Por uma favela mais verde

Data:

Iniciativa de plantio de mudas para a urbanização da Vila do João

Maré de Notícias #109 – fevereiro de 2020

Hélio Euclides

A Rio-92 [ou ECO-92] foi a Conferência da Organização das Nações Unidas sobre “ambiente e desenvolvimento”, que mobilizou o mundo pelas questões sociais e ambientais. O encontro reuniu líderes mundiais que fizeram diversas promessas de preservação do Planeta e conscientizou a sociedade civil para o papel de cada um no cuidado da natureza. Partindo da ideia de levar verde onde só tem cimento, a Associação de Moradores da Vila do João vem plantando mudas em espaços da favela e grafitando os muros próximos. Essa iniciativa de urbanização do espaço público já chama a atenção de quem passa pelas calçadas.

O objetivo, com o plantio, é trazer mais qualidade de vida para os moradores e para quem passa pelas futuras árvores. Para aprofundar essa ideia, a Associação teve a parceria da advogada especializada em direito e gestão ambiental, Cristina Luz, e assim foi idealizado o projeto socioambiental “Viver com Mais Verde”. Ela conta que: “Além do plantio, o projeto contempla ações de reciclagem, gerenciamento de resíduos sólidos e educação ambiental.” Outras parcerias foram estabelecidas com a NHJ do Brasil Container, que doou anéis de concreto e ofereceu mão de obra, e a Fundação Parques e Jardins, subordinada à Secretaria de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos, que contribuiu com 35 mudas que foram plantadas.

“Onde plantamos, na saída da favela, era uma lixeira, o resultado é uma limpeza urbana e as ruas se tornam menos quentes e menos poluídas”, comenta Valtemir Messias, conhecido como Índio, presidente da Associação de Moradores da Vila do João. Ele assegura que o ganho maior é conscientizar todos sobre a importância das árvores. Valdenise Brandão, conhecida como Val, realizou com seus colegas garis as modificações de locais que antes acumulavam lixo e, hoje, são canteiros. “São inúmeras as transformações com o plantio de árvores, como purificar e umedecer o ar, a beleza do local e uma vida mais saudável, sem pontos de lixo. Essas iniciativas realizam mudanças na vida dos moradores, como maior socialização”, explica.

Quem caminha pelas ruas da Maré percebe a necessidade de mudanças. “A favela tem visíveis problemas como a coleta de lixo e acúmulo de entulho, o desperdício de água e ruas com buracos. Para melhorar o local, devemos fazer a nossa parte, como plantar árvores, que ainda dão sombra”, avalia Kátia Muniz, moradora da Vila do João.

Fernanda Santiago, professora de Biologia da Redes da Maré e de Ciências na Luta Pela Paz, avalia a iniciativa como um direito previsto na Constituição Federal, no artigo 225, que fala do meio ambiente. Ela acredita que esse direito promove um ar mais limpo, já que a Maré é um dos locais urbanos mais poluídos, principalmente por não ser arborizada. Acredito que a comunidade escolar precisa falar mais sobre o assunto, de forma que seja levado para casa, para que todos entendam o direito ao ambiente como questão de saúde”, conclui.

A Secretaria de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos informou que plantar mudas numa cidade quente como o Rio de Janeiro é proporcionar qualidade de vida aos cariocas. Os moradores podem participar ajudando na conservação e participando do plantio. Além disso, deu a notícia que haverá uma segunda fase do projeto no início de fevereiro, em parte da Avenida Canal, em frente à Avenida Brasil e a Escola Municipal Professor Josué de Castro.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17