Saiba quem são os ganhadores do Comida de Favela

Data:

Três empreendedoras ganharam uma menção honrosa no festival

A grande final do Festival Comida de Favela aconteceu na noite deste sábado (2/12), no Dia do Samba. O festival animou o público que ocupou a Praça do Parque União (P.U). E finalmente os ganhadores do Comida de Favela foram revelados!

O Bar e pensão Edson Potiguar, da Vila do Pinheiro, venceu na categoria “Melhor Comida de Bar, Restaurante o Pensão” com a “língua de boi com purê de aipim”. O segundo lugar da categoria ficou com Pensão Petisco e dois empreendimentos ficaram em terceiro lugar: o Japa Food Maré e a Burgueria DN.

Fazendo jus ao nome, o Ki Empada Boa levou o título de “Melhor Comida de Rua” ! Com sua empada de frango com cream cheese. Em segundo lugar o Churrasco do Jorge e terceiro o Amarelinho.

As comerciantes Edinalva Montenegro e Elissandra de Oliveira do Boteco Tô Chegando e Maria do Amparo do Bar Amparo receberam a menção honrosa Marinalva dos Santos pelo trabalho realizado em seus empreendimentos. O Tô Chegando por ser o primeiro bar LGBTQIA+ da Maré e Amparo pelo atendimento acolhedor que realiza.

No encerramento o Bloco “Me enterra na quarta” fez um cortejo até a Casa das Mulheres da Maré e retornou para a Praça do P.U.

O Comida de Favela é uma realização da Redes da Maré. Além de definir os ganhadores da competição o evento marcou também o lançamento do Guia Gastronômico da Maré que reune informações sobre os empreendimentos que participaram da segunda edição.

Onze mil cédulas de votação foram distribuídas entre os estabelecimentosparticipantes, e 56 % dos votos foram femininos, reafirmando a grande presença das mulheres na Maré. O público que prestigiou a culinária mareense durante o mês de novembro veio de diversas partes do Rio. Inclusive de outras favelas como Alemão e Tabajaras, além da presença de outros bairros e da baixada fluminense.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Povo negro resiste frente às estruturas de discriminação racial 

Racismo institucional é alimentado pela falta de reconhecimento do racismo estrutural, pela sub-representação de pessoas negras em cargos de liderança e pelo apagamento da contribuição e identidade negra na história e na cultura

Evento leva atividades pós-carnavalescas gratuitas para Fiocruz

Amanhã, das 10 às 16h, atração musical, atividades externas, oficinas, exposições e teatro dão o tom do “Quero + Folia no Museu”, um evento que vai abrir as portas da FioCruz