Quem pensa a juventude de favela?  

Equipe da Empresa Poética e jovens no lançamento do Conecta Jovem no Complexo da Maré – Foto: Cristian Valentim

Quem pensa a juventude de favela?  

Coletivo LGBTQIA+ ajuda jovens da Maré a alcançarem o sonho do primeiro emprego

Por Luiz Menezes*, em 01/08/2022

A Empresa Poética em parceria com o Instituto Vida Real e a Associação de Moradores da Nova Holanda, realizaram neste sábado (30), o lançamento do Conecta Jovem, um projeto que busca preparar 80 jovens das 16 favelas da Maré para o primeiro emprego por meio da educação profissional crítica e inclusiva. 

O coletivo – criado em 2019 a partir de uma iniciativa da Unicef Brasil –  teve um longo processo de reflexão em torno das inquietações advindas das vivências de um grupo de jovens LGBTQIA+ de periferias e favelas cariocas. Atualmente, o grupo tem realizado diversos projetos de transformação social na área da educação, empregabilidade, direito, inclusão e comunicação. Sendo o Conecta Jovem um desses projetos. 

Para o coordenador de comunicação da Empresa Poética, Dan Nogueira, o Conecta Jovem é uma tentativa de enfrentar as profundas desigualdades vivenciadas por jovens da favela. “Essa é uma forma que encontramos de reunir nossas potências e ajudar outros jovens a conseguirem acessar o mercado de trabalho. Temos observado muitas dificuldades da juventude favelada com questões voltadas ao  trabalho, como na elaboração do currículo profissional. Essa falta de informação reforça as dinâmicas de exclusão que nossos corpos estão, historicamente, inseridos”, afirma. 

De acordo com o Boletim de Dados da JUVRio,  são mais de 1,5 milhão de jovens cariocas, sendo 32% destes estão na categoria “NEM NEM” – nem  trabalham e nem estudam. A falta de acesso a oportunidades para o desenvolvimento dos indivíduos denuncia a crise que a juventude carioca têm vivido, em especial jovens moradores de favelas e periferias em que cotidianamente vivem com a falta de políticas públicas. 

Segundo a jovem Sabrina Menezes, que participa do processo de formação para o primeiro emprego, é preciso que haja mais oportunidades como essa. “Eu tô muito feliz com essa chance. As pessoas são muito legais. É muito importante porque agora vamos aprender como arrumar um emprego. Quero muito trabalhar e espero que tenha mais oportunidades assim”.

Para participar e conhecer mais dos projetos desenvolvidos pela Empresa Poética basta seguir o Instagram (@empresapoetica).

*Comunicador da primeira turma do Laboratório de Jornalismo Maré de Notícias

Se você encontrou um erro de ortografia, notifique-nos por favor, selecionando o texto e pressionar Ctrl + Enter.

mareonline

Artigos relacionados

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Obrigado!

Nossos editores são notificados.