A mulher no esporte

Data:

Direitos iguais para o lazer

Hélio Euclides

“Homem fazendo pole dance é igual mulher jogando futebol, não tem graça”, disse Arnaldo Saccomani. “Também não acho graça na mulher jogando bola, pois futebol é muito bruto, respondeu o apresentador Carlos Massa. Essa foi a conversa ocorrida no Programa do Ratinho, de 30 de outubro, em rede nacional. Esse caso mostra que, em pleno 2017, a mulher ainda precisa conquistar o seu espaço na sociedade. Uma dessas áreas, na qual a mulher sofre muito preconceito, é o esporte, principalmente o futebol. Ele se evidencia na falta de investimento, nos estigmas e na seriedade com que tratam esses segmentos.

Partidas de futebol feminino animam a praça da Nova Holanda nas noites de segundas e quartas | Foto: Douglas Lopes

Alexandre Pichetti, popular Pichetti, professor de futebol, relata que sua escolinha feminina terminou, porque as meninas casaram e saíram.

Entende que possa ter falta de apoio dos companheiros, algo que as desmotiva. No mundo masculino acontece o contrário, o homem, mesmo casado, não abandona as “peladas”. Alessandra Antunes, de 33 anos, joga futebol desde os 20, hoje bate-bola numa quadra da Nova Holanda. A jogadora lembra que, no início do casamento, seu marido não gostava. “Ele me conheceu jogando, então aceitou. Aqui na favela há discriminação e já ouvimos muitas gracinhas e críticas, mas o que fica são os elogios. Se não fosse o preconceito, o futebol feminino estaria lá em cima. Queremos ser valorizadas, aqui e em outros lugares. Desejamos a igualdade, somos capazes. O futebol não foi feito só para os homens”, destaca.

Alessandra tem o mesmo sobrenome do craque Zico e, na quadra, se inspira em Marta e companhia. Ela jogou na Portuguesa e no São Cristóvão, mas se sente realizada tocando bola na comunidade onde mora. “Apesar de tudo, nunca deixei de ser do futebol feminino na Nova Holanda, sou uma das antigas. Futebol é o esporte que gosto”, revela ela, que tem duas filhas e uma neta. A mais antiga da escolinha é Jaqueline Conceição, de 46 anos, que não pretende parar. “Quando novinha, joguei no Bonsucesso. Depois vim para cá, onde jogo até hoje, porque tenho garra e distrai a mente”, afirma. Ela também relata discriminação. “Existe o preconceito, nos chamam de homossexual, mas nunca esquentei. O que precisamos é de apoio, pois faltam coletes, caneleiras, bola, meiões, chuteiras e protetores para os seios”, reclama.

O professor dessa turma de 40 meninas adultas e 12 adolescentes é Flávio Luiz dos Santos, que credita à escolinha Vida em Excelência o título de escola de futebol feminino mais antiga, com 26 anos. “Tem escolinha feminina que acaba, porque não tem raiz. Eu vejo o dia a dia das atletas, entendo elas, pois umas são casadas e chefes de família. Trabalhei 17 anos na Vila Olímpica, onde aprendi o que ensino. Também fiz curso de primeiros socorros, por isso sei que se estão com febre, não podem jogar para evitar uma convulsão”, detalha. Ele, igualmente à aluna, reclama da falta de recursos. “Não cobro taxa. Por outro lado, não tenho dinheiro, e não é difícil ver algumas jogando descalças. Aqui só tem uma bola, se furar vai dar ruim”, confessa. Para manter a escolinha e sobreviver, Flávio atua no ramo de som para festa. “Fiz prova para salva-vidas e passei, só não segui carreira para não deixar a escolinha”, desabafa. “Quando jogo, me sinto melhor, não tem como explicar a sensação. Uma pena que no Brasil, para ser profissional, é preciso ter sorte e conhecimento. Se fôssemos homens, teríamos mais espaço e oportunidades”, diz Joelle Pereira de Azevedo, que conheceu a companheira no campo e elas só ficam separadas quando disputam a bola. “Sonho em ser jogadora, receberia até salário mínimo. Aqui no Brasil falta espaço”, diz Carolaine Ferreira Scola.

