Estudante escreve livro inspirado em evento do Parque União

Data:

Com o incentivo de sua professora de português, Fernando iniciou sua jornada como escritor por volta de 2014, e baseado nas aventuras do herói Jaspion

Por Gabriel Pereira (*)

Já pensou o que aconteceria se o rock se transformasse num super-humano? Pois foi isso que Fernando, jovem morador do Parque União, trouxe à realidade. Com o título de Fernando Black, o protagonista começou a tomar forma por meio do Ponto do Rock, evento que acontecia todas as sextas-feiras à noite na Praça do Parque União, uma das principais favelas da Maré.

Com o incentivo de sua professora de português, Fernando iniciou sua jornada como escritor por volta de 2014, e baseado nas aventuras do herói Jaspion (o famoso herói japonês espacial que luta contra ameaças intergalácticas para proteger a Terra) criou seu próprio personagem homônimo ao escritor, o Fernando Black. Vindo do Planeta Divino, Fernando Black possui o título de investigador, com o propósito de afastar as trevas do planeta Terra. Seu traje all-black (todo preto), possui fortes influências do que se estabeleceu no jovem escritor.

Leia Mais:
Qual é a cara da Maré? Juventude traz para o território (mareonline.com.br)
A Maré presente na Bienal do Livro (mareonline.com.br)
Literatura feminina com as marcas da Maré (mareonline.com.br)

A ideia do personagem foi tão forte para Fernando que o inspirou a escrever três temporadas de séries e cinco especiais que ele pensa transformar em conteúdo de audiovisual, explorando seu lado cinematográfico. E sobre isso, Fernando afirma que não houve dificuldades em passar para o papel todas as suas ideias, tendo máxima naturalidade em escrever e produzir tudo sobre o universo do personagem, até porque além de escrever, produziu as próprias ilustrações e conceitos do personagem, conforme imagens abaixo:

Figura 1: Capa do primeiro livro “O Investigador Fernando Black”

Figura 2: Figurino de Fernando Black produzido pelo autor Fernando Fernandes.

A importância de uma rede de apoio

Atualmente trabalhando com seu pai em um comércio familiar, Fernando lembra de como sua tia e madrinha Vilma foi importante para seu desenvolvimento como escritor. Ela o apoiou desde criança, época que já havia descoberto a paixão pelas palavras, e escrevia roteiros teatrais para sua escola, assim como fazia da produção textual sua brincadeira favorita.

Já adulto, após escrever suas histórias, Fernando conseguiu, com a ajuda de sua professora, tornar físico alguns de seus livros, publicando-os de forma independente, conseguindo vender na sua antiga escola aproximadamente mais de 30 exemplares num curto período aproximado de uma semana.

Expressando cada vez mais sua paixão pela escrita e literatura, Fernando busca maior visibilidade para seu trabalho para que possa se sustentar como escritor. Assim como sonha continuar escrevendo e publicando mais livros, não só sobre Fernando Black, mas sobre outros personagens que vem criando.

Para conhecer mais sobre o trabalho do Fernando, confira as redes sociais do autor, que divulga sua arte tanto em seu perfil do Facebook como em seu perfil do Instagram.

(*) Gabriel Pereira é estudante universitária vinculada ao Curso de Extensão do Maré de Notícias com o Conexão UFRJ, uma parceria entre o Maré de Notícias e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Entenda o Projeto de Lei que equipara aborto em casos de estupro a homicídio 

O Projeto de Lei 1904/2024, chamado de “PL da Gravidez Infantil” ou “PL do Aborto”, equipara o aborto após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio, criminalizando mulheres e profissionais de saúde envolvidos no procedimento.

Operação da Polícia Civil é marcada por intenso tiroteio e correria em três favelas da Maré

O Maré de Notícias recebeu vídeos que mostram mães correndo e procurando se proteger dos disparos abraçadas a seus filhos por causa do horário de saída do período matutino