Guia de Saúde Mental da Maré

Data:

Texto do encarte disponibilizado durante agosto em locais estratégicos das 16 favelas da Maré, como unidades de saúde e no Espaço Normal, reúne orientações básicas com cuidados para construção de bem-estar

O que é saúde mental?

Se você respondeu que saúde mental é não ter doenças mentais, está enganado. Vai muito além disso! A saúde mental faz parte da saúde de modo geral e também depende de muitos fatores como boa alimentação; uma moradia adequada; contar com água e esgoto, ter trabalho e renda, educação, cultura, segurança, acesso aos serviços de saúde, esporte, lazer, acesso a bens e serviços disponíveis onde se mora. Em outras palavras, é um conjunto de recursos que utilizamos para:

Lidar com o estresse sobrecarga de trabalho, perdas de pessoas queridas, dificuldades financeira; Nos relacionar bem uns com os outros gerando uma convivência em comunidade mais sadia; Fazer escolhas desde as mais simples (como a roupa que vamos usar) até as mais complicadas (carreira profissional, planos de futuro).

Saúde mental é um direito

Foto: Reprodução do encarte

A saúde mental faz parte da saúde de modo geral e também depende de muitos outros fatores como: boa alimentação; uma moradia adequada; contar com água e esgoto na comunidade, ter trabalho e renda, educação, cultura, segurança, acesso aos serviços de saúde, esporte, lazer, acesso a bens e serviços disponíveis na comunidade.

Não basta cada um agir sozinho, é preciso olhar para cada pessoa de forma global: as diferentes partes do seu corpo, incluindo a mente, o contexto social onde vive, as condições de vida, e observar suas necessidades de maneira mais ampla e integral. Todos corremos o risco de desenvolver doenças e problemas mentais, se não tomarmos os cuidados de prevenção necessários para reduzir os riscos e condições que podem afetar negativamente nossa saúde mental.

Sinais de alerta

1 – Preocupação ou medo constantes;

2 – Sentindo-se excessivamente triste ou deprimido;

3 – Pensamento confuso ou problemas de concentração e aprendizagem;

4 – Mudanças extremas de humor, incluindo euforia ou raiva incontrolável;

5 – Evitando família, amigos e atividades sociais;

6 – Mudanças no sono, tendo constante sensação de cansaço e pouca energia;

Estes são os principais sinais de alerta para doenças mentais. Ao identificar algum outro comportamento ou sinal suspeito, é recomendado que busque ajuda profissional.

7 – Mudanças nos hábitos alimentares, como aumento da fome ou falta de apetite;

8 – Dificuldade em perceber a realidade (delírios ou alucinações);

9 – Incapacidade de perceber mudanças nos próprios sentimentos, comportamento ou personalidade;

10 – Uso excessivo de substâncias como álcool ou drogas;

11 – Pensamento suicida;

12 – Incapacidade de realizar atividades diárias ou lidar com problemas diários e estresse.

Onde procurar ajuda

É possível cuidar da saúde mental de muitas formas diferentes: pensando no que nos dá prazer e nos ajuda a aliviar o estresse e a tensão do dia a dia. Podemos também tomar medidas simples como procurar dormir bem, praticar atividades físicas, ter horários certos para se alimentar e consumir alimentos saudáveis; passar momentos agradáveis ao lado de pessoas queridas, cuidar da nossa espiritualidade, valorizar a vida e as pequenas e belas coisas que estão à nossa volta.

Porém, quando essas formas de cuidado não conseguem garantir nossa saúde, e alguma situação de sofrimento mental atinge a nós ou a alguém do nosso convívio, é preciso procurar ajuda. Para conseguir ajuda, o primeiro passo é buscar por serviços e recursos disponíveis na região onde você vive, conforme suas necessidades. 

Foto: Reprodução do encarte

Na Maré existem diversos tipos de serviços e equipamentos públicos voltados para o atendimento de problemas de saúde mental que vão desde Unidades Básicas de Saúde, como as Clínicas da Família, até centros especializados como os CAPS e comunitários como o Espaço Normal.

Os CAPS podem ser acionados diretamente, sem precisar de encaminhamento ou marcação para o atendimento e acolhimento das pessoas que chegam pela primeira vez no serviço. As Clínicas da Família também podem oferecer atendimento psicológico, podendo ainda tirar dúvidas, orientar e fazer encaminhamentos para os CAPS, caso seja necessário. 

Essa rede de atendimento em Saúde Mental é conhecida pela sigla RAPS, que quer dizer Rede de Atenção Psicossocial. A RAPS, é composta pelos diversos centros e postos de atendimento de pessoas com problemas mentais, tratando também dos efeitos prejudiciais do uso excessivo de crack, álcool e outras drogas.

A seguir, apresentaremos alguns locais onde é possível buscar orientações, tratamento ou mesmo o encaminhamento para um serviço de saúde mental mais adequado para a sua necessidade e acolhimento.

IMPORTANTE: Em casos de emergência psiquiátrica, quando a pessoa está em surto ou em crise, colocando em risco a sua vida ou de outras pessoas, o correto é acionar o SAMU, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, pelo telefone 192.

SERVIÇOS

CAPS II – Carlos Augusto da Silva (Magal) 

Endereço: Avenida Dom Hélder Câmara, 1.390, fundos Manguinhos – CEP: 20910-062 Telefones: (21) 2201.0180 / (21) 97002.1427 
Horário: segunda a sexta, das 8h às 17h. 
Público-alvo: adultos com problemas de saúde mental persistentes. 

