contra pessoas com deficiência. “A gente trabalha, estuda e namora. Enfim, a gente tem vida como outras pessoas, mas sofre essa violência silenciosa”, revela Emmanuel. Desde jovem, ele teve que encarar as dificuldades causadas pelo capacitismo estrutural que coloca PcDs em uma posição de pessoas sem sexualidade.

O absurdo chegou ao auge em uma sessão de psicoterapia, quando Emannuel contou sobre sua sexualidade e ouviu que iria para o inferno. “Isso me marcou muito na adolescência, escutar que você não pode sentir atração por homem, porque senão realmente você vai pro inferno. A própria psicóloga falou isso”, recorda o hoje estudante de psicologia.

Por conta das barreiras do preconceito, inclusive religioso, Emmanuel também encarava as relações amorosas como um tabu e sentia medo. “É, pecado, você não pode sentir prazer por homem”, era o que ele escutava sobre sentir atração por pessoas do mesmo sexo. “É libertador quando a gente consegue prestar um desejo que é seu, que é natural, está tudo bem e saber que não tem nada de errado comigo”, acrescenta.

Como cineasta, Emmanuel também aborda a falta de representatividade na mídia e em filmes. “Eu era uma criança que não via outras referências das pessoas com deficiência”. No caso das pessoas com nanismo, a representação feita pelo cinema hegemônico frequentemente alimenta estereótipos, colocando-as como personagens secundárias e/ou destinadas ao alívio cômico.

| Já leu essas?

Políticas de saúde sexual também excluem PcDs

Mesmo sendo uma pessoa bissexual, Priscila se sentia sozinha e isolada em baladas e espaços LGBTIA+. Segundo ela, o fato da própria acessibilidade e dos direitos das pessoas com deficiência serem temas ainda invisibilizados dificulta ainda mais para que essas pessoas possam falar sobre outras pautas, como a questão da sexualidade e das relações afetivas.

Além disso, as relações entre PcDs e pessoas típicas são vistas pela lente do capacitismo estrutural como gestos de caridade. “Acaba que cai naquela pegada do anjo: quem se relaciona com a gente é visto como um ‘herói ou heroína’, porque está abrindo mão de uma vida que se espera com uma pessoa dita normal”, exemplifica Priscila. A psicóloga menciona ainda que esse cenário de invisibilidade também coloca PcDs em uma posição de vulnerabilidade em termos de saúde sexual.

Um exemplo é de que praticamente inexistem campanhas de orientação sobre métodos de prevenção sobre infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) para pessoas com deficiência. “Muitas pessoas com deficiência acabam por ser mais vítimas de ISTs, justamente por não conseguir dizer não quando alguma pessoa não quer usar métodos de prevenção, porque sabe quanto vai ser difícil encontrar outra pessoa para se relacionar com a gente e por falta de informação”, descreve Priscila.

Capacitismo e homofobia fizeram Beto evitar relações

“Quando você está no meio do pessoal que é LGBTQIA+, você é a pessoa com deficiência, quando você está com a galera do pessoal com deficiência, você é o LGBTQI+”, conta Beto Maia, 35 anos. Desenvolvedor de softwares e influenciador digital, ele encontrou no Vale PCD um lugar de acolhimento. Amputado de uma perna, ele ouviu diversas vezes que não poderia ser homossexual, porque uma “pessoa não tem como ter dois problemas na vida”.

Por conta do combo de capacitismo e homofobia, Beto escondeu durante muito tempo sua sexualidade e evitava ter relacionamentos. “A homofobia às vezes nem bate tanto na cara, porque é invalidada a sexualidade (de pessoas com deficiência), como se eu não tivesse uma vida afetiva amorosa”, acrescenta. Na pandemia, ele baixou o TikTok e começou a fazer vídeos para falar sobre assuntos públicos, principalmente relacionados a essas duas pautas. Foi através dos vídeos nas redes sociais que Beto conheceu Priscila e começou a fazer parte do Vale PCD.

Parada do Orgulho PCD

Em 2023, Priscila Siqueira começou a idealizar um evento para mobilizar a comunidade de pessoas com deficiência LGBTIA+. Foi então que surgiu a ideia da Parada do Orgulho PCD, evento realizado através de uma parceria do Vale PCD com o Quilombo PCD (ONG que trabalha com pessoas com deficiência a partir do recorte racial). A primeira edição aconteceu em agosto de 2023 na Avenida Paulista, em São Paulo. 

Priscila comenta sobre o desafio de organizar a parada com recursos próprios e limitados. “Apenas 2 mil reais e um sonho conseguimos juntar cerca de 800 pessoas na Avenida Paulista. Uma caixa de som e um microfone e fizemos tudo acontecer”. Em janeiro deste ano foi a vez do evento chegar a Salvador, na 1° Parada do Orgulho PCD do Nordeste.

A previsão é de que sejam realizadas mais edições ao longo de 2024. A próxima já tem data marcada: será neste domingo, 31 de março, em Recife. Além da Parada, Priscila também foi responsável por criar a “Vale Tude”, uma festa pensada para ser 100% acessível. “Ninguém enxerga alguém distribuindo abafadores de ruído na balada, mas na minha festa tem”, destaca a psicóloga sobre o evento que foi destaque do Prêmio Biscoito no ano passado.

Outras das frentes de atuação do Vale PCD são a oferta de atendimentos psicossociais, a promoção de encontros periódicos com dicas para preparar pessoas com deficiência para o ingresso no mercado de trabalho e a produção de cartilhas com informações sobre o tema. “A gente criou o Vale PCD justamente para falar sobre os direitos. Para falar do corpo e da nossa realidade”, explica Emmanuel, que cita a longa luta das pessoas com deficiência na busca por direitos básicos.

Um dos principais exemplos de capacitismo estrutural é a definição da trajetória de vida dessas pessoas como histórias de superação. Na visão de Emmanuel, o ponto chave da luta das PcDs é a equidade. “Minha deficiência tá aqui. E é uma parte de mim. Não me faz triste. Não me faz mal. Eu sou o que sou. Eu só quero lutar pelo mesmo direito que você de poder amar, poder trabalhar e fazer o que quiser”, complementa.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Entenda o Projeto de Lei que equipara aborto em casos de estupro a homicídio 

O Projeto de Lei 1904/2024, chamado de “PL da Gravidez Infantil” ou “PL do Aborto”, equipara o aborto após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio, criminalizando mulheres e profissionais de saúde envolvidos no procedimento.

Operação da Polícia Civil é marcada por intenso tiroteio e correria em três favelas da Maré

O Maré de Notícias recebeu vídeos que mostram mães correndo e procurando se proteger dos disparos abraçadas a seus filhos por causa do horário de saída do período matutino