Uma unidade de saúde doente

Data:

Além do teto no chão, Clínica de Saúde da  Vila do João não tem equipamentos básicos

Hélio Euclides – 01/10/2020

Parece mentira, mas a situação do Centro Municipal de Saúde Vila do João é pior do que se imaginava. No dia 26 de setembro, o Maré de Notícias mostrou o desabamento do teto de gesso e o acúmulo de mofo nas paredes da unidade, mas voltando à CMS, o que parecia ruim ficou ainda pior.

A promessa feita pela Secretaria Municipal de Saúde de que as obras seriam iniciadas com o cessar das chuvas não aconteceu. Apesar do sol há uma semana, até agora apenas o resto do gesso foi retirado. Funcionários, todos os dias, olham para o céu e torcem para que não tenha nenhuma nuvem de chuva. Até o momento, um consultório e a sala de odontologia continuam interditados. E nada mais foi feito.

E problema vai além da reforma. A sala de vacinas, além de iluminação inadequada, não tem geladeira e freezer funcionando, estão quebrados. A vacinação só acontece até às 14h, pois as vacinas ficam em caixas de isopor e precisam ser repostas diariamente. O ar-condicionado está parado há dois anos e, para minimizar o calor, uma profissional trouxe um ventilador de casa. Além disso, todos os aparelhos para a medição da pressão arterial estão desregulados, por ausência de manutenção. Não há na unidade um aparelho sonar, utilizado no pré-natal, e para manter o atendimento, os médicos estão trazendo os equipamentos de casa. “Não é questão financeira, isso é falta de capacidade de gestão da Secretaria Municipal de Saúde. Algo inacreditável. O pior é colocarem na conta na gerência local, que provavelmente já fez os requerimentos. São questões muito sérias que precisam ser denunciadas”, expõe Carlos Vasconcelos, médico que já atuou na Maré e membro da direção do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro.

Funcionários da Prefeitura estiveram no local na última sexta-feira (26/9) com a promessa de resolver o problema do teto tão logo a chuva cessasse. Até o momento, nenhum outro funcionário foi à Clínica para resolver o problema.

Ao Maré de Notícias, o coordenador coordenador  Programática  3.1,que atende a Maré, Marcos Ornelas, disse que hoje foi feita a obra na CMS Augusto Boal, mas que não há previsão sobre a obra da unidade na Vila do João. E que a Secretaria Municipal de Saúde está em processo de orçamento da obra a ser feita. Enquanto isso, profissionais de saúde que trabalham no local se esforçam para manter o atendimento e relatam muito medo de retaliação pela denúncia.O direito à saúde é garantido pela Constituição Federal de 1988 pelo artigo 196 que reconhece a saúde como direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17