Iniciativa da Maré dá dicas de redução de danos na folia de carnaval

Data:

Sem ‘caô’ no ‘alalaô’ com as dicas de como curtir com moderação, não apenas na folia

“Não viva como se fosse o último carnaval. Bora viver para que hajam próximos carnavais!” Reforça a Movimentos nas redes sociais, uma organização feita por jovens favelados que defende a política de redução de danos, com sede aqui na Maré.

No carnaval, a folia é intensa, bloco atrás de bloco e no meio do ”alalaô, mais que calor, desce gelo!”. E o que fazer para não sofrer com a ressaca no dia seguinte e não ter que frear a folia?  É comum ouvirmos que se deve beber água, comer doce, e também que não se deve beber de barriga vazia. Tudo isso faz parte da política de redução de danos. 

Um conjunto de estratégias que tentam minimizar os impactos  do consumo de drogas. Alguns efeitos do exagero que são percebidos durante o consumo ou  depois que passa a “onda”. Além da bebida alcoólica outras drogas, lícitas e ilícitas devem entrar nessa conversa. Fechar os olhos não reduz o consumo. 

Primeiro vamos lembrar que qualquer droga como álcool e cigarro são produtos destinados para adultos. Vender ou oferecer bebidas alcoólicas e outros produtos que possam causar dependência física ou psíquica para menores de 18 anos é crime de acordo com o artigo 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que prevê pena de dois a quatro anos e multa.

O movimento certo na folia

Se liga nas dicas para ter pique e foliar com responsabilidade! 

Se hidrate! Beba bastante água, sucos e  alimente-se bem! Até porque você vai precisar de energia para seguir o trio elétrico ou dançar nos blocos de carnaval que duram em média cinco horas. 

Também evite beber rápido demais. Não faça uso de álcool ou outras substâncias sozinha(o), é sempre bom ter aquele amigo que vai segurar a onda. Se for dirigir nem pense em beber! Se beber deixe o carro em casa e vá de transporte público, carro de aplicativo ou deixe a chave com o amigo!  

Evite misturar bebidas ou outras substâncias, o carnaval dura cinco dias então lembre-se de descansar. 

Carnaval é paz e amor, então use camisinha, se previna! Preservativos evitam não apenas gravidez, mas principalmente infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), sendo o método de proteção mais eficaz de acordo com o Ministério da Saúde. E estão disponíveis nos postos de saúde de forma gratuita tanto na versão feminina quanto masculina. 

A Movimentos publicou nas redes sociais um manual de sobrevivência do carnaval, sobre os riscos de combinar substâncias. “Isso não é algo que a gente tem que fazer só no carnaval mas na vida toda, quando se tem cuidado com a alimentação e práticas de exercícios físicos tende a ter uma experiência mais saudável”, explica André Galdino, coordenador de incidência da organização. 

Aliando as dicas de redução de danos com as de segurança, a folia fica ainda mais divertida e com mais boas histórias de carnaval para contar! 

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Povo negro resiste frente às estruturas de discriminação racial 

Racismo institucional é alimentado pela falta de reconhecimento do racismo estrutural, pela sub-representação de pessoas negras em cargos de liderança e pelo apagamento da contribuição e identidade negra na história e na cultura

Evento leva atividades pós-carnavalescas gratuitas para Fiocruz

Amanhã, das 10 às 16h, atração musical, atividades externas, oficinas, exposições e teatro dão o tom do “Quero + Folia no Museu”, um evento que vai abrir as portas da FioCruz