Como convencer a usar máscara e manter o  distanciamento a quem sequer tem teto?

Leo Motta

Como convencer a usar máscara e manter o distanciamento a quem sequer tem teto?

Por Leo Motta em 11 /03/2021 às 9h

Novos rostos e histórias chegaram nesse período. Triste realidade. Se sair dessa situação sozinho é quase que impossível, imagina com uma pandemia? No primeiro momento veio  uma chuva de solidariedade. Porém hoje, após um ano, muita coisa mudou. A ajuda vista no começo já não é a mesma, e a cada dia parece que a coisa fica mais difícil.

Convencer quem não tem um endereço a usar máscara, muito menos fazer distanciamento é complicado. Para quem só sobrevive tendo como companheira a dureza da calçada e a frieza de um papelão, os cuidados nem sempre conseguem ser os primordiais. As urgências são outras. A rua é casa de muitos, mas deveria ser mesmo de ninguém. 

Os projetos sociais que permanecem passam por dificuldade, inclusive o meu, criado em 2019, o qual batizei com o que eu acredito. Aos sábados, atendemos 150 pessoas em situação de rua. Além de pessoas, encontro também incertezas. Com uma piora e aumento de contágio, medidas restritivas, a situação só pode agravar. Sem ter direito ao Auxílio Emergencial, pois muitos não têm sequer documentos, como vão comer? 

A preocupação maior agora é com a vacina. Não se tem relatos específicos da população de rua que fez testes, de casos confirmados, muito menos de óbitos. Será então agora que vão lembrar de quem está na calçada? A imunização vai chegar?

Da criança ao jovem, de homens, mulheres e trans; de idosos, gestantes a dependentes químicos e alcoólicos, além dos que têm transtornos mentais. Essas pessoas merecem acolhimento, não o sentimento de que o mundo não é para elas. Elas também merecem e devem receber a dose, assim como alimento e moradia.


Leo Motta fez parte da população em situação de rua e é escritor

Se você encontrou um erro de ortografia, notifique-nos por favor, selecionando o texto e pressionar Ctrl + Enter.

Daniele Moura

Artigos relacionados

1 Comment

  • Nossa triste realidade

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Obrigado!

Nossos editores são notificados.