P.U recebe telão de cinema para exibição de curta-metragem

Data:

A atividade marca o encerramento da primeira edição do Mostra CineBELA Migrações Periféricas

Redação

A primeira edição da Mostra CineBELA Migrações Periféricas chega à sessão final nesta quinta-feira (6), a partir das 18 horas, na Praça do Parque União, no Conjunto de Favelas da Maré. A ação celebra o cinema brasileiro e propôs debater por meio do audiovisual as vivências de pessoas que passaram por movimentos migratórios em diversas periferias do mundo, dialogando com o cotidiano do Rio de Janeiro.

A sessão de encerramento será marcada pela exibição do curta-metragem “Novo Rio”, do diretor Lorran Dias, e na sequência o público vai conferir o longa “A cidade é uma só?’, de Adirley Queirós. A Mostra tem entrada gratuita e a classificação é livre.

Anna Luísa, coordenadora do Programa Educativo do Galpão Bela Maré, afirma que a expectativa é grande para movimentar as ruas e reunir a população da Maré no território com sessão gratuita de cinema com direito a pipoca e refrigerante:

“A expectativa de todos aqui é muito boa, porque já existe o CineBela como um cineclube, onde sempre realizamos sessões em nosso espaço, e em praças e outros espaços públicos. E a última realizada na Praça do Parque União foi um sucesso. Então a gente aguarda que o público prestigie novamente, em grande número. Além da exibição dos filmes, vamos ter um bate-papo com o Lorran Dias, diretor do curta Novo Rio. E vai ter muita pipoca e refrigerante de graça para todo mundo”, conta animada.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade