Evento na Praça da Nova Holanda celebra ancestralidade brasileira

Data:

Espaço de Desenvolvimento Infantil realiza ação para festejar herança cultural do Brasil e reforçar importância do cuidado com espaço público

Por Hélio Euclides, em 13/09/2022 às 10h27

A festa cultural Raízes do Brasil motivou moradores a ocuparem a Praça do Valão, como é conhecida a área de lazer que fica atrás do Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Professora Cleia Santos de Oliveira, na Nova Holanda. Na tarde da última sexta-feira (9), professores do EDI mostraram as tarefas que as crianças fizeram em sala de aula sobre a ancestralidade brasileira, por meio de cartazes que ornamentaram a praça e apresentações culturais diversas.

Isabel Thomas, professora de história da unidade escolar, estava contente por transformar a praça numa sala de aula, com um tema tão em evidencia. “É prazeroso quando se trabalha na gestão do desenvolvimento, no combate do preconceito e do racismo. Dessa forma, conquistamos novos formadores de opiniões, com respeito a diversidade, pois a criança não nasce racista, ela aprende com o entorno. Por esse motivo, trabalhamos o projeto pedagógico sobre a etnia, entre elas a cultura nativa. Conversamos com os alunos sobre a ancestralidade, acompanhando os povos originários, africanos e europeus, que ajudaram na nossa composição”, comenta.

Além de aprender sobre a verdadeira história do país, os presentes que lotaram a praça ainda se divertiram. “Ótima oportunidade de trazer as crianças para atividade que estimule elas a brincarem e serem felizes”, diz Adriana da Silva, moradora da Nova Holanda. Para Helena Edir, moradora da Nova Holanda e diretora da Redes da Maré, é importante que a ocupação territorial ocorra através de iniciativas deste tipo. “Muito legal o uso por meio de uma escola desse espaço que é o único destinado para o lazer das crianças da Nova Holanda. Não se pode desfazer desse local que traz tranquilidade para as mães e felicidade para as crianças. Acredito na necessidade de ocupar mais a praça, com vários eventos”, diz. 

Crianças do EDI Professora Cleia Santos de Oliveira participam de atividade durante o evento | Foto: Valéria Moura

A festa contou com barraquinhas que vendiam lanches, além de danças, brincadeiras e apresentações de grupos de capoeira e jongo. Tudo com foco na origem do povo brasileiro. “Desejamos desmistificar o que é a África, mostrando que os costumes desse continente não são do mal e sim algo cultural. Por outro lado, ocupar a praça e ao mesmo tempo estimular a cultura no território. Queremos ressaltar também que o prédio da unidade escolar não é algo mal-assombrado, que lá dentro tem vida e crianças. Dessa forma, colocamos cartazes nas janelas mostrando que todos precisam cuidar do prédio, que é um espaço público”, conta Isabela Costa, diretora do EDI Cleia Santos de Oliveira. Ao final do evento, a bateria da escola de samba Gato de Bonsucesso fez uma apresentação.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

8ª Edição do Fórum Sobre Drogas na Maré começa nesta segunda-feira

O encontro, criado em 2016, surgiu com o intuito de fortalecer a rede de cuidado e saúde para o atendimento da população em situação de rua e pessoas que fazem uso abusivo de álcool e outras drogas

Ativista e jornalista da Maré no G20

Do Conjunto de Favelas da Maré à conferência da 19a reunião de cúpula do G20, a trajetória de Kaya Bee, moradora da Nova Holanda é um exemplo inspirador na luta por um futuro mais justo e sustentável. Aos 27 anos, mãe, ativista climática e estudante de jornalismo, ela carrega a força e a resiliência de quem enfrenta os desafios da vida na favela com a determinação de transformar a realidade para os mareenses.