Chacina na Maré adia Semana de Arte Favelada

Data:

Por Lucas Feitoza

A Semana de Arte Favelada (SAF) depois de passar pelo Theatro Municipal com exposições artísticas, teria encerramento no Centro de Arte da Maré (CAM), neste fim de semana com o Festival Multilinguagem. Porém devido a chacina na Nova Holanda e Parque União nesta sexta-feira (25), o evento foi adiado para o próximo dia 17 de dezembro.

A SAF é uma releitura da Semana de Arte Moderna realizada em 1922 que reuniu palestras, apresentações de dança, música e recitação de poesias no Theatro Municipal de São Paulo, inspirado na estética européia. O objetivo da SAF é valorizar a cultura dos territórios periféricos, mas diferente da realizada um século atrás, foi interrompida. 

O idealizador da Semana de Arte Favelada, Wellington de Oliveira, contou que na sexta-feira (25)  já havia cancelado a organização do evento e junto com a equipe de produção questionou: “como a gente faz um festival de alegria e amor depois de tanta violência? A gente acabou de fazer o evento no Theatro Municipal (Centro, RJ)  e quando vem pro território não temos direitos, é como se tivessem dois Rios de Janeiro, e essa é a realidade da favela”. desabafa o idealizador 

As apresentações do festival multilinguagem seriam no sábado (26) e domingo (27) com 10 apresentações artísticas de dança, música e teatro. A única programação que permaneceu foi o lançamento do livro digital (ebook) gratuito no sábado. Semana de Arte Favelada: Arte Literária  reúne 25 textos de autores favelados, organizado por Marcos Diniz, com prefácio da deputada estadual  Renata Souza, ilustrado por Matheus Afonso e editado por  Meg Mendes e Leonardo Melo. O Sarau Multilinguagem vai ser um espaço de debate sobre os textos.

Vitor Felix, 27 anos, professor e artista independente, conta que o Sarau Multilinguagem será um momento com diferentes pessoas debatendo sobre os temas abordados no livro digital, e que a operação da semana passada vai repercutir na atividade. O texto “Tempos urgentes” do escritor, foi um dos selecionados, “a gente quer permanecer e não adianta qualquer tipo de violência,  a gente quer usar a nossa voz, é um direito que não se pode negar”. concluiu.

A operação policial conjunta da PMERJ e PCERJ deixou 8 pessoas mortas, feridos e mais uma vez muitas violações direitos para os moradores da Maré, com direitos fundamentais negados.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade