Além do autismo: a vida vibrante de Daniel

Data:

Na Maré, o jovem empreendedor com autismo quebra estereótipos e inspira a favela com sua alegria, talento e sonhos

Na Maré, um lugar vibrante e cheio de histórias, encontramos Daniel Barros, um jovem de 26 anos que reina com maestria no Gato de Bonsucesso. Com um sorriso cativante e uma mente brilhante, Daniel nos mostra que o autismo não define quem ele é.

Nascido e criado na Nova Holanda, Daniel é camelô, percorre o território vendendo bolsas, chaveiros, canetas e é a prova viva de que o autismo, diferente do que é difundido, vai muito além do diagnóstico. Em entrevista ao Maré de Notícias (MN), a neuropsicóloga e diretora do Autonomia Instituto, Bárbara Calmeto afirma: “É possível promover o desenvolvimento de habilidades, a superação de obstáculos e a construção de uma vida plena e significativa para os indivíduos autistas.”

Segundo a neuropsicóloga, assim como Daniel, pessoas com TEA possuem diferentes habilidades e capacidades de aprendizado e desmistifica alguns dos principais imaginários em torno do assunto: “Temos muitos mitos, como por exemplo de que autistas não conseguem fazer nada, que não conseguem aprender ou que são mega inteligentes e isso não é verdade. Muitos deles estão relacionados principalmente ao estereótipo da pessoa com autismo criado pela televisão, filmes e novelas”, explica.

Tratamento individualizado e apoio essencial

O comerciante conta que foi diagnosticado ainda criança, mas encontrava dificuldade no tratamento na época. Atualmente, ele é acompanhado pelo CAPS – Centro de Atenção Psicossocial Carlos Augusto da Silva (Magal) em Manguinhos.

O tratamento deve ser direcionado às necessidades específicas de cada indivíduo, considerando déficits, habilidades e as terapias que devem abordar diferentes áreas. Bárbara Calmeto enfatiza a importância de uma avaliação singular para cada paciente: “Questões emocionais, sociais, afetivas, profissionais e comportamentais são importantes ao compreender os desafios e as características do autismo”, ressalta.

O apoio da família e da comunidade é essencial para o sucesso do tratamento e para a inclusão social da pessoa com autismo. Daniel relata que foi abraçado por uma parte fundamental da cultura da Maré, o samba: “Eu entrei no Gato de Bonsucesso em 2006, quando eu era pequeno. Entrei no ônibus que estava parado e saí junto com as crianças. Era pra ser. Teve desfile do Gato na mesma semana e eles foram lá em casa pedir pra eu participar e tô lá até hoje. Fui mestre-sala das crianças, miúdo e agora sou rei”, diz.

Longe do estereótipo, ele vive de forma leve, fala sobre seus desejos e mostra que sabe bem os problemas sociais enfrentados na favela: “Era meu sonho ser deputado estadual desde pequenininho, porque é para ajudar as pessoas, para lutar pelos nossos direitos e fazer a diferença. Lutar pela história que a história não conta”, diz.

O sambista afirma que é uma pessoa feliz e que seu maior desejo é que as pessoas o enxerguem como ele é: “Eu não gosto de botar o símbolo, não, porque as pessoas têm que respeitar a gente da forma que é, não por causa do cordãozinho. Eu sou assim e não devia precisar disso para mostrar respeito”, ressalta. 

A sociedade precisa refletir e ouvir pessoas com TEA. Para hoje, fica o incentivo de lembrar do Daniel, o rei do Gato de Bonsucesso, e aprender que o autismo não é uma limitação.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17