 

Mulheres do Projeto Destemidas em ação. A iniciativa prevê fortalecer a imagem feminina, para desconstruir o estereótipo da mulher frágil e submissa | Foto: Douglas Lopes

As Destemidas correm na frente

Um encontro entre a jornalista Carol Barcellos e a instituição Luta Pela Paz proporcionou o nascimento do projeto-piloto Destemidas. Com essa união, foi possível implementar esse projeto de corrida, que tem como objetivo fortalecer a imagem feminina e diminuir a desigualdade de gênero, visando desconstruir o estereótipo da mulher frágil e submissa existente em nossa sociedade. Além da promoção da prática esportiva, o projeto procura trabalhar questões de gênero, com palestras sobre direitos sexuais e reprodutivos, preconceito, mercado de trabalho e violência contra a mulher.

O projeto reúne preparador físico, nutricionista, psicólogo e ortopedista. São 30 atletas, de 14 a 29 anos, que são preparadas para um alto rendimento específico para corridas profissionais. “Os treinos são no Luta pela Paz, Vila Olímpica e Marina da Glória. Uma pena que falta área de lazer na Maré, para a prática de corrida”, lamenta Ana Caroline Belo, coordenadora do Projeto Atletas da Paz.

“Antes, não corria, pois pratico judô e tinha medo de desgastar o joelho. Tive o incentivo e saí da zona de conforto. Hoje percebo que a corrida melhorou o meu desempenho, e já fui campeã de judô”, avalia Raissa Souza de Lima, de 21 anos, aluna e estagiária. Ela conta que há encontros mensais com a Carol, num ambiente de amizade. “É um mito que muitas mulheres juntas só fazem fofoca. Aqui se tornou um grupo de amigas, que incentiva uma a outra”, avalia. “Somos destemidas, mulheres fortes, que enfrentam provas que nos inspiram, o que mostra que nunca é tarde para superar os obstáculos e as dificuldades do corpo, o importante é o esforço, afirma Gabriela de Souza Vidal, de 18 anos que, além da corrida, é aluna de Muay Thai.

 

Uma regra para a harmonia

A Vila Olímpica da Maré também tem o seu futebol feminino, que foi possível pela parceria com a Fundação FC Barcelona. Ele começou em 2014, com o projeto FutbolNet, que não trabalha só o ponto de vista técnico, mas inclui o aspecto social. O vencedor não é escolhido pelo alto rendimento e, sim, por critérios socioeducativos. Na Maré, são sete pessoas na equipe, três professores, um estagiário, dois jovens aprendizes, um coordenador administrativo e um coordenador metodológico.

“O objetivo é a integração para trabalhar juntos. Para isso, usamos os cinco valores que o Barcelona utiliza: respeito, trabalho em equipe, humildade, esforço e superação. Discutimos a questão de gênero e resolução de conflitos, por meio do diálogo. O foco, aqui na Maré, é a diminuição da violência”, expõe Rayana Santuchi, professora e assessora metodológica. No projeto, as alunas ainda praticam outros esportes, como natação, rugby e ginástica olímpica.

Antes de tudo, as alunas escolhem regras que facilitam o jogo, deixam a partida mais justa e mais limpa. Se cria uma autonomia. Não há árbitro e, sim mediadores, que fiscalizam as regras que elas criaram. A partida é realizada em três tempos: diálogo, reflexão e uma visão de todos. “Ao final, não vale só a pontuação, mas a soma do respeito e das regras. Quem tem valores é quem ganha, uma relação do jogar com a vida”, observa Juliana Lima, estagiária.

Camila Crispin, de 16 anos, é aluna, e resume o projeto com a palavra respeito. “Na minha casa sempre havia agressão. Agora vejo as coisas e não quero discutir, aprendi a ouvir. No campo, antes, segurava muito a bola, agora trabalho em equipe. Eu competia e vivia estressada, agora me divirto”, admite. As aulas acontecem de terça a sábado, mas o treino feminino ocorre nas quartas e sextas, às 16 horas. Ainda são poucas meninas, apenas dez, então é necessário fazer um misto”.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Saiba quem são os ganhadores do Comida de Favela

Além dos ganhadores do Comida de Favela três comérciantes ganharam uma menção honrosa pelo trabalho que realizam em seus estabelecimentos

Semana dos Direitos Humanos na Maré começa nesta segunda (4), confira programação

Segundo ano Semana dos Direitos Humanos terá 6 dias de atividades

Encerramento do Festival Comida de Favela acontece neste sábado (2)

Entre maio e junho de 2023, 110 bares e restaurantes se inscreveram para a primeira fase do festival que selecionou 17

Pesquisa Respira Maré avalia urgência de políticas públicas para redução de riscos climáticos

Pesquisa Respira Maré apresenta diagnóstico do ar e a presença de ilhas de calor no território.