Clube de Leitura gratuito está com vagas abertas

Data:

Inscrição no clube dá direito aos livros e podem ser feitas por email ou presencialmente na  Biblioteca Lima Barreto, na Nova Holanda

Iara Machado

O Clube de Leitura Lima Barreto está com inscrições abertas para um novo ciclo de leitura, dedicado aos livros “Hibisco roxo”, da autora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, e “Tudo sobre o amor”, da pensadora negra estadunidense bel hooks. As reuniões acontecem online, todas as quintas-feiras, das 17h30 às 19h e todos os participantes recebem os livros de presente. As inscrições estão abertas e são gratuitas, têm vagas limitadas e podem ser feitas até o dia 12 de abril, quarta-feira, tanto presencialmente, na Biblioteca Lima Barreto (Rua Sargento Silva Nunes 1014, Nova Holanda, Maré, das 10h às 21h) quanto pelo email [email protected].

As atividades começam no dia 13 de abril e qualquer jovem ou adulto interessado, dos 18 aos 99+ anos, pode participar.  As vagas serão ocupadas por ordem de procura, e uma lista de espera também será gerada seguindo a sequência. 

O Clube faz parte do projeto Livro Labirinto, parceria da Redes da Maré com a Caju, plataforma curatorial e editorial que mantém uma revista online e realiza projetos de exposições e livros. O Livro Labirinto está entrando em seu sexto ano de atividades na Maré, enquanto o Clube Lima Barreto tem cinco anos ininterruptos de leituras. Não fez pausas nem mesmo na pandemia, quando significou um ponto de encontro e de alívio durante o confinamento.  O ano é dividido em Ciclos, referentes a um ou mais livros. Todos os inscritos em um ciclo, recebem os títulos gratuitamente, e eles são distribuídos em um kit caprichado, com pequenos brindes e gostosuras. Cada integrante passa a fazer parte de um grupo de WhatsApp e semanalmente o link da reunião é postado ali. As leituras são feitas em uma sala virtual, online, com o livro sendo lido semanalmente em voz alta, com cada trecho da história ganhando a voz de um dos clubistas.

“Entrei no Clube em 2018 e foi importantíssimo para mim, porque na época atravessava uma depressão”,

conta Fernanda Medeiros

Com 31 anos e “cria” da Maré, Fernanda é uma das participantes mais antigas. Ela conta que os livros a ajudaram a superar o problema e também a mudar a própria vida: “os livros que a gente lê abriram minha cabeça. Sempre tive o sonho de entrar na universidade, e pensava num determinado curso, mas mudei, e acabo de passar para a Uerj para Letras/Literatura. Começo em agosto”, conclui.

Foto: Arquivo pessoal | Fernanda, uma das participantes mais antigas da atividade, mudou sua escolha de formação na Universidade a partir das participações no Clube de Leitura

Fernanda lembra que o Clube melhorou sua capacidade de interpretação e de escrita, auxiliando nas provas de redação e questões objetivas, mas auxiliando na prática de leitura na própria vida. Ela destaca que as atividades extras do Livro Labirinto – palestras voltadas para o Curso Pré-Vestibular da Redes da Maré, abertas a qualquer interessado, e os passeios do Clube de Leitura a museus, galerias, teatros e outros espaços culturais, também contribuíram muito para o seu desenvolvimento.

“Estou torcendo para que o Clube receba novos integrantes, porque quero que outras pessoas tenham a vida transformada, como eu tive, e também o acesso a esses livros, atividades e aos encontros tão ricos que fazemos toda  semana”, diz Matheus Euzébio, o Matheus Benny, de 23 anos, que chegou ao Clube em 2019 e hoje, além de estudante de Pedagogia da Uerj, é tecedor da Redes da Maré, trabalhando como mediador do Livro Labirinto e fazendo o atendimento ao público na Biblioteca Lima Barreto – No Clube desenvolvi meu pensamento crítico e melhorei muito minha escrita e interpretação de texto. Num mundo em que a gente se encontra cada vez menos, estar junto toda semana, lendo, tem sido muito importante.

No Clube há dois anos, o estudante de Psicologia da Uerj Wellington Virginio da Silva, de 30 anos, acredita que é justamente o encontro uma grande chave para o sucesso da atividade: “cheguei ao Clube porque estava muito focado nos textos acadêmicos da faculdade e havia perdido a chama da literatura. Ler em voz alta e em grupo tem sido muito bom, porque nós vemos o ponto de vista de outras pessoas para aquele mesmo texto. O crescimento é individual e coletivo e hoje somos um grupo formado por pessoas muito diferentes, mas que criaram uma amizade e viraram uma família. A literatura une as pessoas”.

Coordenadora do projeto de Busca Ativa da Redes da Maré, Elza Sousa Silva, de 58 anos, é uma das mais experientes do grupo. Ela diz que o Clube de Leitura tem feito com que aprenda com os mais jovens, mas também “É uma troca muito rica. Procuro fazer das horas do encontro algo realmente sagrado e participo o máximo que posso. É um espaço que todos nós precisamos e seria maravilhoso se mais moradores da Maré se interessassem pela atividade, porque a leitura é um processo de transformação.”

Professora do Curso Pré-Vestibular da Redes da Maré, Teresa Cruz é outra que percebe mudanças no grupo e em si mesma: “tem sido uma experiência que proporciona muitos aprendizados para todo mundo que participa, porque ela nos conecta. A conexão acontece através do livro, como narrativa ficcional; dos discursos e teorias que frequentemente lemos junto da ficção; e também se dá coletivamente, no exercício da alteridade, na medida que a minha experiência de leitura é confrontada com as leituras dos colegas”.

Teresa tem sido uma das mediadoras do Clube, ao lado da curadora Daniela Name, da Caju, e dos tecedores da Biblioteca Matheus Euzébio e Alessandra Cotta. A professora também é uma das pontes entre as atividades do Clube e o Pré-Vestibular, e tanto ela quanto os demais organizadores percebem o amadurecimento dos leitores e das próprias atividades, que foram se tornando mais profundas à medida em que se desenvolveram novas habilidades. Entre elas Gabrielle Vidal, a Gabi Vidal, uma das mais ativas clubistas, que mobiliza reuniões, passeios e vem conquistando novos adeptos para a atividade. Segundo ela, tanta dedicação tem explicação:

“O Clube de Leitura ocupa um lugar muito importante na minha vida, é um espaço de acolhimento, escuta e onde posso compartilhar minhas impressões sobre o que leio. É muito difícil termos esse espaço na nossa rotina. Participar dos encontros semanais me energiza, me relaxa e me preenche. Sei que é um lugar onde eu posso falar e escutar e, para além da leitura coletiva, o Clube estimula o hábito de ler, nos dá a certeza de que podemos ler, sim, um livro de 500 páginas, mesmo que aos poucos. E o mais importante de tudo: é um lugar onde a gente sonha. Com o livro, com os personagens. Nada é mais importante do que um lugar onde a gente pode sonhar e imaginar.”

Gabi Vidal
Depois de começar no Clube de Leitura, Gabi Vidal se tornou uma mobilizadora da atividade articulando reuniões e convidando novas integrantes

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade