Maré comemora 27 anos como bairro em reunião com presidentes de associações

Data:

Encontro teve participação com subprefeito para expressar demandas dos moradores 

Por Hélio Euclides, em 22/01/2021 às 13h 

Editado por Edu Carvalho

Na última terça, dia 19, a Maré comemorou 27 anos de reconhecimento histórico como bairro. Neste dia, presidentes de associações e representantes do Eixo de Desenvolvimento Territorial da Redes da Maré se reuniram com Diego Vaz, subprefeito da Zona Norte, para mostrar ao representante da Prefeitura as demandas do território. O encontro realizado no Galpão Ritma, no Parque Maré, marcou a primeira reunião do Fórum das Associações de Moradores da Maré em 2021. 

As lideranças das favelas que compõem a Maré aproveitaram o espaço para um desabafo sobre a gestão passada e mostrar as necessidades do bairro. Estiveram presentes representantes da Praia de Ramos/Roquete Pinto, Marcílio Dias, Vila do João, Rubens Vaz, Nova Holanda, Morro do Timbau, Vila dos Pinheiros/Salsa e Merengue, Nova Maré, Parque Ecológico, Conjunto Esperança, Parque União e Baixa do Sapateiro.

Subprefeito Diego Vaz e presidentes das associaçõoes de moradores. Foto Matheus Affonso

Os problemas mais mencionados na reunião estavam relacionados a importância do Projeto Gari Comunitário, o cuidado com a iluminação pública, a atenção com os pescadores, a coleta domiciliar, a conservação do Parque Ecológico, reparos nas unidades de saúde e escolas, falta de capinagem em diversos lugares, recapeamento dos asfaltos, limpeza dos valões, perigo de enchentes e reforma em áreas de esporte e lazer. Os presidentes também pediram o tratamento igualitário a bairros próximos como Bonsucesso e Ramos, por parte da Prefeitura. 

O subprefeito disse que as pastas de Conservação, iluminação, águas pluviais e limpeza urbana fazem parte do seu trabalho. Já as outras questões vão ser levadas a cada secretaria específica. “Vamos ter uma dificuldade da falta de recurso, pois temos que pagar primeiro as dívidas. Peço compreensão, pois esses dois anos serão para resolver as emergências. A ajuda das lideranças das associações é primordial, por conhecerem bem o território”, diz Vaz. Andreia Martins, diretora da Redes da Maré, lembrou que 2020 foi um ano de dificuldades e que 2021 não vai ser fácil. “Acreditamos que o diálogo é fundamental. Para isso, é preciso ocorrer reuniões durante o ano com os secretários para se resolver as demandas de cada pasta na Maré”, comentou. 

Reunião contou com a presença de líderes locais. Foto: Matheus Affonso

Ao final, Vaz falou ao Maré de Notícias. “É preciso recuperar os serviços básicos, que estão abandonados. Primeiro temos que arrumar a casa. Não se pode faltar vassoura e carrinho para o gari comunitário em Marcílio Dias. Com o tempo teremos mais reuniões com as lideranças para construir projetos que possam mudar as vidas das pessoas, como valorizar o gari e o eletricista comunitário, criar projetos de esportes, avançar em espaços de atendimento às mulheres e potenciar as hortas cariocas. O nosso trabalho também é ser uma ponte com as secretarias para atuação no território”, conclui Diego. Ele adiantou que até o final do mês haverá a apresentação do novo coordenador da 30ª Região Administrativa. 

A conclusão da reunião foi o encaminhamento do próximo passo, que será a atualização de uma carta feita pelos presidentes das associações, para ser entregue à subprefeitura, no final do mês de fevereiro.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

‘Não há uma política de reparação aos familiares e vítimas de violência do Estado’, diz Mãe de Marielle em entrevista

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade