Modelo Fanny mostra todo o charme da mulher plus size na passarela

Foto: Arquivo Pessoal

Modelo Fanny mostra todo o charme da mulher plus size na passarela

Fanny Souza, moradora da Vila dos Pinheiros mostra que o importante é amar a si próprio e seu corpo

Por Hélio Euclides, em 14/12/2021 às 10h. Editado por Edu Carvalho

O mercado de vestuário para tamanhos acima do 46 teve crescimento de 8% em 2018, segundo dados da Associação Brasileira de Plus Size. Stefany Souza, de 23 anos, moradora da Vila dos Pinheiros, percebeu o bom do setor da economia e resolveu se dedicar às passarelas dos concursos de beleza, tornando-se uma modelo plus size. Ela mostra que uma mulher fora dos padrões pode se empoderar e se amar, revelando que há uma extensa diversidade de corpos e possibilidades.

Nas passarelas, ela é conhecida como Fanny Souza. Na vida real, é uma mulher considerada “fora dos padrões” pelo peso, a mareense não se deixou levar pelos comentários e resolveu buscar seu lugar no mundo plus size. “Achava as modelos lindas, porém sempre me escondia um pouco. Comecei a gravar vídeos dançando no aplicativo Tik Tok e fui ganhando alguns seguidores e elogios”, diz. Foi assim que entrou para o mundo dos concursos.

O primeiro concurso foi o Miss Garota Plus Size, no qual ficou em terceiro lugar, ganhando um ensaio fotográfico profissional. A partir do ensaio, se renovou e foi com tudo para as passarelas. Participou do projeto @musaevolucaoplussizerj e depois do evento @bazarfloracruz, na quadra da Império Serrano, recebendo o título de primeiro lugar. “Confesso que sempre dá um frio na barriga, respiro fundo e desfilo como a menina mulher que sou, divertida, brincalhona, sorridente e cheia de caras e bocas. Talvez seja esse carisma que transborda na passarela e encanta os jurados”, comenta.

A modelo que supera o padrão

Os dados da Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2019, mostraram que a proporção de obesos na população acima de 20 anos mais que dobrou no país entre 2003 e 2019, passando de 12,2% para 26,8%. Nesse período, a obesidade feminina subiu de 14,5% para 30,2%, enquanto a obesidade masculina passou de 9,6% para 22,8%. A amostragem da pesquisa envolveu 108 mil domicílios no Brasil. O Índice de Massa Corporal (IMC) é utilizado para saber se uma pessoa se encontra no peso ideal. O cálculo é feito dividindo o peso pela altura ao quadrado. Com o resultado final acima de 25,0 a pessoa se encontra acima do peso.

“Jamais irei romantizar a obesidade. É uma doença sim e temos que nos cuidar. Mas essa barreira que colocam de que uma pode e outra não, pelo tom da pele ou pelo seu biótipo, é desnecessária. Confesso que eu amo comer! Porém sempre tomo um detox, faço aulas on-line de zumba. Minha família tem doenças crônicas e infelizmente eu adquiri pressão alta após meu parto, então tenho receio de adquirir diabetes”, destaca a modelo de 1,83 de altura, com numeração 58 de vestuário, mas que não revela o peso.

Além de modelo, Fanny é massoterapeuta e agora vai se aventurar pelo mundo do samba. Recentemente ela foi eleita a Miss Plus do Bloco Relaxa Que Dói Menos, da Maré. “Acho que essa é a oportunidade na comunidade das mulheres fora do padrão serem representadas e se inspirarem em mim”, expõe. A modelo reclama que no território é difícil encontrar lojas com tamanho extragrande, só indo até uma numeração padrão, deixando as mulheres com numeração acima de 56 sem um look da moda.

Se encontrar fora da numeração que a sociedade define como padrão é uma barreira que precisa ser superada todos os dias. “É um pouco difícil ser uma mulher gorda e estar nesse processo de uma carreira que, para algumas pessoas, só as magras estão aptas a seguir. Por isso, tento não me deixar entristecer com algumas palavras maldosas”, conta. Ela revela que até dentro dos concursos há dificuldades, como concorrer com mulheres do biótipo magro, na numeração 44, algo que a deixa um pouco desconfortável. “Causa um pequeno desconforto, porém, sempre com minha autoestima elevada e amando a experiência, eu me surpreendo comigo mesma a cada desfile”, explica.

Foto: Arquivo pessoal

Para fortalecer sua caminhada, sua mãe sempre a incentiva e vai em todos os desfiles. “Minha maior inspiração é minha mãe, mulher guerreira e de pulso firme. Além de mãe e filha, somos melhores amigas. Ela é minha pitbull”, lembra. Fanny também tem apoio do pai do seu filho, que está sempre presente e ajuda na divulgação das redes sociais. No mundo das famosa, a modelo plus size da Maré se espelha na bailarina Thais Carla, na cantora Jojo Todynho e na influenciadora digital Flora Cruz.

Para 2022, Fanny pretende fazer parcerias, realizar ensaios fotográficos e levar o nome da Maré para outros lugares. Ela fez um workshop de passarela e pretende fazer também um de poses para os ensaios. Para as mulheres da Maré, ela manda um recado. “Estamos nos empoderando e mostrando a diversidade de corpos para que o processo de aceitação seja contínuo. Sejam livres, leves e soltas. Tirem os padrões de beleza do seu corpo e seja sua própria inspiração”, conclui. Para quem deseja conhecer mais Fanny Souza, é só seguir no Instagram: @Fanny_plussize.

Se você encontrou um erro de ortografia, notifique-nos por favor, selecionando o texto e pressionar Ctrl + Enter.

Hélio Euclides

Artigos relacionados

4 Comments

  • Linda Maravilhosa

  • Parabéns! Minha musa fico muito feliz com o seu progresso.

  • Parabéns Fanny Vencer na vida é transformar sofrimento em aprendizado nunca desistir por maiores que sejam as quedas.
    Quando subimos na escada da vida usamos degraus. Cada um deles nós ajudou. Portanto, nenhum deve ser esquecido. Projeto : O Glamour da Favela

  • Meu Curso de passarela foi Feito com a maravilhosa Professora Chellem Verlink no Projeto O Glamour Da Favela. Obrigado a todos que acreditam no meu potencial .

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Obrigado!

Nossos editores são notificados.