Três crianças desaparecem em Belford Roxo, na Baixada Fluminense

Data:

Matheus, Alexandre e Fernando Henrique foram vistos pela última vez no domingo (27), enquanto brincavam

Por Edu Carvalho, em 29/12/2020 às 15h15. Atualizada em 10/09/2021 às 12h20.
Editado por Andressa Cabral Botelho

Alexandre da Silva, de 10 anos, Lucas Matheus da Silva, de 8 anos, e Fernando Henrique Ribeiro Soares, de 11 anos, estão desaparecidos há dois dias, quando foram vistos pela última vez no bairro Jardim Dimas Filho, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

A mãe de Alexandre, a babá Rana Jéssica, de 30 anos, disse que está com o “coração apertado” com o ocorrido. Ela afirma que o filho e os outros dois meninos estavam brincando em um campo de futebol e, após irem em sua casa para tomar café, desapareceram. A Polícia Civil já ouviu os pais e está em busca das crianças.

Atualização: Nesta quinta-feira (09/9), o secretário de Polícia Civil, Allan Turnowski fez um comunicado sobre o caso dos meninos de Belford Roxo. Segundo Turnkowski, os culpados pelas mortes das três crianças foram os traficantes da favela Castelar, que fica em Belford Roxo, Baixada Fluminense. O motivo teria sido o furto de um passarinho.

A investigação tem como ponto principal a ação de Wilter Castro da Silva, o Stala, que teria autorizado o espacamento de Lucas Matheus (8), Alexandre Silva (10) e Fernando Henrique (12). Stala foi morto logo depois, a mando de Wilton Quintanilha, o Abelha.

A elucidação do desaparecimento ganhou fôlego nos últimos meses, desde quando o Ministério Público do Rio de Janeiro encontrou registros dos garotos em câmeras localizadas na rua Malopia, num bairro vizinho à comunidade Castelar.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade