Ancestralidade é tema de uma das mesas mais disputadas do festival

Data:

Conexão com os antepassados africanos é fundamental para aprender sobre o passado, preservar a memória e construir o futuro do povo negro

Em 17/11/2018 – Por Eliane Salles

“Nossa energia vem da ancestralidade e sobreviveu à diáspora”. Este foi o tema de um dos Fóruns de Vivências mais concorridos do festival. A mesa reuniu Mãe Celina de Xangô, produtora cultural e gestora do Centro Cultural Pequena África; Grace Mary Moreira, ativista da cultura afro-brasileira e conselheira estadual de Políticas Culturais do Rio de Janeiro; Juliana Luna, consultora de moda e repórter; e Sandra Maria da Silva Andrade, quilombola e ativista.

Com trajetórias diferentes, as debatedoras tinham, no entanto, muitas crenças em comum, entre elas, a de que a conexão com a ancestralidade e a busca pela história dos africanos, sua religião, cultura, tradições e saberes, é fundamental para aprender o passado, construir o futuro e preservar a memória e as conquistas do povo negro.

Coincidentemente, o fórum foi realizado no Museu de Artes do Rio de Janeiro, na Zona Portuária e a cerca de 600 metros do Cais do Valongo, um dos principais locais de desembarque e comércio de africanos escravizados. Calcula-se que entre 1811 e 1831, tempo em que esteve em operação, cerca de um milhão de pessoas escravizadas tenham passado pelo local. “O negro nunca foi escravo. Ele foi escravizado. É diferente”, ensina Grace Mary Moreira, que é bisneta da Tia Ciata, uma das mais importantes figuras na criação do samba carioca.

[vc_media_grid grid_id=”vc_gid:1542487823352-04848371-dd4e-3″ include=”39022,39023,39024,39025″]

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Entenda o Projeto de Lei que equipara aborto em casos de estupro a homicídio 

O Projeto de Lei 1904/2024, chamado de “PL da Gravidez Infantil” ou “PL do Aborto”, equipara o aborto após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio, criminalizando mulheres e profissionais de saúde envolvidos no procedimento.

Operação da Polícia Civil é marcada por intenso tiroteio e correria em três favelas da Maré

O Maré de Notícias recebeu vídeos que mostram mães correndo e procurando se proteger dos disparos abraçadas a seus filhos por causa do horário de saída do período matutino