Festival WOW traz debates sobre violência pelo olhar feminino

Data:

‘Um grande quilombo que se cria’ afirma Tainá Alvarenga mediadora de uma das mesas

O primeiro dia do Festival Mulheres do Mundo WOW foi um sucesso. Prova disso foram as filas que se formaram na Praça Mauá para assistir as mesas de conversas com mulheres inspiradoras como a Conceição Evaristo. Além da partilha de experiências, as conversas promovem encontros de afetos e sensibilidade.

As mesas “Violência e Segurança Pública” e “Mulheres Raça e Violência Estatal” que aconteceram no Museu do Amanhã e no Museu de Arte do Rio respectivamente, abordaram como a violência cometida pelo Estado impacta na vida das mulheres.

Leia Mais:

Confira a programação do primeiro dia do Festival Mulheres do Mundo.
Festival Mulheres do Mundo WOW acontece de 27 a 29 de outubro
Festival WOW começa nesta sexta; Saiba mais sobre a programação

A coordenadora do Eixo Direito a Segurança Pública e Acesso a Justiça da Redes da Maré, curadora do evento, Liliane Santos destacou a importância da segurança pública como direito de todos e disse se sentir grata por compartilhar com outras mulheres “majoritariamente o tema da segurança pública é dominado por homens.”

A coordenadora do Maré de Direitos, projeto que fornece atendimento sociojurídico às vitimas das operações policias na Maré, Tainá Alvarenga considerou que o festival é uma espécie de “um grande quilombo que se cria, se constrói em torno da Praça Mauá”.

Andreia MF também falou sobre a violência carcerária na mesa que aconteceu no Museu de Arte do Rio. (Foto: Gabi Lino / Maré de Notícias)

Entre os assuntos abordados durante essas duas mesas, o principal foi o impacto da violência policial na vida das mulheres. A advogada Dina Alves que presta assessoria jurídica para as Mães de Maio considerou que é importante destacar a potência dos movimentos de mães como o Mães do Cárcere e o Mães de Vítimas da Violência Armada.

As duas mesas do Festival WOW contaram com mães que lutam pela preservação da honra de seus filhos. Ivanir Mendes, mãe de Moisés Mendes de Santana, que foi assassinado no Pavão-Pavãozinho em 2017, contou que as famílias ficam com sequelas. “A gente que é mãe, ainda tem que ir para a mídia lutar pela honra dos nossos filhos.” Andreia MF revela que a força que carrega, vem do seu filho – inclusive as iniciais MF significam mãe e filho. “Filho para mim é aquele barato que a alma fala e a emoção pula.” Já Bruna Silva, mãe de Marcus Vinícius, assassinado pela polícia quando chegava na escola na Maré acrescenta, “o que me faz seguir é o amor pelo meu filho”. Marcos Vinicius que foi assassinado em 2018 indo para a escola, ainda uniformizado, Bruna ainda guarda o uniforme do filho.

A mesa “Violência e Segurança Pública” está disponível no YouTube do Canal Futura.

Amanhã tem mais Festival WOW! Confira a programação completa do segundo dia do evento, você também acompanha aqui pelo Maré de Notícias.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17