Com pandemia, serviço de delivery reinventa e traz esperança para o comércio da Maré

Entrega de kit do Maré de Sabores. Foto: Douglas Lopes

Com pandemia, serviço de delivery reinventa e traz esperança para o comércio da Maré

Comerciantes locais encontraram na entrega de produtos uma alternativa para se manterem funcionando

Por Dinho Costa, em 28/04/2021 às 14h55
Editado por Andressa Cabral Botelho

O primeiro dia das mães da pandemia, em maio do ano passado, teve uma queda de 40% nas vendas em varejo, segundo levantamento da Boa Vista, empresa de informações de crédito que administra o Banco de Dados que reúne informações comerciais e cadastrais de mais de 130 milhões de empresas e consumidores no país. A data é considerada a segunda mais importante para o setor, ficando atrás apenas do Natal. As medidas de isolamento social como norma de segurança à saúde foram a causa da queda. Na Maré não foi diferente. Embora os moradores de favelas tivessem e tenham um outro ritmo na pandemia, por não poderem lançar mão de alguns privilégios, como trabalhar de casa, houve o impacto na economia local. Com isso, muitos comerciantes precisaram se reinventar.

No ano passado, nessa época, não houve feira na Vila do João, muitas lojas não abriram e as abertas não tinham variedades por conta das mercadorias que já estavam chegando com dificuldade. Havia uma estranheza no ar e uma tristeza de ver a favela vazia. Mas por outro lado, abriu-se uma nova oportunidade. Compras pela internet aumentaram, como aumentaram também as vendas pelo WhatsApp de estabelecimentos da Maré, já que muitas  empresas de fora não entregam nas casas das favelas.

Muitos comerciantes mareenses começaram a oferecer o serviço de delivery. Hoje, praticamente todas as farmácias da Maré fazem entrega, e o melhor, grátis! Outros aplicativos também se popularizaram na Maré, como iFood e Zé Delivery, fazendo com que muitos estabelecimentos mareenses pudessem oferecer uma plataforma online, mais moderna, com suporte técnico, dando mais segurança ao negócio, um super ganho para o empreendedor das favelas. Em 2020, no mercado de alimentação como um todo, a demanda dos consumidores por serviços de entrega cresceu cerca de 250% no período de pandemia, segundo dados da consultoria Food Consulting.

E se cresce a demanda, também cresce a oferta. Um exemplo disso é o desempenho do aplicativo brasileiro iFood. Ele registrou alta de 12,7% no número de restaurantes que aderiram ao serviços de entrega já no primeiro mês de pandemia: ele pulou de 142 mil em março para 160 mil em abril, de acordo com o levantamento de Bruno Montejorge, diretor de Comunicação Institucional e Sustentabilidade, em entrevista ao Site Poder360. A ascensão continuou ao longo do ano e, em julho de 2020, o crescimento foi de mais de 30% no número de restaurantes cadastrados na plataforma.

Com esse crescimento do mercado, aumenta a procura por empregos nas áreas correspondentes, como chefes de cozinha, ajudantes, atendentes, e também os entregadores,  que, neste caso, enfrentam situações insalubres e perigosas – como sol, chuva, além do vírus – para garantir a refeição de alguém.

De acordo com levantamento e estudo do Instituto QualiBest, 53% dos usuários que utilizam aplicativos de entrega de alimentação pertencem às classes A e B e 47% às classes C, D e E. A maioria reside no Sudeste e usa o serviço aos finais de semana e feriados. Já o valor do ticket médio de pedido por pessoa é de R$43.

Buscando alternativas para se manter aberto

Para lidar com essa nova realidade onde os estabelecimentos fecharam seus espaços físicos e a experiência virtual foi aderida pelas empresas, muitas precisaram se reinventar e aprender novas técnicas para sobreviver no mercado de trabalho e consequentemente, na vida. Foi o caso do Maré de Sabores, projeto culinário desenvolvido pela Redes da Maré na Casa Das Mulheres, no Parque União.

