Ronda Coronavírus: Maré registra movimentação grande de pessoas

Data:

Atualmente o conjunto de favelas acumula o maior número de mortes por Covid-19 entre as favelas da cidade

Enquanto São Paulo autoriza reabertura do comércio a partir de amanhã e o Rio de Janeiro autoriza a abertura de shoppings, o número de mortes aumenta no Brasil. Ao todo, são 39.680 óbitos e 772.416 pessoas doentes desde 26 de fevereiro, quando a doença foi diagnosticada pela primeira vez no país. No estado no Rio são 74.373 casos confirmados e  7.138 mortes. Na capital somam 38.960 casos confirmados e 4.716 mortes. Cidades do interior que reabriram as atividades econômicas nos últimos dias ou semanas registraram um aumento súbito de novas infecções e mortes causadas pelo novo coronavírus. A maior circulação de pessoas pode engrossar uma segunda leva de casos. 

Covid-19 na Maré

Em todas as favelas da cidade, de acordo com o Painel Covid-19 nas favelas (Voz das comunidades) são 1.727 casos confirmados e 385 mortes. Na Maré são 247 casos, segundo dados oficiais, e 65 mortes, fazendo com que o conjunto das 16 favelas da Maré seja recordista em número de mortes pelo coronavírus.  E mesmo assim, a movimentação foi grande em quase todas as 16 favelas da Maré. Euclides Antonio, comerciante de próximo ao Parque Ecológico, na Vila dos Pinheiros, está preocupado com possível abertura das atividades na cidade. “O povo já estava na rua, agora com a liberação da  Prefeitura aumentou o número de pessoas na rua esta semana. Na Vila do João é difícil passar de carro na Principal (Rua 14), com tantos camelôs”. Alessandra Ferreira, moradora do entorno do Parque Ecológico, na Vila dos Pinheiros, também tem a mesma preocupação. “Antes da Prefeitura decretar o relaxamento, o povo já estava na rua. Agora piorou e sem máscara. Estão dizendo que até o baile vai voltar. As pessoas não respeitaram no início do isolamento e nem agora”.

Movimentação grande de pessoas nas favelas da Maré

Marcílio Dias, considerada mais calma, também registrou aglomerações. “A favela sempre foi calma, com poucas pessoas nas ruas. Comércio normal, mas não ficam até tarde. O problema é que a população está em casa e nos finais de semana aumentou o número de festas e resenhas. Isso causa aglomerações”, disse Ana Cunha, presidente da associação de moradores.

Uma agente de saúde do Centro Municipal de Saúde Américo Veloso também confirma a dificuldade de se manter a quarentena e os cuidados, como o uso das máscaras. “Muita gente sem usar máscara na Praia de Ramos. Acho uma falta de respeito das pessoas não levarem em conta que esse problema não vai acabar agora e vão para rua sem máscara, trazendo problemas para dentro da própria família. Os bares estão com aglomeração e as pessoas na feira sem máscara. Muita gente caminhando sem proteção e eu acabo chamando a atenção dessas pessoas e alertando do perigo que elas estão sujeitas”.

Desinfecção nas ruas da Maré

As ruas do Parque Maré passaram hoje por higienização, feita com um produto importado feito de Cloreto de Benzalcônio 50%, que além de higienizar, deixa uma película de proteção no local. A iniciativa faz parte da Campanha Maré Diz NÃO ao Coronavírus, da Redes da Maré junto com a Comlurb.

Ruas da favela Parque Maré sendo desinfectadas por Cloreto de Benzalcônico

A campanha Maré diz NÃO ao Coronavírus 

A Redes da Maré lançou hoje uma campanha de arrecadação de recursos financeiros pela plataforma do CATARSE para a compra de mais 4.000 cestas básicas para as famílias da Maré que estão enfrentando dificuldades por causa da pandemia do coronavírus.  Para ajudar só acessar aqui.

A Campanha já distribuiu cerca de 20 mil cestas básicas, mas o desafio é enorme pelo tamanho da Maré (140 mil moradores) e pelas necessidades das famílias que estão sem renda neste momento. Estão sendo distribuídas também refeições para a população em situação de rua. A produção das quentinhas é responsabilidade do projeto Maré de Sabores, que teve cancelados seus serviços de buffet por causa da pandemia. O trabalho ajuda a pessoas como Camila Marques, cozinheira e moradora da favela Rubens Vaz.

Camila Marques é cozinheira do Maré de Sabores, projeto que está produzindo as quentinhas para a população em situação de rua na Maré.

Dica do Nenê do Zap

Hoje o recado do Nenê do Zap é tão importante que tem um ex-nenê para ajudar. Dá o play e curte a rima.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Evento leva atividades pós-carnavalescas gratuitas para Fiocruz

Amanhã, das 10 às 16h, atração musical, atividades externas, oficinas, exposições e teatro dão o tom do “Quero + Folia no Museu”, um evento que vai abrir as portas da FioCruz