“Mãe de favela”: o retrato das mães mareenses

Data:

Projeto de fotógrafo da Nova Holanda registra famílias da Maré e mostra a diversidade materna do território

Por Andressa Cabra Botelho, em 09/05/2021

“Um estalo do cotidiano que exala afeto, individualidade, parceria é muito amor”. É assim, de forma poética, que o fotógrafo Matheus Affonso define o ensaio fotográfico chamado Mãe de favela, projeto que visa retratar a pluralidade das mães mareenses. Pelo segundo ano, Affonso circulou por algumas favelas da Maré registrando a força do matriarcado e apresentou em seu instagram o resultado dos novos cliques.

A série “Mãe de favela” nasceu em 2019 com a proposta de retratar a diversidade do amor de uma mãe favelada. Inicialmente foram 14 mães e após publicar as fotos nas redes sociais, Affonso foi convidado pelo Eixo de Segurança Pública e Acesso à Justiça da Redes da Maré, a fazer mais duas fotos em parceria com o núcleo de mães da Maré vítimas de violência do Estado.

“A figura da mãe, a figura mulher em um espaço favelado e periférico é muito importante. A mãe é o retrato da favela, é a favela, a vida, a potência, o afeto”, observa Affonso. Na Maré, 56,2% já passou pela experiência da maternidade. Aparentemente, pessoas entre 30 e 39 anos são a maioria entre mães e pais mareenses, totalizando em mais de 19 mil pessoas com filhos nessa faixa etária, segundo o Censo Maré (2019). Esta também é a faixa etária que mais cresceu no país: de 2010 a 2019 o índice de mães entre 30 e 39 anos aumentou de 26% para 31,9% neste intervalo de tempo.

As dificuldades de maternar na pandemia

Em 2020, com a pandemia e ainda as incertezas sobre o que era a doença e os seus impactos, o projeto precisou ser interrompido, mas foi retomado em 2021 com mais 14 fotos, completando 30 fotos de mães da Maré. Diante a atual situação, foi respeitado o distanciamento social para que nem as famílias e nem o fotógrafo corressem risco durante as sessões de fotos.

Se antes a rotina já se dividia em ser mulher, mãe e dona de casa e lidar com as preocupações com a violência policial que, infelizmente, faz parte do cotidiano de quem mora nas favelas e periferias, com a pandemia essa sobrecarga aumentou ainda mais. Kelly San (30), que participou do ensaio – é um desses casos. Além de mãe do Gael (7), a mareense se desdobra entre cuidar da casa, do filho e estudar para o mestrado em Artes Visuais (UFRJ). “Encarar com esse desafio da pandemia de criar uma criança, trabalhar e estudar foi grande porque eu contava com a escola. Foi uma mudança”, conta. Com o fechamento das escolas e a migração das aulas presenciais para as virtuais, ela – assim como muitas outras mães – precisou assumir a responsabilidade de acompanhar as aulas mais de perto e pensar em atividades que distraíssem o filho, aumentando ainda mais a sua carga de trabalho.

Kelly e Gael. Foto: Matheus Affonso

A família da mestranda é uma das 28,9 milhões de famílias chefiadas por mulheres, de acordo com pesquisa de 2015 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Destas, as famílias compostas por mulheres sem companheiros – sejam elas solteiras, separadas ou viúvas – e seus filhos representam 15,3% das formações familiares. Justamente neste período, 35% das mães solo não tiveram renda suficiente para comprar alimentos e cerca de oito em cada dez tiveram a renda familiar reduzida devido ao covid-19. Projetos que fortaleceram mulheres mães neste momento foram fundamentais, como o Fundo Solidário COVID-19 para Mães das Favelas, iniciativa da Central Única das Favelas (CUFA) atendeu mães de 5 mil favelas em todo o país, por entender a necessidade de se dar esse suporte a essas mulheres. “A mãe é a que tem a maior quantidade de responsabilidade, e [com o apoio] chegando na mãe, chega em todo mundo, inclusive nos vizinhos”, observa Celso Athayde, fundador da CUFA. 

Pensando nessas questões que o fotógrafo resolveu voltar com o projeto, para, através da arte, mostrar a força da mãe de favela. Confira algumas fotos na galeria abaixo e o ensaio completo e pelo instagram @affonsodalua:

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade