Da Maré até a prefeitura do Rio

Data:

Em artigo especial ao Maré de Notícias, deputada que é cria do Conjunto de Favelas reflete sobre sua candidatura para o cargo de prefeita 

Por Renata Souza, em 26/11/2020 ás 10h

Editado por Edu Carvalho 

Sou cria da favela da Maré, mulher preta e doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ. É assim que gosto de me apresentar em tudo que faço. Hoje sou deputada estadual, presidenta da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Alerj e fui candidata a prefeita do Rio pelo PSOL-RJ. Uma cria da Maré que disputa os espaços de poder e decisão política nesta cidade que nega direitos e oportunidades à favela. Um desafio gigante. Mas é hora da favela ter voz e vez, por isso, sigo de cabeça e punho erguidos em defesa dos trabalhadores do Rio. 

Fazer uma campanha para disputar as eleições para a prefeitura da cidade do Rio de Janeiro foi uma tarefa árdua e cansativa. Mas chego ao fim dessa jornada com a certeza de que a luta por uma cidade mais humana, mais justa e menos desigual só será vencida com muito debate político. Neste ano de 2020, com a pandemia da Covid-19 e a má vontade da mídia em disponibilizar espaços de debates, não houve condições de igualdade para candidaturas como a minha, pequena e pouco conhecida. 

Não foi fácil já no evento virtual de pré-lançamento da campanha, onde fomos atacados por hackers. O prefeito Marcelo Crivella não se sentiu constrangido em dizer mentiras sobre mim e meu partido, ao vivo, no debate da Band. Fui atingida por uma decisão judicial que impediu que a imprensa registrasse o momento do meu voto no Ciep Elis Regina, na Maré, coisa que não aconteceu com nenhum dos outros candidatos. Será porque eu era a única candidata a votar na favela? 

Em minha vivência de mais de 15 anos na política institucional, trabalhei com Marcelo Freixo e fui chefe de gabinete da Marielle Franco, covardemente assassinada, e que me ensinou que embora o resultado nas urnas seja soberano, a disputa eleitoral aponta para futuros possíveis. Na resposta que veio das urnas na Zona 161, onde voto juntos dos moradores da Maré, de Bonsucesso e Ramos, chegamos a quase 9% dos nossos votos. Isso é uma vitória, já que dificilmente votamos em uma referência da própria Maré. 

Aqui sigo cumprindo a missão que me foi confiada por 63.937 eleitores em 2018, que me fizeram a deputada estadual mais votada da esquerda. O Rio de Janeiro não pode seguir sendo o estado que naturaliza os índices absurdos de feminicídio, homicídio, de encarceramento, de violência obstétrica, de salários e trabalhos subumanos da população negra.  

Me sinto muito honrada por ter sido escolhida pelo Partido Socialismo e Liberdade para representar a legenda no difícil pleito de 2020, agradeço aos companheiros pelo apoio, a minha equipe aguerrida, agradeço aos 85.271 eleitores .Sonho, esperança e luta moveram a ampliação da nossa bancada na Câmara do Rio para sete pessoas. Seguimos, com brilho nos olhos e a certeza de que somos necessários nos espaços de poder e decisão política. 

Gratidão à Maré.

Renata Souza é nascida e criada na Favela da Maré. Jornalista, formada com bolsa integral, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Doutora em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pós-doutora em Mídia e Cotidiano pela Universidade Federal Fluminense. Eleita em 2018 deputada estadual no Rio pelo PSOL, foi a primeira mulher negra presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da ALERJ.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Saiba quem são os ganhadores do Comida de Favela

Além dos ganhadores do Comida de Favela três comerciantes ganharam uma menção honrosa pelo trabalho que realizam em seus estabelecimentos

Semana dos Direitos Humanos na Maré começa nesta segunda (4), confira programação

Segundo ano Semana dos Direitos Humanos terá 6 dias de atividades

Encerramento do Festival Comida de Favela acontece neste sábado (2)

Entre maio e junho de 2023, 110 bares e restaurantes se inscreveram para a primeira fase do festival que selecionou 17

Pesquisa Respira Maré avalia urgência de políticas públicas para redução de riscos climáticos

Pesquisa Respira Maré apresenta diagnóstico do ar e a presença de ilhas de calor no território.