Nova Casa Movimentos é inaugurada no Parque União

Data:

Espaço da organização que discute outras possibilidades para a atual política de drogas do país irá acolher a equipe e será um local estratégico para fortalecimento de redes  

Por Jéssica Pires, em 11/05/2022 às 13h50 . Editado por Edu Carvalho.

Nada sobre nós sem nós”. Esse é um dos valores que norteiam as ações e projetos do Movimentos: drogas, juventude e favela. A organização nasceu da necessidade de fazer ouvir o debate sobre política de drogas por meio da narrativa de jovens de favelas e periferias e já tem seis anos de atuação. Atualmente, oito jovens de diferentes favelas da cidade trabalham em ações de pesquisa, comunicação, educação e mobilização em torno do fortalecimento do conceito da redução de danos no uso de drogas, saúde mental e também a importante reflexão sobre alternativas à guerra às drogas a partir da perspectiva das favelas e periferias.

Em 2019, o grupo sentiu a necessidade de ter um espaço próprio para o desenvolvimento das atividades. Por meio de uma vaquinha online arrecadaram recursos para que a criação da Casa Movimentos fosse possível. Porém, com o tempo e a necessidade de ampliar as ações demandou um espaço maior. No último sábado, o grupo inaugurou a nova casa, com salas que abrigam a rotina de trabalho da organização e pretende acolher organizações e coletivos parceiros que não tenham sede, além de fortalecer processos de formação. “A nova Casa Movimentos vai cumprir os mesmos papéis da primeira casa, só que melhorado. A ideia é que seja a base de trabalho da equipe Movimentos para o trampo do dia a dia e também para as muitas ações que fazemos, como a residência, podcast, reuniões entre outros”, comenta Jéssica Souto, coordenadora geral do Movimentos, estudante de arquitetura e urbanismo e videomaker.

Homenagens

Subindo as escadas da casa de três andares localizada no Parque União, é possível conferir fotos de fotógrafas e fotógrafos populares de diversas favelas. O nome da galeria é Bira Carvalho, uma homenagem importante para um grande mestre da fotografia popular, responsável por processos de formação de jovens que hoje compõe o Movimentos e também outros coletivos e organizações da Maré.

Uma novidade que vem com esse espaço é a Laje Cultural Cadu Barcellos, que tem o objetivo de ser um lugar que respira arte periférica, ponto de encontro das juventudes e de acolhimento e cuidado, fortalece Jéssica. Cadu Barcellos, jovem cineasta mareense também foi um grande impulsionador de jovens que hoje são lideranças na Maré.

Encontros 

O evento de lançamento da Casa contou com apresentações de Slam, poesia, performances e DJ e reuniu na Laje Cultural Cadu Barcellos cerca de 200 jovens. MC Martina, MC Zuleide, Evy Souza, Dudu Neves, DJ Renan Valle, PH Gang e a Roda Cultural do Parque União foram as atrações da noite. “Por maiores que fossem nossas expectativas não imaginamos que tudo seria tão lindo e orgânico. O sentimento que fica é de gratidão mas também de responsabilidade. Ter a favela em peso, em toda sua pluralidade ocupando esse lugar quer dizer que estamos no movimento certo em direção ao nosso povo, e com isso vem a grande responsabilidade de não se desviar desse caminho. Fazer com que o nós por nós seja na prática é a nossa missão”, compartilha Jéssica.

Evento contou com apresentações de artistas periféricos, como MC Martina e MC Renan Valle. Foto: Suzane Santos.

Por que uma nova política de drogas é urgente?

O número de mortes em intervenções policiais no Brasil chegou a 6416 em 2020. E sabemos que deste número, a maioria é de jovens. Já uma pesquisa divulgada em 2021 pela Global Drug Policy Index, avaliou o Brasil com a pior política de drogas entre 30 países. Pesquisas, organizações da sociedade civil e experiências de outros países evidenciam o quanto a guerra às drogas no Brasil não tem sido eficiente. Há mais violência nos territórios que são criminalizados pelo Estado e danos para a população mais pobre e majoritariamente negra. Para o Movimentos o protagonismo da juventude negra e de favela nesse debate e proposição de estratégias é urgente. “Vamos seguir firmes na luta contra o racismo estrutural e estruturante que coloca a favela como alvo e ignora todas as nossas potencialidades”, conclui a coordenadora da organização. 

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17