SOS para a Saúde

Data:

Profissionais da Maré fazem protesto contra crise na Saúde

Hélio Euclides

Uma notícia surpreendeu no primeiro dia do mês de agosto: jornais cariocas circularam com a informação de que a Saúde Municipal estava em crise, e que onze Unidades de Saúde na Zona Oeste, que atendem a mais de 350 mil pessoas, seriam fechadas. A notícia foi piorando ao longo do dia:  outras Clínicas da Família (CF) e Centros Municipais de Saúde (CMS) de outros pontos da cidade também poderiam fechar. O resultado foi a ocorrência de diversos protestos feitos pelos profissionais da Saúde. Um deles ocorreu no dia 02 de agosto, quando funcionários do CMS Samora Machel, na Nova Holanda, paralisaram suas funções, e fizeram um minuto de silêncio em frente à unidade.

Os funcionários seguravam uma faixa onde se lia: #Nenhuma Clínica a Menos. Em um outro cartaz, os dizeres eram: A Maré Unida pelo SUS. “Estamos aqui para defender nossa unidade e todas as outras da cidade, não tem para onde correr. Num momento de crise no País, é quando o paciente precisa mais de nosso apoio. Mesmo quem tem Plano de Saúde, procura o serviço público para tomar uma vacina ou o tratamento de tuberculose, que é exclusivo pelo SUS. Esse ato não é questão política, mas pelo direito à Saúde, que está na Constituição [Federal de 1988]. Vamos continuar na luta”, afirma Carlos Vasconcelos, médico do CMS Samora Machel, administrado pela instituição Viva Rio. Quem passa em frente a outras Unidades de Saúde na Maré, percebe cartazes em frente às faixadas, como ato de protesto.

A Prefeitura atingiu o teto da Lei de Responsabilidade Fiscal e esse pode ser o principal motivo do colapso na Rede de Saúde, com o corte de orçamento na Secretaria. “Ficamos sabendo que foram dispensados funcionários da Saúde, da área de Jacarepaguá. O motivo apresentado foi a falta de recursos. O pior é que a informação complementar é que vão dispensar outros. Por isso, resolvemos mobilizar funcionários e pacientes. Um dado importante é que cada Clínica da Família, com suas equipes completas, atende a uma média de 30 mil pessoas”, desabafa o médico.

A Secretaria Municipal de Saúde reforçou as declarações do prefeito Marcelo Crivella de que nenhuma Unidade será fechada e que o serviço será mantido. Mas não confirmou se haverá cortes na verba da Saúde na cidade.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17