Evento debate vulnerabilidade da mulher com deficiência à violência obstétrica

Data:

Última reportagem da cobertura Maré de Notícias do festival Ecoar! aborda os direitos das pessoas com deficiência no momento do parto

Por Elaine Lopes, em 07/10/2022 às 17h

O parto é um momento importante e rico em simbolismos. No entanto, para uma mulher com deficiência auditiva dar à luz pode ter uma dose extra de tensão e sofrimento. Práticas que poderiam ser evitadas na sala de parto como a Episiotomia, corte feito no períneo; e a Manobra de Kristeller, pressão na parte superior do útero; ainda são usadas para facilitar a saída do bebê, mas podem ser traumatizantes.

Esses foram dois dos principais temas tratados na roda de conversa “A violência obstétrica e violação de direitos das pessoas com deficiência” realizada durante o “Ecoar! – Festival de Ativismo para Enfrentamento da Violência Sexual”, no dia 24 de setembro, no Museu de Arte do Rio (MAR).

A mesa teve a presença de Maria Rita Valentim, educadora do MAR, como mediadora; Sabrina Lage, educadora e intérprete da Língua Brasileira de Sinais (Libras); e Andreia Oliveira, educadora perinatal e também especialista em Libras. Sabrina e Andreia também são doulas, profissionais que acompanham as mulheres em todo processo de gestação, parto e pós-parto.

Comunicação é apenas parte do problema

Sabrina Lage e Andréia Oliveira falaram principalmente sobre a importância de se humanizar o parto e manter uma comunicação entre o profissional da saúde e a paciente (independentemente de sua deficiência), dando opção de escolha quanto ao método utilizado e às práticas realizadas. Segundo Sabrina, que é mãe de duas filhas, de dois e cinco anos; e é surda, a Episiotomia, procedimento cirúrgico que consiste em um corte feito no períneo – região entre o ânus e a vagina – frequentemente utilizado pelos médicos, pode ser considerada uma forma de violência contra a mulher. 

Andréia Oliveira afirma que existe uma concepção  de que a mulher é um objeto, um acessório, um corpo que pode ser facilmente invadido e esse comportamento vai gerando diversas violências, em várias camadas, e o trabalho de parto é um lugar onde isso ocorre, “então é necessário que a gente comece a conversar sobre essas violências que acontecem”. 

Sabrina Lage se comunica com os integrantes da mesa e compartilha suas experiências através da linguagem em libras | Foto: Elaine Lopes

Ela critica a opção dos médicos pela manobra de Kristeller, uma técnica que consiste na pressão sobre a parte superior do útero, também  com o objetivo de facilitar a saída do bebê. Segundo Andréia, a manobra é invasiva e acontece antes mesmo da mulher autorizar. 

Parto Humanizado

De acordo com Sabrina, existem obstáculos para as mulheres surdas que escolheram a maternidade. No entanto, não estão ligadas exclusivamente ao fato de não conseguirem ouvir, mas por falta de acesso a instituições que acolham adequadamente essas gestantes como clínicas, hospitais e maternidades: “os profissionais da saúde precisam ter pelo menos um conhecimento básico em LIBRAS e de como é o atendimento de uma pessoa surda”, explica ela. 

Segundo Sabrina, uma mulher surda que chega ao ambiente hospitalar não consegue se comunicar com os profissionais. Em muitos casos, o médico não faz nenhuma pergunta, apenas os procedimentos como pesagem e pressão. E não é diferente no dia do parto; a gestante tem que deitar na maca, tem seu corpo tocado e é encaminhada para a sala do parto sem que haja qualquer diálogo, “por isso a taxa de cesáreas em mulheres surdas é muito alta”. Segundo Sabrina, o agendamento da cesárea também é combinado entre o médico e o acompanhante da gestante, que geralmente é alguém da família, mas sem o consentimento da paciente.

Sabrina acredita que a Central de Intermediação entre surdos e ouvintes-ICOM, um serviço de tradução de LIBRAS em tempo real, 24 horas por dia, disponível por aplicativo, poderia ser uma opção no caso de gestantes surdas, “mas a questão é que ele não é gratuito, impossibilitando o uso entre todas as mulheres”. 

Durante a roda de conversa, Sabrina exibiu o parto de sua segunda filha; humanizado, com total liberdade de escolha., que lhe permitiu se movimentar e escolher o local apropriado para dar à luz, com o apoio do marido e da filha mais velha, o que segundo ela, “fez toda a diferença, tornando esse momento de muita união entre a família.” 

Andréia Oliveira compartilha seus conhecimentos sobre violência obstétrica  | Foto: Elaine Lopes

Violência pós-parto

Outra questão discutida na roda de conversa foi a laqueadura. Segundo Maria Rita Valentim, violência obstétrica é qualquer ato que provoque danos físicos ou psicológicos à mulher. Assim como atos praticados por profissional da saúde ou de outra área que  firam os princípios de autonomia e liberdade de escolha da mulher que está em trabalho de parto, e enfatiza ainda o direito à informação. 

Segundo Sabrina, em muitos casos, a família entende que a mulher surda não tem condições de ter filho, por causa do trabalho e, simplesmente, decide que ela tem que fazer uma laqueadura, e o médico faz o procedimento, mesmo sem o conhecimento da paciente, isso também se caracteriza como violência obstétrica.  

Após citar os vários tipos de violência obstétrica, o quanto a violência de gênero está relacionada a essas práticas e o quanto elas representam de violência para as mães surdas, Andréia Oliveira cita como exemplo positivo a experiência da Sabrina durante o parto humanizado. Sem nenhuma intervenção, sem nenhum método invasivo e completo, “em nenhum momento o corpo da Sabrina é tocado sem aviso durante o parto”.

Todas as mulheres surdas, segundo Andréia, deveriam ter a oportunidade de vivenciar isso também, poder ter os seus direitos respeitados, ter a oportunidade de optar pelo parto que desejam, ter uma comunicação com acessibilidade, absolutamente todos os direitos, sem exceção. “É o que todas merecem”, enfatiza.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade