Chuva no RJ deixa desabrigados e mortos, campanhas tentam minimizar os impactos

Data:

As regiões mais afetadas são a Zona Norte da capital e a Baixada Fluminense

As fortes chuvas neste final de semana no Rio de Janeiro deixaram pelo menos 12 pessoas mortas e duas desaparecidas. As regiões mais afetadas ficam na Zona Norte da cidade e na Baixada Fluminense. Diante da calamidade, ações de solidariedade buscam ajudar os moradores.

Em Acari (bairro da capital), na região conhecida como Parmalat, cerca de 30 mil moradores foram impactados pelos estragos causados pela chuva, segundo o Voz das Comunidades. A chuva alagou também o estacionamento do Hospital Ronaldo Gazolla, localizado no mesmo bairro. Na Baixada, o bairro Amapá, de Duque de Caxias, permanece alagado devido ao Rio Capivari que transbordou e atingiu a região. 

Já leu estas?

As mortes foram causadas por afogamento, descarga elétrica e soterramento. Um homem e uma mulher seguem desaparecidos. Os bombeiros seguem realizando buscas para localizá-los. Outras localidades também foram alagadas em Jardim América, Anchieta, Tijuca, O prefeito Eduardo Paes decretou situação de emergência. Esta tarde ainda há previsão de chuva.

Em solidariedade instituições da Maré arrecadam doações para outras favelas da cidade.  

Onde Doar na Maré

O Centro de Saúde Municipal da Vila do João está arrecadando doações de alimentos não perecíveis, roupas de cama e produtos de higiene pessoal. A ONG Maré Sem Preconceitos em parceria com Maré ta On está realizando desde ontem uma ação de apoio às pessoas afetadas na região de Acari. Roupas e alimentos estão sendo recebidos nas sedes localizadas na Via B9 – sem número, na antiga Marco Vip. A Maré Tá On tem sede localizada na Quadra da Vila do João e no antigo DPO do Morro do Timbau.

O Voz das Comunidades está recebendo  doações em dinheiro pela chave pix da instituição. Em parceria com a Câmara Municipal do Rio de Janeiro, a instituição também está recebendo doações de roupas, alimentos e água no Palácio Pedro Ernesto – Cinelândia.  

Ações solidárias

Igrejas, ONGs e pessoas que não representam instituições estão fazendo campanhas para arrecadar doações de roupas e sapatos, água, alimentos não perecíveis, produtos de higiene pessoal e de limpeza. A Cruz Vermelha do Brasileira, rede de ajuda humanitária, recebe além desses materiais, alimentos para cães e gatos, leite em pó e fraldas infantis e geriátricas. A sede fica localizada na Avenida Henrique Valadares, 114 no Centro do Rio de Janeiro e o telefone para contato é o (21) 99766-4989.

Racismo Ambiental

A Maré também sofreu com alagamentos, sem registros de casas alagadas. Vale chamar a atenção para a rapidez com que a água alaga ruas aqui do bairro. Na sexta-feira, em menos de uma hora de chuva foi possível registrar pontos alagados. 

Racismo ambiental é um assunto que ficou em alta devido às fortes chuvas. A Ministra  da Igualdade  Racial, Anielle Franco atribuiu os estragos causados pela chuva ao racismo ambiental e climático, em um vídeo publicado em suas redes sociais. Ela explica “Qual é a cor das pessoas que moram nos bairros e periferias que não tem árvores como sistema de escoamento de chuva, saneamento precário e moradia que não é digna?” questiona. A ministra afirma que o Governo Federal e poderes locais estão atuando também nos locais para reduzir os danos. 

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Festas juninas colorem as ruas da Maré e marcam a vida dos moradores

Festas juninas celebram a cultura do nordeste e a fé popular no território composto por 25% de nordestinos e quase 48% de autodeclarados católicos.

Entenda o Projeto de Lei que equipara aborto em casos de estupro a homicídio 

O Projeto de Lei 1904/2024, chamado de “PL da Gravidez Infantil” ou “PL do Aborto”, equipara o aborto após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio, criminalizando mulheres e profissionais de saúde envolvidos no procedimento.