O Buffet Maré de Sabores é um negócio de impacto social formado por mulheres da Maré, idealizado há 10 anos a partir do projeto de formação profissional em gastronomia e discussão de questões de gênero e sociedade. Antes da pandemia, o Buffet Maré de Sabores atuava no mercado de Catering atendendo a empresas e instituições com a realização de Coffee break, brunch, lanches e almoços. Em 2019, por exemplo, o bufê realizou 113 eventos, atendeu a quase 10 mil pessoas e esteve presente em importantes eventos do calendário anual da cidade, como Rock In Rio, Virada Sustentável, Pacto de Milão e Festival WOW. A venda dos serviços e produtos do bufê permite a independência financeira do coletivo de mulheres integrantes do grupo e o reinvestimento do lucro garante, também, sustentabilidade às oficinas do projeto – que em 10 anos formou 750 mulheres em gastronomia – possibilitando novos caminhos para melhorias na qualidade de vida das mulheres da Maré.

Por 10 anos consecutivos o Buffet Maré de Sabores teve como público-alvo empresas privadas, organizações e instituições que pautam em suas estratégias a responsabilidade social. Porém, com o fechamento da agenda anual do calendário de eventos da cidade em 2020 – em virtude da pandemia – e a não previsão de reabertura do mesmo para 2021, os esforços de marketing estarão voltados para um reposicionamento de mercado, apontando o negócio para o serviço de entrega domiciliar.  Para que isso ocorresse, foi necessário que o cardápio passasse por uma reformulação – mantendo receitas consagradas no serviço de catering – mas, também criando ofertas específicas para o consumo domiciliar, como o Kit Sextou composto de petiscos, compotas, molhos especiais e drinks. “O serviço tem contribuído para permanência do número de mulheres envolvidas no bufê, ou seja, não aumentou nem diminuiu muito, mas tem nos mantido fortes e unidas”, ressaltou Ana Beatriz Giacomo, coordenadora de comunicação e marketing do Maré de Sabores.

Se antes o público-alvo era exclusivamente de fora, com a pandemia, quem mora na Maré passou a prestigiar mais o serviço e o atendimento ao público interno tem, aos poucos, crescido. “Por conta do histórico de serviços prestados pelo projeto, 90% do público ainda é externo, mas já existem clientes na Maré adquirindo os produtos e conhecendo pouco a pouco o negócio. No Morro do Timbau e no Parque União, por exemplo, já é possível dizer que existem clientes fiéis ao Maré de Sabores e suas delícias culinárias”, observa Ana. O bufê tem feito estudos para conhecer melhor o gosto do mareense e desenvolver um cardápio que seja mais atraente e com preço mais acessível.

Como alternativa para conquistar novos públicos e continuar a agradar o que já era fiel, o Maré de Sabores criou uma agenda de lançamentos para as festividades de datas comerciais, como o Dia das Mães. Desde o dia 20 de abril é possível conferir na loja online algumas receitas, como galinha caipira com purê de milho, costela de porco com molho de mostarda e macarronese com maionese caseira de girassol. Ficou com fome? Você pode conhecer mais sobre o projeto clicando aqui

Diante do momento em que os comerciantes vivem e pela necessidade de adaptação para continuar trabalhando, Mariana Aleixo, coordenadora do projeto Maré de Sabores, foi premiada pelos trabalhos desenvolvidos nos últimos anos, mas principalmente como o projeto se adaptou e tem sobrevivido à pandemia. Ela, junto com Thiago Vinícius de Paula da Silva (32), de Capão Redondo, Zona Sul de São Paulo, são os dois brasileiros a integrarem a lista “50 next”, uma espécie de “oscar” do setor gastronômico, promovido pelo “World’s 50 Best”, que destaca de trabalho de jovens e suas novas formas de fazer gastronomia. Ser contemplada por atuar em um projeto social, que além do bufê, desenvolveu ações de soberania alimentar durante a pandemia para os mais vulneráveis, é revolucionário. “O prêmio é importante porque reconhece e dá visibilidade principalmente para a favela, para iniciativas que trazem à pauta, o acesso à garantia de direitos dos nossos territórios. E a gastronomia, ser essa forma de pensar a mudança estrutural da desigualdade, é fundamental, pois quando se garante segurança alimentar para a população, de favela, de periferia, para os que estão à margem da sociedade, para mulheres principalmente, estamos rompendo com o ciclo da desigualdade de uma forma muito coletiva, muito estrutural”, destacou Mariana.

Cardápio do Maré de Sabores. Foto: Divulgação

Andressa Cabral Botelho

Artigos relacionados

1 Comment

  • Parabéns por essa linda matéria.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *