COP27 tem representações periféricas e da juventude

Data:

A conferência da ONU acontece até dia 18 de novembro no Egito

Por Samara Oliveira

Até 18 de novembro, a COP27, uma conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre mudanças climáticas reúne representantes de 196 países, no Egito. O evento acontece para que os países que assinaram o Acordo de Paris mantenham-se comprometidos com a redução da poluição e desmatamento.

Logo na abertura, que foi realizada no dia 6 de novembro, a discussão foi sobre os países ricos compensarem as nações mais pobres e vulneráveis às mudanças climáticas. E é para debater suas próprias vivências enquanto moradores de periferia que a COP27 vai contar também com a presença de jovens de várias comunidades do Brasil, entre eles, Thuane Nascimento, 25, diretora do PerifaConnection. 

Moradora da Vila Operária, em Duque de Caxias, a jovem conhecida como Thux, estará na COP pela segunda vez e além de comentar sobre a importância da discussão do primeiro dia, falou sobre a necessidade de pessoas da periferia estarem inseridas nesses espaços.

“O debate das mudanças climáticas, têm a aceleração e sua piora para os países do sul global a partir do colonialismo, né? A gente produz muito mais do que usa, vendemos muito mais do que as pessoas precisam e tudo isso porque colocam o lucro acima das vidas, das necessidades do dia a dia. Hoje tem uma quantidade desnecessária de lixo por causa de como cada um quer viver e muitas vezes o que esses países mais ricos querem é colocar nas costas dos países mais pobres essa culpa”, comenta a jovem.

De acordo com o relatório do Painel Intergovernamental sobre o Clima (IPCC), da ONU, divulgado este ano, com o aumento das mudanças climáticas os riscos à saúde também vão aumentar de forma significativa. Além de impactos na saúde mental, serão mais 250 mil mortes por ano (em comparação ao período de 1961 a 1990) até meados do século. As principais causas devem ser o calor, a desnutrição infantil, a malária e doenças diarréicas, com mais da metade desses casos ocorridos em território africano. 

No Brasil, um problema antigo e muito conhecido pode voltar com ainda mais força e causando desastres ainda maiores. Ainda de acordo com o relatório, a população afetada por inundações deve dobrar no Brasil e países vizinhos. Assim como a seca também será cada vez mais um problema, as chuvas fortes e concentradas deverão aumentar e consequentemente as enchentes e deslizamentos de terra se tornam altamente prováveis.

Integrante do eixo Direitos Urbanos e Socioambientais da Redes da Maré, Mariane Rodrigues, comenta sobre o avanço nas discussões da COP.

“Esse ano a COP teve uma diferença que pode ser o início de algo significativo para gente enquanto Brasil e também para gente enquanto Maré que é incluir discussões sobre financiamento de perdas e danos climáticos. É a primeira vez que, finalmente, a conferência coloca isso como discussão na agenda deles” porém, continuou “não significa que a partir daí vamos ter um plano efetivo para financiar e pensar nisso, mas essa COP tem vindo com um engajamento climático muito grande da sociedade civil que está lá e dos grupos de juventude que estão discutindo justiça climática. O evento é importante para gente quando ela se conecta com esse conceito da justiça climática que é o que buscamos enquanto um país em desenvolvimento e enquanto território periférico que vem sofrendo os impactos das mudanças climáticas cada vez mais”. 

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade