Após dois anos, festas juninas voltam às favelas da Maré

“Arraiá da Paz ” promete agitar a Maré. Foto: Elisângela Leite

Após dois anos, festas juninas voltam às favelas da Maré

Grande parte dos festejos são de organização das paróquias da região

Por Hélio Euclides, em 10/06/2022 às 07h. Editado por Edu Carvalho

É só junho chegar para se imaginar as danças, fogueiras, músicas e comidas típicas, elementos que constituem o patrimônio cultural brasileiro. Reunidos nos festejos que duram os meses de junho, julho e agosto, muitas dessas comemorações voltam a ser presenciais após dois anos de pandemia. Na Maré, a maior parte desses eventos são realizadas pelas igrejas, que abrem suas portas para os tradicionais arraiais, valorizando a cultura nordestina tão presente na região.  

Durante o período de pico da crise sanitária, organizadores que integram as paróquias espalhadas pelo território fizeram, em grande maioria, entrega de kits de comidas típicas, para que as famílias não deixassem o comemorar mesmo que em casa. Para o padre Rafael Viana, da Paróquia Sagrada Família, na Nova Holanda, este ano o retorno tem gosto especial. “Será um momento de confraternização, com encontro de amigos e famílias. Mataremos saudades das atrações musicais, comidas típicas e da nossa quadrilha formada pelos jovens paroquianos”, diz.

Apesar de sua origem no Brasil ter um cunho religioso, remetendo a Santo Antônio, São João e São Pedro, os eventos juninos romperam a vivência cristã para se transformar numa festividade popular mais do que ecumênica, associando-se a símbolos rústicos tradicionais dos moradores das zonas rurais. “É algo cultural que celebra os santos juninos, que ganhou proporções gigantescas. Hoje não é uma festa somente dos católicos”, comenta Viana. 

Esse ano, o diferencial será a comemoração do coletivo Especiais da Maré, grupo que trabalha no apoio às pessoas com deficiências (PcDs). “Vamos tentar fazer uma festinha típica adaptada para os PcDs. Os amigos e colaboradores são bem-vindos”, afirma Alusca Cristina, uma das coordenadoras do Especiais da Maré. O grupo pede doações como brindes e comidas típicas. Para quem desejar ajudar pode entrar em contato via WhatsApp: 97177-2626 ou Facebook/Instagram: @especiaisdamare.

Inflação atinge festas

Pamonha, curau, cuscuz, canjica, bolo de milho, pipoca, arroz doce, caldos, cocada, pé de moleque, paçoca, maçã-do-amor e bolo de fubá, são algumas das comidas típicas das festas juninas, que dão água na boca. A notícia ruim é que quem deseja saborear as comidas típicas nas festas juninas vai ter que colocar a mão no bolso e desembolsar um valor maior do que esperava. Com a inflação em alta no Brasil, de 12,13% acumulados em 12 meses, as festas juninas foram atingidas em cheio. De acordo com o índice medido pela Fundação Getúlio Vargas, o preço médio dos ingredientes juninos subiu mais que a inflação do período, com alguns ingredientes chegando a ter um aumento de 70%.

Festa com segurança

Para que as comemorações não virem pesadelos, a concessionária Light dá dicas para que todos tenham um lazer com segurança. O principal alerta é na hora da realização de decoração, que precisa fugir dos improvisos e da distância da rede elétrica. Já as ligações das barraquinhas precisam ser feitas por profissionais especializados e material adequado. É necessário evitar sobrecargas, dividindo corretamente os aparelhos elétricos, som e iluminação, evitando benjamins. Antes de tudo, é preciso verificar as condições da rede, para possibilitar instalações com segurança.

Confira as dicas de segurança para os festejos juninos:

  • Na decoração, não use bandeirinhas metálicas;
  • Para prender a decoração, utilize apenas barbante comum ou fitilho plástico;
  • Solicite sua iluminação festiva por meio dos canais de comunicação da Light;
  • Não coloque enfeites na rede elétrica ou nos postes;
  • Não solte fogos perto da rede elétrica;
  • Mantenha distância de fios partidos ou caídos;
  • Fios emendados ou desencapados aumentam o risco de curto-circuito;
  • Balões? Jamais!

Veja o calendário dos festejos na Maré:

Arraiá da Paz

Rua Guanabara, Nº 2 – Parque União.

Dias 11, 12, 18 e 19/06 (19h)

Arraiá da Navegantes

R. Luís Ferreira, 217- Baixa do Sapateiro.

Dias 09 e 10/07 (19h)

Arraiá da Sagrada Família

Rua Tancredo Neves, s/nº – Nova Holanda

Todos os finais de semana de julho (18h)

Arraiá da Jesus de Nazaré

Rua Evanildo Alves, 83 – Baixa do Sapateiro

Dias 11, 12, 18 e 19/06 (19h)

Arraiá de São José

Via A/1, 150 – Vila dos Pinheiros.

Dias 08 e 09/07 (19h)

Arraiá da Capela Aparecida

Rua Jubal Lima, s/nº – Roquete Pinto.

Dias 02 e 03/07 (19h)

Arraiá da Paróquia Aparecida

Rua Dom Eugênio Sales, 43 – Marcílio Dias.

Dias 08, 09 e 10/07 (19h)

Arraiá do Gato 

Rua São Jorge, s/nº – Nova Holanda.

Dia 16/07 (19h)

Arraiá dos Especiais da Maré

R. Tancredo Neves, s/n – Nova Maré.

Dia 02/07 (13h às 15h)

Se você encontrou um erro de ortografia, notifique-nos por favor, selecionando o texto e pressionar Ctrl + Enter.

Hélio Euclides

Artigos relacionados

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Obrigado!

Nossos editores são notificados.