CAPSAD III – Miriam Makeba

Endereço: Rua Professor Lacê, 485, Ramos – CEP: 21060-120
Telefones: (21) 3889.8441 
Horário: 24h, todos os dias, oferecendo acolhimento noturno. 
Público-alvo: pessoas que fazem uso prejudicial de álcool e outras drogas; que estão em territórios de riscos, além da demanda saúde mental. 

CAPSI – Visconde de Sabugosa 

Endereço: Avenida Guanabara, Praia de Ramos, s/n, Ramos – CEP: 21030-080 
Horário: segunda a sexta, das 7h às 17h. 
Público-alvo: crianças e adolescentes com demandas de saúde mental. 

UAA – Metamorfose Ambulante 

Endereço: Rua Filomena, 299, Olaria – CEP: 21021-380 
Público-alvo: Unidade de Acolhimento Adulto (UAA) é um espaço de acolhimento transitório para pessoas que fazem uso prejudicial de álcool e outras drogas (prazo de 6 meses). Oferece apoio para busca de emprego, moradia fixa, entre outros.

Espaço de Referência sobre Drogas na Maré – Espaço Normal

Endereço: Rua das Rosas, 54, Nova Holanda – CEP: 21044-580 
Telefone: (21) 3105.4767
Horário: segunda a sexta, das 14h às 18h.
Público-alvo: É um espaço de convivência que atua através da estratégia de Redução de Danos. O Espaço oferece aos usuários um local para descanso, TV, acesso a telefone, computador, higiene pessoal e cozinha para que produzam seu próprio alimento. Há também atendimento sociojurídico, cuidado em rede com outros equipamentos de saúde, saúde mental e assistência social.

Casa da Diversidade Sexual Gilmara Cunha

Endereço: Rua Sargento Silva Nunes, 1012, Maré 
Telefone: (21) 97201.4477
Horário: 09h às 17h
Público-alvo: LGBTQI+

Espaço de Referência para Mulheres da Maré – Casa das Mulheres da Maré

Endereço: Rua Da Paz, 42, Parque União
Telefones: (21) 3105.5569 ou (21) 3105.4767
Horário: Segunda a quinta, das 8h às 21h. Sexta, das 8h às 17h. Sábado, das 9h às 15h.
Atividades: oferece diferentes frentes de trabalho – qualificação profissional, enfrentamento das violências contra as mulheres, atendimento sociojurídico e psicológico e a articulação territorial para a criação de uma agenda positiva nas políticas públicas para as mulheres.

Como preservar nossa saúde mental

1 – Cuide da sua alimentação. Comer bem não tem a ver apenas com a boa forma física, mas com o bem-estar geral. Opte por um cardápio variado e equilibrado;

2 – Pratique alguma atividade física. Colocar o corpo em movimento de forma regular também contribui para a saúde emocional;

3 – Cuide do seu sono e descanso. É muito importante dormir bem, tendo uma boa rotina de sono. Noites mal dormidas colaboram para agravar os transtornos mentais/emocionais;

4 – Tenha momentos dedicados às pessoas queridas. É importante conviver com amigos e familiares;

5 – Reserve um tempo para o esporte e lazer. Faça atividades que te deixem feliz, como passeios, encontros com amigos, ir ao cinema, ler um livro, sair para dançar, entre outros;

6 – Esteja em contato com a natureza. Faz bem para o corpo e para a mente estar ao ar livre, conectando-se ao meio ambiente e escapar um pouco da rotina puxada do trabalho e da casa;

7 – Procure algo que lhe dê prazer. É muito saudável ter alguma atividade diferente na rotina. Escolha algo com que tenha afinidade ou mesmo que sempre teve vontade de fazer e nunca teve coragem. Pintura, dança ou algum esporte são alguns exemplos;

8 – Desenvolva sua fé. E isso independe de crença/religião. A fé está ligada à forma como nos relacionamos com o mundo e com as pessoas, ao otimismo, a crer na vida e em algo que tenha significado para você;

9 – Conheça a si mesmo. Existem várias formas de se conhecer como terapias, psicanálise, bodytalk, teatro, atividades lúdicas, etc;

10 – Ajude o próximo. Pode ser um vizinho que precisa de ajuda ou um trabalho voluntário. Fazer o bem faz bem.

Você sabe o que a comunidade tem a ver com saúde mental?

Em primeiro lugar, para alcançarmos a inclusão social das pessoas em sofrimento mental, principalmente de pessoas que tenham passado muitos anos internadas em manicômios e hospitais psiquiátricos, é preciso que a comunidade esteja melhor informada e possa vencer ideias e preconceitos sobre pessoas que receberam um diagnóstico psiquiátrico.

É aí que entra a comunidade. As famílias precisam ser acolhidas e fortalecidas para que possam ter um convívio próximo e constante com seus familiares adoecidos e a comunidade precisa, do mesmo modo, ser mais tolerante com as diferenças. 

Há muitas histórias de pessoas que passaram por momentos difíceis de sofrimento mental no passado, e quando tiveram a oportunidade, retomaram suas vidas, o convívio familiar, e até voltaram a estudar, trabalhar, tornando-se pessoas produtivas e felizes.

A chapa tá quente para geral, e o direito à saúde mental é conversa de todos e todas! Se cuide, cuide dos seus e da sua comunidade! Nos encontramos por aí!

O Guia de Saúde Mental da Maré é uma realização da Redes da Maré em parceria com a People’s Palace Projects

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade