Anielle Franco visita a Maré para diálogo com organizações e coletivos

Data:

Ministério da Justiça Racial faz escuta com organizações, coletivos e lideranças para diálogo sobre melhorias no acesso a políticas públicas

A visita da ministra Anielle Franco, cria da Maré, aconteceu na manhã desta segunda-feira, 19 de junho, no Centro de Artes da Maré e fez parte da Caravana Juventude Negra Viva, coordenada pelo Ministério da Igualdade Racial e a Secretaria Nacional de Juventude da Secretaria Geral da Presidência. Organizações, coletivos, lideranças e representantes de associações de moradores do Conjunto de Favelas da Maré estiveram presentes para um processo de escuta e proposição de ações estruturantes que possam fortalecer melhorias no acesso à políticas públicas para a Maré, sobretudo para a juventude preta e favelada do território. 

Beatriz Virgínia, também moradora da Maré, começou as atividades do encontro com uma apresentação de Slam. Na sequência, Flavinha Cândido iniciou a organização do processo de escuta chamando atenção para a representatividade territorial das cerca de 50 organizações ou movimentos representados pelas lideranças presentes.  

Diversas pautas foram apresentadas como: as diversas violências sofridas pelas mulheres pretas de favela e contra população LGBTQIAP+; os impactos da violência armada na vida dos defensores de Direitos Humanos e a criminalização das organizações sociais; a sustentabilidade de coletivos; o espaço e incentivo ao esporte, a sobrecarga, bem como  estratégias de formação e de fortalecimento dos profissionais da educação; o racismo ambiental e acesso à saneamento básico, entre outras. 

Esse encontro fez parte da oitava agenda da caravana que está percorrendo as capitais com o objetivo de promover a participação social de jovens negros e negras, de organizações da sociedade civil e gestores dos estados e municípios relacionadas à pauta de juventude e igualdade racial, na elaboração do Plano Juventude Negra Viva. Apesar do plano propor o olhar para demandas diversas da juventude, a redução da letalidade de jovens negros é seu principal foco.

“Ao entrar no Ministério eu enumerei cinco prioridades, e uma delas sempre foi o enfrentamento ao genocídio da população preta, em especial da juventude”, afirma a ministra.

Isadora Brandão, secretária nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC) também marcou presença no encontro. A secretária afirmou o compromisso do ministério na luta pela redução da letalidade da juventude negra e fortaleceu a importância do olhar para a memória sobre as trajetórias desses corpos: “não conseguimos produzir justiça, sem verdade, e isso não é possível sem memória”.

Após o processo de escuta das organizações, Renata Souza, deputada mareense destacou a necessidade de olhar para os processos de garantia de segurança para os defensores e defensoras de Direitos Humanos e também na natureza de criação de tecnologias sociais, nas favelas, para redução de desigualdades. A vereadora Mônica Benício trouxe a reflexão sobre a participação popular na construção de políticas.

Foto: Gabi Lino | Ministra Anielle Franco e Deputada Renata Souza

Anielle fechou a manhã desta segunda-feira (19/06), elencando os principais pontos da Caravana Juventude Negra Viva e o compromisso da escuta e do diálogo constante do ministério nas pautas apresentadas. A ministra reforçou, ainda, que está em articulação com o governador Cláudio Castro para cobrança a respeito da segurança pública no Rio de Janeiro. As lideranças que articularam junto ao ministério à visita irão organizar um documento consolidando todas demandas apresentadas no encontro. 

Nos próximos dias 20 e 21 de junho (terça-feira e quarta-feira), a caravana segue com programação no Rio de Janeiro. As oficinas ocorrerão no Circo Crescer e Viver, localizado na rua Carmo Neto, 143 – Cidade Nova, Rio de Janeiro – RJ, 20210-051, a partir das 9h. As incrições podem ser feitas no link.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Povo negro resiste frente às estruturas de discriminação racial 

Racismo institucional é alimentado pela falta de reconhecimento do racismo estrutural, pela sub-representação de pessoas negras em cargos de liderança e pelo apagamento da contribuição e identidade negra na história e na cultura

Evento leva atividades pós-carnavalescas gratuitas para Fiocruz

Amanhã, das 10 às 16h, atração musical, atividades externas, oficinas, exposições e teatro dão o tom do “Quero + Folia no Museu”, um evento que vai abrir as portas da FioCruz