‘Pink money’ e o mercado LGBTQIAP+ nas favelas

Data:

Potencial econômico é subaproveitado devido a falta de dados e ao racismo

Maré de Notícias #156 – janeiro de 2024. Edição especial resultado do projeto Cores Marés, apoiado pelo Fundo Positivo.

Juliana Neris

Por que optar por uma marca que não reconhece sua identidade? O pink money, expressão utilizada para descrever o poder de compra da comunidade LGBTQIAPN+, tem se tornado alvo das estratégias comerciais de empresas em busca de lucro por meio da inclusão. No entanto, é importante perguntar: por que essas marcas estão tão distantes dos territórios das favelas?

Maior renda

De acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019, o Brasil contava com uma população de 2,9 milhões de pessoas com 18 anos ou mais que se autodeclaravam gays, lésbicas ou bissexuais. Essa pesquisa revelou outro dado importante: enquanto a renda per capita brasileira alcançava aproximadamente R$ 1.500,00 mensais, nos lares homoafetivos, essa média saltava para R$ 3.500,00.

O diferencial de renda familiar maior e estruturas familiares menores, proporcionam aos casais homoafetivos um consumo diferenciado. Estudos indicam que não apenas os casais, mas todo o público LGBTQIAP+ consome mais produtos de luxo, artigos de design, moda e realiza viagens quatro vezes mais do que a média da população brasileira.

Essa população também tende a gastar mais com cultura, arte, lazer, entretenimento e vida noturna. Suas escolhas de locais, porém, é influenciada pela necessidade de espaços respeitosos, acolhedores e livres de qualquer tipo de opressões.

É nesse contexto que muitas empresas miram no pink money, desenvolvendo produtos e serviços direcionados especificamente para esse público. No entanto, apesar das projeções indicarem que o mercado LGBTQIAP+ no Brasil movimenta cerca de 300 bilhões de reais, há uma carência significativa de dados sobre os LGBTQIAP+ que residem em favelas.

Diversidade favelada

Conhecida como um reduto diversificado para a comunidade LGBTQIAP+, a Maré não é apenas um espaço habitado por pessoas diversas, mas também abriga uma cultura vibrante, repleta de suas próprias demandas e características singulares. Além disso, o conjunto se destaca como palco de eventos significativos para a comunidade, incluindo paradas LGBTs, bares exclusivos e a icônica Noite das Estrelas. 

O Noite das Estrelas foi uma série de shows ocorridos na Maré durante as décadas de 1980 e 1990. Esses eventos eram protagonizados por uma mistura cativante de mulheres transexuais e heterossexuais, travestis, homens cis gays e mulheres lésbicas. Inicialmente realizadas em lajes, festas em casas e encontros informais da comunidade LGBTQIAP+, essas apresentações ganharam destaque e tomaram as ruas da Maré, tornando-se símbolos icônicos da região.

Durante os domingos de julho de 2023, a Nova Holanda foi agitada pela Ocupação Noite das Estrelas, revivendo e homenageando o antigo espetáculo. Esse evento foi idealizado por Wallace Lino, diretor, ator, roteirista, dramaturgo, pesquisador e fundador do Entidade Maré, em colaboração com seu irmão Paulo Victor Lino.

O Entidade Maré foi criado em 2020, reunindo artistas LGBTQIAP+ da Maré, com o propósito de preservar a memória cultural dessa comunidade dentro deste território e na cidade. O projeto é um esforço colaborativo, que envolve diversos artistas e técnicos em cada uma de suas ações.

Perguntado sobre o que ele acha do pink money, Walace diz que o discurso não acompanha a prática.

“É o discurso de um país que tem toda a sua economia e toda sua gestão geopolítica voltada a um sistema escravocrata e quando a gente vai ver o desdobramento, ele não está desassociado da criação de ficções. Na colonização existia uma ficção e que era sustentada a partir da ideia que negros eram inferiores a brancos. E quando a gente transfere para a ideia do pink money, é justamente uma ficção plantada de que existe uma absorção da pauta, da existência e das narrativas LGBTs. O pink money não fala pela economia que é gerada pelas LGBTs pretas.” 

Ainda sobre a ausência de marcas na Maré e o afastamento das gays faveladas, o diretor considera que se trata mais uma vez da influência do racismo, uma vez que “a ausência reafirma que aqui é um lugar perigoso e que os corpos daqui, não são corpos para serem estampados para fora dos noticiários policiais.”

Apesar do sucesso da Ocupação Noite das Estrelas, o diretor conta que está tendo dificuldades para remontar o espetáculo em outros espaços e conseguir financiamento. 

“A gente já se inscreveu em 9 editais e não ganhamos nenhum. O que nós recebemos até agora foram propostas de participações em festivais e participamos de todos que fomos convidados. Tudo que foi fora da favela, a gente foi convidado, porém nunca ninguém teve dinheiro para pagar um dia de apresentação com o elenco inteiro, por exemplo.”

Favela consumidora

Segundo um estudo da Outdoor Social, no Brasil existem aproximadamente 6.329 favelas, com uma população de 11,3 milhões de habitantes e uma renda média familiar de R$ 3.000,00, que consomem cerca de R$ 167 bilhões anualmente.

Nas 16 favelas que compõem a Maré, habitadas por mais de 140 mil pessoas, cerca de 3 mil empreendimentos sustentam a economia local. Essas iniciativas são responsáveis pela criação de mais de 9.000 postos de trabalho para residentes locais e de outras regiões, como revelado pelo Censo de Empreendimentos Econômicos da Maré. No entanto, é essencial apontar que entre esses dados coletados não fazem recorte à comunidade LGBTQIAP+.

Esta lacuna nos dados evidencia a invisibilidade persistente das narrativas e empreendimentos LGBTQIAP+, levantando questões sobre a ausência de políticas de apoio voltadas não apenas para a vida, mas também para o sustento dessa comunidade, que muitas vezes enxergam no empreendedorismo sua principal alternativa de sobrevivência.

Perda de oportunidades

Entre consumo, mobilidade e status social, onde o lema “compro, logo existo” ecoa especialmente entre os mais jovens, é importante reexaminar e redefinir paradigmas estabelecidos. Surge uma contradição marcante quando estratégias comerciais exploram a identidade LGBTQIAP+ sem um compromisso genuíno com a igualdade e a diversidade territorial.

É nesse embate que se revela a lacuna entre empresas interessadas apenas em lucrar e aquelas verdadeiramente engajadas na promoção da inclusão e respeito. Ao falharem nesse engajamento autêntico, essas empresas perdem não somente a oportunidade de se conectar com a comunidade LGBTQIAP+, mas também deixam escapar a oportunidade de compreender o que essa comunidade tem de mais valioso a oferecer.

Para além da equidade e do respeito, o conjunto de favelas da Maré é um caldeirão borbulhante de criatividade, genialidade, economia criativa, cultura popular, inovação, tecnologia, memória, juventude, afeto e acolhimento. É preciso apostar na favela, mais especificamente na cultura LGBTQIAP+ favelada.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade