‘Favela Champions’: Luta pela Paz promove campeonato de artes marciais das favelas

Data:

Primeira edição do Favela Champions acontece no dia 29 de outubro, na Arena Carioca 1, no Parque Olímpico. Whinderson Nunes será embaixador e mestre de cerimônias do evento.

Milhares de jovens cariocas poderão vivenciar o sonho de competir em um palco olímpico. No dia 29 de outubro, na Arena Carioca 1, no Rio de Janeiro, será realizada a primeira edição do Favela Champions, evento da Luta pela Paz para promover o desenvolvimento de alunas e alunos atendidos pelos projetos da entidade.

Quatro modalidades esportivas compõem o quadro de competições do evento: boxe, jiu-jitsu, luta livre esportiva e muay thai. Centenas de atletas estão inscritos para as disputas em cada categoria, todos dispostos a entregar o melhor de si e conquistar o seu lugar no pódio. O ingresso para assistir aos combates é solidário, e poderá ser trocado no local por 1 kg de alimento. As doações serão destinadas às famílias de crianças e jovens atendidos pela Luta pela Paz (LPP) na favela Nova Holanda, na Maré.

Ao longo do intenso dia de competição, o Favela Champions terá ainda apresentação de artistas do Conjunto de Favelas da Maré, sede da Luta pela Paz, e show de encerramento do evento. Acompanhadas pelos responsáveis, as crianças também terão atividades no local, que ainda oferece espaço com food trucks e diversas opções de alimentação. Whinderson Nunes será embaixador e mestre de cerimônias do evento.

“O esporte ensina aos jovens disciplina, coragem, autocontrole, estabelecimento de metas e humildade. Muitos atletas atuais campeões mundiais cresceram em comunidades desfavorecidas, onde apenas ir à academia todos os dias é um desafio. O Favela Champions é o primeiro campeonato de boxe e artes marciais do Brasil que destaca a importância de comunidades como a Maré, onde nasceu a LPP, e de onde vieram muitos campeões e campeãs, e onde tantos jovens talentosos treinam todos os dias para um futuro melhor dentro e fora do ringue e do tatame”

Luke Dowdney, fundador da Luta pela Paz, antropólogo e ex pugilista inglês.

A Luta pela Paz trabalha em comunidades afetadas pela desigualdade social e violência, fazendo com que jovens possam se desenvolver, alcançar o melhor de seu potencial e construir uma sociedade mais inclusiva. Fundada e sediada na Maré, no Rio de Janeiro, a entidade está presente em 25 países por meio de suas academias, programas Comunidade Segura e aliança de parceiros treinados com a metodologia criada pela organização.

Leia Mais:
https://mareonline.com.br/o-esporte-me-levou-a-lugares-inimaginaveis/
https://mareonline.com.br/com-vila-para-pratica-de-esportes-moradores-da-mare-se-tornam-olimpicos/
https://mareonline.com.br/esporte-e-vida/

São 23 anos de atuação, ultrapassando a marca de 250 mil pessoas impactadas em todo o mundo. Multipremiada no cenário internacional, a Luta pela Paz forma atletas e profissionais de diversas áreas no esporte, como treinadores e gestores, impulsionando o ecossistema esportivo nacional. Qualquer pessoa pode contribuir com o trabalho desenvolvido pela instituição. As doações podem ser feitas por meio do site lutapelapaz.org.

Favela Champions:

Data: 29 de outubro (domingo)

Local: Arena Carioca 1, Parque Olímpico

Endereço: Av. Embaixador Abelardo Bueno, 3401 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro – RJ

Horário: abertura a partir das 9h, finais a partir de 15h

Ingressos: Troca por 1 kg de alimento no local

Classificação: Livre

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade